Desafios intangíveis da implantação SOA – compartilhando experiências

Apesar da Arquitetura Orientada a Serviços não ser novidade, com inúmeros livros, artigos e materiais publicados sobre o tema, verificamos no decorrer da experiência em projetos que existe ainda uma grande discrepância na compreensão do conceito que existe por trás dessa sigla. Com frequência vemos “SOA” sendo usado para descrever uma camada com serviços de integração, muitas vezes ponto a ponto, desconsiderando totalmente a riqueza de critérios relacionados ao conceito.

Essa distância entre proposição e aplicação não é exclusividade de SOA. No desenvolvimento ágil de software, por exemplo, muitos projetistas e empresas afirmam usar SCRUM, enquanto possuem somente um grande backlog de tarefas e um quadro kamban com a lista de TO DO, DOING, DONE. Muitas vezes utilizam-se desse artifício para justificar uma documentação precária. Mas isso é um outro assunto. :)

Em projetos de integração, quando é necessária uma camada – obviamente – de integração, comumente usa-se o termo camada SOA para defini-la. Mas sem um alinhamento arquitetural apropriado, esta camada acaba se restringindo simplesmente a um aplicativo cuja função é fazer com que dois ou mais sistemas possam trocar informações entre si. Isso por si só não caracteriza SOA e não gera nenhum benefício e nem ganho tangível para a organização. Esta distorção do conceito pode causar uma grande antipatia por parte de clientes e usuários. Assim, em algumas situações, chega-se ao ponto que, basta ouvir falar em ‘SOA’, que a rejeição é certa!

Com o tempo começamos a observar que esse é, talvez, um dos maiores limitadores para que a arquitetura orientada a serviços ganhe espaço hoje nas organizações. Sem conhecer com um pouco mais de profundidade o conceito é praticamente impossível que haja aceite da utilização desse tipo de arquitetura por parte do financiador do projetos. É difícil justificar SOA do ponto de vista tempo, custo e escopo. Pensar em criar serviços que serão reutilizáveis e outros artifícios como governança nem sempre são reconhecidos quando falamos de um cenário de TI que, atualmente, trabalha sempre com curtos prazos e projetos que já começam atrasados.

Se você também se depara com essas situações no seu dia-a-dia, queremos saber o que você faz para lidar com elas. De qualquer maneira, aproveitamos pra compartilhar algumas lições aprendidas nossas:

  1. Procure compreender o conceito de SOA. Aqui no nosso blog temos alguns artigos sobre o tema (veja esse, por exemplo). Se preferir um livro, sugerimos a literatura de Thomas Erl, especialmente dois: “SOA: Concepts, Tecnology and Design” e “SOA: Principles of Service Design“.
  2. Deixe claro o que é e o que não é SOA. Quando o seu cliente chamar a camada de integração (por exemplo, ponto a ponto) de “SOA”, esclareça que isso não é uma arquitetura orientada a serviços. Se precisar justificar, lembre-se que:
  • SOA não é
  • uma tecnologia
  • uma metodologia
  • algo que se compra e que se instala
  • um webservice
  • SOA é:
  • uma filosofia arquitetural
  • baseada no conceito do uso de serviços atômicos, independentes e com baixo acoplamento

Falando de SOA, precisamos falar também de serviços. Segundo Erl, existem oito requisitos que definem uma boa implementação de serviços para que a implantação de SOA seja satisfatória. São eles:

  • Contrato de Serviço Padronizado: serviços dentro do mesmo inventário de serviços estão em conformidade com os mesmos padrões de design de contrato.
  • Serviço com Fraco Acoplamento: os contratos de serviços exigem e impõem baixo acoplamento e estão dissociados de seu ambiente e escopo.
  • Abstração de Serviço: contratos de serviços contém apenas informações essenciais. Informações sobre os serviços são limitas ao que é publicado em contratos de serviços.
  • Reutilização de Serviço: serviços contém e expressam uma lógica agnóstica e podem ser posicionados como recursos corporativos reutilizáveis.
  • Autonomia de Serviço: serviços exercem um alto nível de controle sobre o ambiente de execução.
  • Serviço statelessness: serviços minimizam o consumo de recursos, adiando a gestão da informação do estado, quando necessário.
  • Descoberta de serviço: serviços são complementados com meta dados comunicativos, onde cada um deles pode ser efetivo.
  • Modularidade de Serviço: serviços são participantes efetivos em composições (composites), independentemente do tamanho e da complexidade da composição.

Estas são algumas informações que podem ser úteis para você que também acredita nos valores de SOA.

E nós aguardamos suas experiências. :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>