Feliz Natal e Próspero 2015!

O ano de 2014 está chegando ao fim, repleto de pequenos e grandes eventos que certamente marcaram a memória de todos.

Para fechar o período e começar o próximo, nosso cartão de boas festas deste ano é também um convite para refletirmos como o ciclo de melhoria contínua – que funciona tão bem para os processos – pode ser aplicado em nosso dia a dia.

Que ele nos apoie para que todas aquelas oportunidades de melhoria (voltar a praticar esportes? fazer mais viagens? realizar trabalho voluntário? aproveitar mais o tempo em família? conquistar uma posição profissional melhor?) se transformem em ações que levem a grandes realizações!

Feliz Natal e um 2015 de muito sucesso – São os votos de toda a equipe da iProcess!

DMN: uma notação para modelagem de decisões de negócios

Nos treinamentos sobre BPMN (Business Process Model and Notation) que temos ministrado na iProcess Education ensinamos que, diferentemente dos losangos utilizados nos fluxogramas, os gateways da BPMN não contêm em si mesmos a semântica de uma decisão. Eles servem, comparativamente, para desviar o fluxo dos processos de acordo com condições previamente estabelecidas ou identificadas, isto é, possuem a semântica de um desvio condicional no fluxo dos processos com base em uma decisão de negócio tomada anteriormente.

Decisões: fundamentais nos processos de negócios

Quando se trata de tarefas humanas (tarefas manuais ou tarefas de usuário) há a compreensão imediata de que uma ação ou decisão realizada por uma pessoa (através da conclusão de uma tarefa, do clique em um botão de um formulário eletrônico, etc) determinará o caminho a ser seguido pelo processo. Porém, quando nos referimos a tarefas automáticas, e em especial a tarefas de regras de negócio, essa compreensão não é tão óbvia.

BPMN disponibiliza uma atividade do tipo regra de negócio (Business Rule Task) para representar a comunicação de um processo automatizado com um motor de regras de negócios ou um BRMS (Business Rules Management System). Falando desta forma, pode-se ter a ideia de que a formalização de regras de negócio em um  BRMS é algo trivial ou de menor importância, que basta preencher um formulário ou cadastro de regras quando, na verdade, se trata de um aspecto essencial para os negócios.

Decisões de negócio: manuais ou automáticas?

As regras de negócio carregam as decisões do negócio, que são tomadas de acordo com modelos mentais e estratégias organizacionais e implementam uma lógica de negócios que orientam essas decisões. Por isso regras de negócio declaradas clara e corretamente, bem conectadas à lógica e à estratégia dos negócios e sendo compreensíveis por todos os interessados é de extrema relevância para o sucesso das organizações.

Durante muito tempo a definição das regras de negócio e sua lógica de decisão permaneceu sem o suporte de uma notação para modelagem que permitisse sua padronização, sua formalização e o gerenciamento dos modelos de decisão das organizações.

Modelo e Notação de Decisões – DMN

Devido ao crescimento das discussões sobre a necessidade das organizações dominarem a gestão de decisões de negócio, a Object Management Group (OMG) criou uma subcomissão com o objetivo de desenvolver esse campo de estudo e dessa iniciativa surgiu a especificação DMN (Decision Model and Notation). A especificação tem por objetivo fornecer uma notação para decisões compreensível para todos os públicos, incluindo o pessoal de negócios e técnicos, e é composta de cinco componentes principais:

  • uma notação no nível dos requisitos, que permite aos analistas de negócio identificarem requisitos iniciais de decisão;
  • uma notação no nível da lógica das decisões, que permite detalhar como as decisões serão tomadas;
  • uma linguagem de expressões chamada FEEL (Friendly Enough Expression Language – Linguagem de Expressões Suficientemente Amigável), que permite a expressão das diferentes lógicas de decisão de negócios;
  • níveis específicos de conformidade, que permitem a validação automática de modelos de decisão; e
  • um metamodelo de suporte, que permite a automatização de modelos de decisão e o intercâmbio desses modelos entre diferentes sistemas.

Um aspecto digno de nota sobre a DMN é que esta nova notação se conecta naturalmente aos modelos de processos de negócio, permitindo que sejam desenhados processos de negócio conscientes de decisão, ou seja, processos em que é feita a distinção entre as tarefas que executam o trabalho e aquelas que chegam a conclusões baseadas na lógica. Na figura abaixo, baseada do exemplo da própria especificação da DMN, a imagem da esquerda representa um diagrama de processo (modelado na notação BPMN) enquanto que na direita há diagramas de um modelo DMN relacionado.

Imagem com a relação entre diagramas DMN com diagramas BPMN

Relação entre DMN e BPMN

Ainda não há muitas ferramentas de DMN disponíveis (O diagrama e tabela da imagem foram criados usando um editor de textos), mas o artigo de Larry Goldberg e Barbara von Halle publicado no site ModernAnalyst.com aponta a participação de de importantes fabricantes de software na força tarefa para definição da notação. São citadas as empresas como IBM, Oracle e TIBCO, entre outras, e sua participação nesta iniciativa indica, segundo os autores do artigo, sua intenção em produzir software relacionado à DMN.

A notação DMN é um assunto que fará parte de nossas discussões nos próximos artigos, onde pretendemos apresentá-la em detalhes, e gostaríamos de convidá-lo a participar, desde já, dessas discussões através de seus comentários. A organização da qual você faz parte já utiliza modelos de decisão? Que notação é utilizada para representar esses modelos?