Particularidades na execução de projetos com integrações – Parte 2

No primeiro post (disponível aqui), iniciamos uma avaliação de particularidades da gestão e execução de projetos envolvendo integrações, com foco nas dependências técnicas e gerenciais.

Hoje, a ideia é “conversarmos” sobre algumas práticas metodológicas importantes para minimizar riscos e conduzir o trabalho de maneira organizada.

Apesar de podermos citar um grande número de práticas, algumas são especialmente relevantes para o sucesso deste tipo de projeto, a saber:

  • Definição de uma arquitetura do projeto. O básico do básico, mas por vezes esquecido. É fundamental definir uma arquitetura de comunicação, tecnologias a serem utilizadas e padrões de implementação no projeto, especialmente para as integrações. Outro ponto muitas vezes negligenciado – não adianta ter, tem que comunicar. Se for necessário, imprima a arquitetura e cole no monitor dos integrantes da equipe. Cada um precisa ter a arquitetura na cabeça, sem exceções. Criar uma página tipo wiki também pode ser simples e eficiente.
  • Implementação de mocks na etapa inicial de desenvolvimento ou arquitetura. Como citado no primeiro post, a definição e construção de mocks é uma prática que facilita a formalização da comunicação entre os componentes do sistema (principalmente quando estes estão divididos entre vários fornecedores) e auxilia o paralelismo de atividades. Uma outra avaliação é bastante importante – o comportamento interno do mock. Se por um lado um artefato que simplesmente devolve “vazio” é fácil e rápido de implementar, por outro ele não auxilia os testes unitários, por exemplo. Se implementarmos algumas regras, os testes unitários podem ser mais efetivos, mas é um trabalho que posteriormente será descartado. Assim, é fundamental avaliar qual a complexidade e conteúdo dos mocks a ser desenvolvido para cada caso e requisitos do projeto.
  • Testes unitários com componentes já desenvolvidos. Conforme o segundo item, a validação das regras de negócio das integrações não depende apenas das interfaces (assinaturas, contratos, etc) dos componentes chamados por estas, e sim principalmente de sua implementação interna. Desta forma, assim que possível é importante a substituição dos mocks pelos componentes definitivos, o que já ajuda, e muito, na avaliação de eventuais problemas de integração dos dados e até de análise. Porém, um alerta. Caso os componentes ainda estejam em uma fase incipiente de desenvolvimento, podem conter bugs que mais prejudicarão do que ajudarão durante a implementação das integrações. Assim, é necessário avaliar a qualidade dos componentes das “pontas” quando estes forem usados.
    • Revisão periódica de serviços ou componentes que vão ficando prontos. Item relacionado ao tópico anterior. Defina um meio de acompanhar e comunicar quais componentes das “pontas” da integração (serviços que serão chamados, por exemplo) estão prontos e disponíveis para uso no decorrer do projeto. É bastante comum esquecermos disto por vários dias e perdermos a oportunidade de aproveitar os ganhos do tópico acima.
  • Teste de arquitetura com “integração piloto”. Uma prática que resolve várias dores de cabeça e antecipa problemas do desenvolvimento é validar a arquitetura definida para o desenvolvimento das integrações com a implementação de uma “integração piloto”. Aproveite este momento para questionar e validar as diretrizes arquiteturais para o restante do projeto. Claro, nem sempre isto é simples, visto que muitos projetos incluem integrações com “n” formas de implementação e utilização de recursos. Mas, na medida do possível, é uma prática muito vantajosa.
  • Mapa de dependências entre componentes. Prática simples e muito útil. Organize um mapa com todos os componentes do projeto e quem depende de quem. Não use textos – faça o mapa de forma gráfica. Aí temos uma vasta gama de ferramentas que podem ser usadas – aplicativos de mind mapping, de desenho, de modelagem, etc. E use a criatividade. Pinte componentes de cada tecnologia com uma cor diferente, separe-os por equipe responsável, por desenvolvedor, e assim por diante.
  • Repositório único de contratos. É realmente muito importante definir um repositório que armazene a versão oficial de contratos de serviços e demais componentes que são dependência para outros no projeto. Assim, todas as equipes sabem onde consultar a versão a ser utilizada, evitando ruídos de comunicação. Claro, se alguma alteração é feita, deve ser comunicada a todos – e isto deve estar contemplado no Plano de Comunicação do projeto. Este repositório deve estar sempre atualizado.
  • Organizar a análise e desenvolvimento das integrações por assunto. É bastante comum em projetos envolvendo integrações que estas estejam separadas por assuntos de negócio tratados pelo sistema. Por exemplo: ao desenvolver integrações de um ERP com sistemas legados, organizar os profissionais que vão analisar e implementar as integrações por cada módulo do ERP. Nem sempre isto é possível – alguns processos são transversais e passam por vários módulos – mas claramente auxilia o entendimento das integrações pelo conhecimento de negócio que cada profissional adquire. Claro, isto incide em alguns riscos bastante relevantes. Se um profissional, seja analista ou desenvolvedor, sai da equipe, um grande conhecimento pode ir com ele. Uma forma de contornar isto é envolver o líder técnico e um analista líder em pontos-chave da análise e desenvolvimento de todas as integrações, a fim de que possa responder pelo conhecimento destas.
  • Definição de cenários de testes entre as equipes. Um ponto chave do projeto, difícil de gerenciar e que frequentemente enfrenta grandes problemas, é o teste integrado do sistema, principalmente quando existem diferentes equipes envolvidas. Uma sugestão muito interessante é a reunião dos responsáveis das equipes para elaboração de cenários de teste integrados. Veja, a ideia não é detalhar cada cenário neste momento, e sim definir quais são os cenários a serem executados para validar a integração dos sistemas de ponta a ponta. Após, cada equipe detalha seus cenários individualmente, que são validados ao final, novamente entre todos.

No próximo post, que encerra esta série, trataremos de riscos e pontos de atenção em projetos com integrações, visando auxiliar principalmente seu planejamento e gestão. Até lá!

Uma ideia sobre “Particularidades na execução de projetos com integrações – Parte 2

  1. Pingback: Anônimo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>