Os desafios da homologação de Processos Automatizados

O avanço do BPM trouxe muitos benefícios para as organizações, porém trouxe também alguns novos desafios. Para os usuários finais, isso gerou uma grande mudança cultural que, se não for corretamente encaminhada, pode colocar em risco toda a iniciativa BPM. Engana-se, porém, quem pensa que os usuários finais são os únicos que se depararam com mudanças importantes na adoção de BPM. Também a equipe de TI passou a ter novos desafios, e hoje iremos falar de um destes: a homologação da automação de processos.

A homologação de sistemas tradicionais de TI é um processo bem conhecido que envolve, em linhas gerais, a criação e a execução de roteiros de testes pelos testadores e usuários de negócio. Ao longo do tempo, uma série de ferramentas e metodologias surgiram para facilitar este processo, envolvendo desde a automação dos testes através de ferramentas específicas para este fim, até metodologias como Test Driven Development (TDD), que modificam significativamente o processo de desenvolvimento convencional.

Grande parte das homologações dos sistemas convencionais possuem em comum a existência de uma tela que deve ser homologada, ou seja, uma interface que é a “cara” do sistema para os usuários finais. Estas telas podem eventualmente ter grande complexidade, envolver múltiplos passos para execução e outros complicadores, mas o processo de homologação de um sistema convencional é normalmente bem direto: devem ser testadas todas as interações do usuário com as telas, e se certificar que o sistema está respondendo da forma esperada.

Esta forma de realizar os testes ainda continua válida no caso de homologação de automação de processos, e ainda existirão telas que deverão ser homologadas (nos casos em que usuários interagem com o processo), mas existem diferenças importantes. A principal delas diz respeito ao “coração” da automação de processos, que é o fluxo automatizado que deve ser testado. No lugar de ter apenas uma ou mais telas que precisam ser testadas, agora o principal foco dos testes passa a ser o processo automatizado em si, ou seja, a execução das tarefas seguindo o fluxo desenhado. Isto traz uma série de dificuldades bem específicas, e abaixo listamos algumas das mais importantes:

  • Um processo automatizado, muitas vezes, é iniciado por outro sistema. Nestes casos é preciso simular o disparo do processo manualmente, utilizando por exemplo ferramentas de testes de serviços (ex: SoapUI), que não são muito amigáveis para usuários finais. Nestes casos, também é preciso montar manualmente diferentes versões do que costumamos chamar de dados de entrada do processo, ou seja, os dados que serão exibidos e manipulados durante a execução do processo. Cada uma destas versões tratará de um diferente cenário previsto nos roteiros de testes.
  • Diferente de uma tela de sistema convencional, que via de regra pode ser homologada por um único usuário, um processo automatizado é composto de atividades enviadas para usuários diferentes, muitas vezes pertencentes a diferentes setores da organização. Desta forma, diversos usuários de negócio precisarão ser envolvidos no processo de homologação, cada um testando as atividades que lhe competem. Isto gera uma série de questões adicionais que precisam ser previstas em tempo de planejamento, como por exemplo, os tempos de espera que um determinado usuário poderá ter durante o dia, enquanto aguarda que os fluxos em execução atinjam o estágio em que este usuário participa do processo.
  • Embora sejam executados por diferentes papéis e eventualmente setores da organização, deve-se garantir a integridade e a perfeita execução do processo automatizado como um todo: isso exige um perfil que precisará acompanhar a execução do processo entre os diversos papéis/setores, e garantir a correta execução de todos os caminhos previstos. Envolve ações como, por exemplo, garantir a integridade dos dados sendo manipulados de uma atividade para outra, e garantir que o encaminhamento feito na atividade anterior executou o andamento correto no processo.
  • Muitas vezes, durante a execução do processo automatizado, existem integrações automáticas que não tem uma “interface” visível para os usuários. Por exemplo, são integrações que gravam e/ou obtêm informações em banco de dados e sistemas legados, usualmente via invocação de serviços. Nestes casos é preciso testar estas integrações manualmente durante a execução do processo, utilizando ferramentas mais técnicas (ex: a própria ferramenta de administração do BPMS), que no geral são pouco amigáveis para usuários finais. Nestes casos a homologação destas integrações tende a ser “delegada” para perfis mais técnicos do projeto, como analistas e testadores, visto que dificilmente um usuário de negócio terá o conhecimento ou perfil necessário para fazer estas verificações.
  • Em muitos casos, as aplicações acessadas para apoiar a realização das atividades foram construídas especificamente para serem invocadas através do processo. Logo, nestes casos é necessário ter preocupações adicionais de testes de segurança destas aplicações, como por exemplo:
    • Garantir que uma determinada aplicação só conseguirá ser acessada através da atividade específica que a invoca, e que não poderá ser acessada através de artifícios como, por exemplo, colar a url no navegador;
    • Garantir que somente os usuários dos papéis que estão atribuídos à atividade terão acesso aquela determinada instância de processo.

Como vimos, a homologação de automação de processos traz novos desafios em relação à homologação de sistemas convencionais, e precisa desta forma ser adequadamente planejada e estimada no cronograma do projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>