Particularidades na execução de projetos com integrações – Parte Final

Nos dois primeiros posts (disponíveis em 1 e 2), tratamos particularidades da gestão/execução e práticas metodológicas para bons resultados em projetos envolvendo integrações.

Para fechar esta série de artigos, hoje descreveremos alguns riscos importantes e fatores críticos de sucesso (FCS) nestes projetos, para que recebam a devida atenção e, se necessário, tratamento.

Em resumo, grande parte dos riscos e FCS se referem à comunicação e à integração das equipes do projeto, dado que muitas das informações e necessidades de trabalhos desta natureza envolvem algum tipo de compartilhamento.

Desta forma, listamos abaixo alguns itens que consideramos relevantes:

  • O primeiro ponto quem sabe até não seja o mais importante, mas certamente é um dos mais frequentes. Durante testes do sistema, quando ocorrem problemas, costumamos dizer: “até que se prove o contrário, a ‘culpa’ é da integração”. E pode-se dizer que até é um fato lógico. Quando uma das equipes realiza algum teste e não vê o resultado esperado acontecendo na outra “ponta”, naturalmente a primeira desconfiança é de algum defeito ou inconsistência na integração, que justamente faz a “ligação” entre os dois sistemas. Porém, esquece-se que a integração não é uma peça de software isolada, e sim um pequeno sistema formado pela origem, destino e o meio, que é a integração em si. E em qualquer um destes componentes pode ocorrer erro. Assim, é importante tanto alinhar as expectativas das equipes (inclusive para evitar desgastes) quanto definir um processo de teste e avaliação de problemas tecnicamente adequado para o cenário do projeto e dos sistemas envolvidos.
  • Boa parte das etapas de desenvolvimento e testes será realizado de maneira simbiótica por todas as equipes envolvidas (equipe do sistema que será integrado, de integrações e dos legados). Desta forma, uma prática bastante importante é a apresentação destas equipes, visando sua aproximação e integração. Com isto, espera-se que todos se conheçam, saibam os papéis de cada um e a quais responsabilidades respondem, quais os conhecimentos de cada integrante quando precisarem de apoio, etc. Além disso, a própria integração pessoal da equipe auxilia na pró-atividade e facilidade da comunicação.
  • Apesar da metodologia de desenvolvimento normalmente contemplar e se adequar a boa parte do escopo, como as integrações são o meio e dependem da forma como as “pontas” são desenvolvidas e entregues, é fundamental avaliar as eventuais modificações necessárias na metodologia, bem como apresentá-las às equipes. As responsabilidades também devem ficar muito claras. Além disso, é mandatório registrar estas mudanças em algum local, para consulta. Esta preocupação é essencialmente importante pois é muito comum (para não dizer que acontece sempre) que se confundam sobre o que cada equipe deve fazer e até onde sua autonomia vai. Isto pode gerar conflitos e desgastes desnecessários, perda de produtividade ou até problemas mais graves, que se refletem apenas quando o projeto já está em um estágio mais avançado.
  • É comum em um projeto com integrações existirem documentações compartilhadas, nas quais uma equipe preenche parte do documento, e outra(s) o completa(m). Assim, é importante esclarecer com todos quais tópicos cada um é responsável e definir uma política de armazenamento e versionamento adequadas.
  • A comunicação entre as equipes durante a análise e os testes é outro fator crítico. É fundamental definir um fluxo adequado e claro de comunicação entre os integrantes das equipes, de acordo com as responsabilidades no projeto. E, claro, esta definição depende de uma avaliação criteriosa dos estilos e da disposição física das equipes, do ambiente de trabalho e dos recursos de comunicação disponíveis.
  • Por fim, um ponto bastante simples, mas que pode facilitar muito a identificação de problemas. À medida que integrações forem codificadas e estejam razoavelmente estáveis, podem ser disponibilizadas para uso pelas demais equipes. Claro, dependendo do planejamento do projeto e da metodologia utilizada, elas nem serão acionadas antes dos testes integrados. Mas, caso as equipes das “pontas” já estejam prontas para realizar testes com o uso das integrações, isto pode antecipar alertas relevantes sobre inconsistências e defeitos.

Com este artigo, fechamos esta série dedicada especialmente a dicas, boas práticas e cuidados com projetos envolvendo integrações, que possuem particularidades que os tornam especialmente desafiadores.

Fiquem à vontade para opinar e sugerir outras práticas interessantes.

Esperamos que tenham gostado!

Nos falamos em futuros artigos. Até lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>