BPM em tempos de crise econômica

Como todos estão sentindo muito bem na pele neste ano de 2015, estamos passando por uma grande crise econômica no Brasil, que promete uma continuidade nos próximos anos.

Nestes momentos de crise as organizações são forçadas a rever seus investimentos e estratégias, para se adaptar a um novo cenário que, para a maioria delas, é negativo. Digo “maioria delas”, porque sempre há quem lucre ou cresça com a crise, enxergando novas oportunidades e evoluindo.

O fato é que infelizmente a crise está aí. Como ficam os projetos BPM neste cenário? Como fica a situação dos profissionais de BPM? Poderiam eles sofrer também os efeitos da crise, com cortes de vagas e cancelamentos de projetos?

Da nossa experiência, infelizmente ainda nos deparamos com a percepção de que BPM é um gasto, e não um investimento. Isto geralmente acontece em empresas que não tiveram uma boa experiência em seus projetos de BPM (por diversos motivos), pela falta de maturidade em Gestão Por Processos ou por não ter vislumbrado um bom retorno em relação ao investimento exigido.

Nos momentos de crise, as empresas precisam revisitar e ajustar sua gestão e processos, serem inovadoras, cortar custos e descobrir como “fazer mais com menos”. Sim, este clichê tão disseminado, mas que continua mais válido do que nunca, em tempos de crise econômica e discussões sobre sustentabilidade.

É neste momento que a prática de BPM dá o apoio fundamental para que a empresa consiga atingir estes objetivos. Alguns exemplos:

  • A partir da etapa modelagem de processos se obtêm todo o conhecimento dos processos de negócio;
  • A partir da etapa de análise de processos se obtêm o conhecimento de quais são os problemas e pontos fracos dos processos;
  • A partir da etapa de redesenho de processos são analisadas e definidas as melhorias e inovações necessárias, que serão implementadas e implantadas nos processos;
  • A partir do monitoramento de processos se verificam se os resultados desejados estão sendo atingidos.

Ciclo BPM

Assim, BPM tem o poder de “armar” (no bom sentido) a organização com toda a informação necessária que ela precisa para se adaptar a crise e aos novos tempos, mudar e inovar com rapidez. Sem falar de, obviamente, sobreviver.

Em países em desenvolvimento como o Brasil, por sua série de deficiências, os projetos de BPM tem o potencial de atingir níveis de melhoria que não seriam possíveis em países desenvolvidos, que contam com metodologias e práticas de gestão bem estabelecidas, que contribuem para a execução dos processos com eficiência. Agora, se estamos falando de um país em desenvolvimento E em crise (Brasil, alguém?), então as possibilidades da prática de BPM são inúmeras.

Então, quando estiver analisando o que precisa ser feito para adequar a sua organização à crise que nos encontramos, olhe com atenção para profissionais e projetos de BPM: eles tem o potencial de oferecer os recursos e subsídios que a organização precisa para enfrentar e superar a situação.

3 ideias sobre “BPM em tempos de crise econômica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>