Webinares iProcess 2015 – Plataformas BPM: Como um mesmo requisito pode ser atendido de formas diferentes

Nesta postagem, compartilhamos a gravação do webinar de “Plataformas BPM: Como um mesmo requisito pode ser atendido de formas diferentes”, apresentado pelo Carlos Mortari em 16/07/2015.

Este foi o terceiro seminário da série de webinares da iProcess em 2015, realizado ao vivo! Mais uma vez, nosso agradecimento especial aos participantes que acompanharam a transmissão on line e contribuíram enviando suas dúvidas e questões sobre o tema.

Os slides da apresentação também estão disponíveis no slideshare:
http://pt.slideshare.net/iProcessBPMeSOA/plataformas-de-bpm-comparando-requisitos-webinares-iprocess-2015

Confira abaixo resposta para pergunta enviada durante o evento:

Pergunta: “Em uma organização que ainda está iniciando sua empreitada, com BPM (de 1º ou 2º nível de maturidade) em qual momento devemos partir para o investimento em uma plataforma de BPMS, que tem um alto custo para a organização e que necessita também de investimentos adicionais em treinamentos. A partir desta decisão quais requisitos de plataformas, poderia nos levar a usar um “open source” (bonita por exemplo) vs uma licença paga (oracle, tibico, IBM, etc)? “
Resposta: Idealmente, a escolha da plataforma que irá suportar as iniciativas de BPM deveria ser feita no início, num cenário em que esteja claro para a organização quais são as suas necessidades atuais e futuras. A escolha de uma ferramenta “quebra-galho” para tocar iniciativas de processos pode até atender num primeiro momento, mas existe o risco de apresentar dificuldades e limitações posteriormente, quando a empresa já está mais estruturada e pode necessitar de uma solução mais robusta para apoiar o gerenciamento de processos. Nestes casos, existe a chance de ocorrer retrabalho e necessidade de migração dos processos de uma solução para outra.
Quanto a ferramentas open source, elas podem ser uma boa alternativa quando se deseja testar os recursos de uma solução de BPMS e realizar provas de conceito, por exemplo. Porém, é preciso ficar atento porque em alguns destes produtos as versões “free” não oferecem recursos bem importantes, podendo limitar o uso da solução em produção. Além disso, embora possam existir fóruns de discussão e membros da comunidade atuantes, a falta de um suporte oficial e SLAs definidos podem gerar dificuldades, caso sejam encontrados problemas em ambiente de produção que necessitam de solução mais urgente.

Quer participar dos próximos?

Webinares iProcess 2015 – Funcionalidades de uma Solução de BPA

Nesta postagem, compartilhamos a gravação do webinar de Funcionalidades de uma Solução de BPA, apresentado pelo Eduardo Britto em 30/06/2015.

Este foi o segundo seminário da série de webinares da iProcess em 2015, realizado ao vivo! Mais uma vez, nosso agradecimento especial aos participantes que acompanharam a transmissão on line e contribuíram enviando suas dúvidas e questões sobre o tema.

Os slides da apresentação também estão disponíveis no slideshare:
http://pt.slideshare.net/iProcessBPMeSOA/webinar-2015-1-migrao-de-processos-em-epc-para-bpmn

Confira abaixo as respostas para perguntas enviadas por nossos participantes durante o evento:

Pergunta: “No decorrer da análise já são identificadas as informações necessárias, funcionalidades sistêmicas (serviços candidatos)… é comum na solução de BPA haver possibilidade de documentar estes itens no processo também? no nível de funções e não técnico.”
Resposta: Sim, uma solução de BPA deve dar suporte para documentar, a nível de negócio, todas as informações a respeito dos processos que por ela são suportados. Neste sentido, a solução deve suportar diferentes níveis de modelagem de processo, da visão do negócio à visão para automação; e diferentes tipos de informação, desde procedimentos dos usuários de negócio até informações que possam ser utilizadas pela TI para automação. Particularmente, falando em termos de serviços, este é um tipo de informação que deveria estar suportada nos atributos das atividades automáticas/sistêmicas.

Pergunta: “Em que fase do BPM devemos implantar um BPA numa organização?”
Resposta: Apesar a implantação de uma solução de BPA não ser algo obrigatório para o sucesso de uma iniciativa de BPM, ela traz inúmeras facilidades para a gestão de processos dentro da sua organização. Uma dos principais benefícios é a  capacidade de armazenar todas as informações sobre os seus processos em um repositório central, permitindo a colaboração e consulta com uma visão estruturada de todos os seus processos. Desta forma, eu diria que o momento ideal para sua implantação é o momento em que o número de processos modelados e a demanda por consulta começa a ficar significativa. Neste momento, pensar em disponibilizar os processos em arquivos pode ficar mais complexo ou trabalhoso.

Pergunta: “Na ferramenta da Oracle [BPM Composer] conseguimos informar os indicadores de cada atividade, assim como são informados os responsáveis? “
Resposta: Os indicadores estão orientados aos processos, de modo que você consegue informar e gerir estes indicadores nos modelos de cadeia de valor e BPMN. Se o desempenho de uma atividade gera um impacto significativo para o seu processo, possivelmente você modelará este indicador no processo.

Pergunta: “A ferramenta [Oracle BPM Composer] apresenta o caminho crítico para processos complexos, com atividades em paralelo?”
Resposta: Você consegue obter este tipo de informação através dos recursos de simulação.

Pergunta: “Dá para dizer então que uma solução BPA é onde se reúne todos os BPM da empresa e seus detalhes?”
Resposta: Dá para dizer que uma solução de BPA reune e organiza todos os processos da sua organização.

Pergunta: “Não seria possível usar o conceito de “subprocesso” (com link de um Macro a um sub) do BizAgi por exemplo para representar a cadeia de valor, respectiva arquitetura de processo?”
Resposta: Sendo uma boa solução de modelagem e gratuita, muitas pessoas acabam desenhando a sua arquitetura de processos em BPMN com o uso do BizAgi. É uma boa saída para quem quer continuar usando o BizAgi e não tem condições para investir numa solução mais completa. Contudo, para isso, acaba-se usando elementos do BPMN para representar uma estrutura hierárquica de cadeia de valor e de arquitetura de processos com elementos que não foram criados com esta finalidade, o que pode gerar confusão. Por fim, mesmo que você use o BizAgi com esta finalidade, a medida que fores modelando muitos processos, como 50, 100 ou 200 processos da sua organização, possivelmente começarás a ter problemas de compartilhamento e edição de processos em paralelo, bem como da capacidade da ferramenta em trabalhar com um arquivo que contem centenas de processos modelados.

Pergunta: “Como poderia se dar o relacionamento e ações de analises entre grupos de BPM e Lean Seis Sigma numa organização?”
Resposta: São iniciativas que tem objetivos em comum, a melhoria de processos. Contudo, na nossa visão, o BPM tem uma visão mais abrangente, de modo que nós sugerimos avaliar a aplicação de Lean Six Sigma nas etapas de análise e redesenho de processos.

Quer participar dos próximos?