Webinar – Automação de Processos pela Área de Negócio: Oportunidades e Desafios

A necessidade de se reinventar exige das organizações melhorias constantes em seus processos em prazos cada vez menores. Nesse contexto, a recorrente de falta de recursos da TI e a complexidade cada vez maior dos sistemas de informações levam as organizações a buscar alternativas simples e leves de desenvolvimento que possam ser conduzidas pela própria área de negócio. A automação de processos através de BPMS oferece esta alternativa, mas será que esta promessa realmente pode ser cumprida? Até onde uma área de negócio consegue conduzir com um projeto de automação e em que momento ela volta a necessitar da TI? Que funcionalidades uma ferramenta de automação deve oferecer para atender a estes requisitos? Quais as características ideais de um processo a ser automatizado pela área de negócio?

A resposta a estas e outras perguntas foram apresentadas neste webinar apresentado no dia 18/09 e agora disponibilizado para todos que não puderam assistir ao vivo.

Aos que participaram da transmissão ao vivo, um muito obrigado em nome do time da iProcess!

Confira abaixo as respostas para perguntas enviadas por nossos participantes durante o evento:

Pergunta: No caso de uma empresa não possuir ainda uma “maturidade em Processos” e nem “recursos para adquirir ferramenta / plataforma BPMS” , que dicas você daria para iniciar um trabalho com foco em gestão por processos nesse tipo de empresa?
Resposta: Para a maioria dos casos, a sugestão é sempre a mesma: Escolher muito bem o processo, planejar projetos que tenham potencial de dar um retorno rápido e potencial para trazer retorno aos investimentos realizados. Existem atualmente inúmeras soluções de BPMS que funcionam na modalidade de aluguel em nuvem que tem custos muito competitivos e a maioria das vezes viável para a maioria das empresas, de modo que sugiro também que se avalie estas alternativas mesmo que os recursos estejam extremamente escassos.

Pergunta: Hoje existe software de gestão de pessoal por exemplo que já possuem uma ferramenta de formulários e workflow nativa. Quais as vantagens e desvantagens deste tipo de solução? Ela acaba sendo útil apenas para o RH?
Resposta: Sem querer dar uma resposta genérica que se aplique a todo e qualquer caso, pois cada software possui as suas peculiaridades, diria que as vantagens destas soluções é possivelmente já terem facilidades de integração e compartilhamento de informações com o sistema de origem nativas; e como desvantagem não serem tão genéricas e conectáveis a diversas outras soluções da organização com a mesma facilidade que costuma ter uma solução que foi desenvolvida para trabalhar com toda a organização.

Pergunta: Por que uma integração com outros processos seria “baixar o nivel”? Você quis dizer que seria apenas mais complexo porque estamos falando de negócios ou que seria algo ruim para qualquer tipo de processo?
Resposta: O “baixar o nível” tem o sentido de exigir conhecimento técnico mais especializado, exigindo que o responsável muitas vezes tenha que ter um conhecimento médio ou alto em tecnologia e em seus respectivos padrões tais como XML, XSD, WSDL, SQL, …

Pergunta: Você entende que o BPMS compete com o ERP?
Resposta: Não, entendemos que o BPMS complementa o ERP na medida que o ERP implementa as gestão das informações e suas respectivas regras de negócio e o BPMS permite que estas informações tramitem por toda a empresa e se integrem com outros sistemas legados que não estão contemplados no ERP.

Pergunta: Pela experiência de vocês, gostaria de uma opinião: como fica a gestão dos usuários a partir do momento que a TI a libera o processo de modelagem para área de negócio? A área de negócios fica encarregada de criar grupos, funções, usuários, etc?
Resposta: Irá depender de cada organização e como esta gestão está implementada. Por exemplo, se existe um repositório central de usuários e papéis, como um LDAP ou Activie Directory (AD) corporativo, esta função teria que seguir com a TI. Pode ser também que estas informações fiquem armazenadas num sistema de RH, por exemplo, e o BPMS se integre a este sistema, de modo que esta gestão continuaria sendo feita pelas funcionalidade do sistema de recursos humanos. Contudo, se a organização definir que estas informações serão cadastradas diretamente no BPMS, esta gestão poderia sim ser realizada pela área responsável por manter a ferramenta.

Pergunta: Quais os principais drivers de ganho com a implantação do BPMS?
Resposta Convido você para responder esta pergunta a assistir o Webinar O que a automatização pode fazer pelos seus processos de negócio? e diversos outros artigos e vídeos existentes no blog da iProcess.

Pergunta:  Com o BPMS da Oracle, consigo uma automação pela área de negócio? Ou é muito complexo?
Resposta: A solução Oracle Process Cloud Service tem inúmeras funcionalidades que facilitam a implementação pelas áreas de negócio. Convido vocês a conhecerem estas funcionalidades em http://iprocess.com.br/tecnologias/oracle-process-cloud-services/ e se desejarem, nos contactarem para obter maiores detalhes.

Pergunta: Quais ferramentas temos hoje no mercado que possuam alguma maturidade e confiança?
Resposta: São inúmeras ferramentas que existem hoje no mercado, seria simplista de nossa parte simplesmente dar uma lista de quais são ou não são confiáveis. Contudo, o que podemos afirmar é que confiamos nas ferramentas que utilizamos em nossos projetos, vocês podem conhecê-las em http://iprocess.com.br/tecnologias/.
Também convido-os a conhecer o nosso Kit de Seleção de plataformas para saber um pouco mais sobre cada uma delas.

Pergunta: Como está a aceitação do mercado para investir em BPMS?
Resposta: Como trabalho há 18 anos com soluções de automação de processos e trabalho há 16 anos na iProcess, posso lhe dizer com tranquilidade que está num momento de forte aquecimento, que atualmente só não é maior porque questões financeiras pela qual passa o Brasil.

 

Convite para webinar: Automação de Processos pela Área de Negócio: Oportunidades e Desafios

Sobre este webinar:

A necessidade de se reinventar exige das organizações melhorias constantes em seus processos em prazos cada vez menores. Nesse contexto, a recorrente de falta de recursos da TI e a complexidade cada vez maior dos sistemas de informações levam as organizações a buscar alternativas simples e leves de desenvolvimento que possam ser conduzidas pela própria área de negócio.

A automação de processos através de BPMS oferece esta alternativa, mas será que esta promessa realmente pode ser cumprida? Até onde uma área de negócio consegue conduzir com um projeto de automação e em que momento ela volta a necessitar da TI? Que funcionalidades uma ferramenta de automação deve oferecer para atender a estes requisitos? Quais as características ideais de um processo a ser automatizado pela área de negócio?

Participe deste webinar, apresentado ao vivo em colaboração da iProcess e Lecom BPM, e conheça a resposta a estas e outras perguntas relevantes a quem deseja buscar soluções de automação com pouca dependência da TI.

Como funciona?

É simples: inscreva-se no webinar através do link do evento e você receberá um e-mail de confirmação:
Finalizado! Em breve publicaremos o vídeo e a apresentação do evento.

Na data e horário do evento, acesse o link indicado no e-mail usando um computador com fones e aguarde a seção começar.
Durante a apresentação, você poderá interagir com o instrutor enviando perguntas via chat, que serão respondidas ao final do seminário.

Webinares anteriores:

Confira as postagens do blog com os vídeos de nossos webinares anteriores!

Achou interessante?
Compartilhe este convite com seus colegas por Email, Linkedin, Twitter, Facebook e outras redes sociais!

7 Ferramentas Gratuitas para Criar Diagramas de Processos com BPMN

Avaliamos 7 editores de diagramas de processos gratuitos para você criar e editar diagramas de processos com a notação BPMN. Confira nosso overview sobre o Bizagi Modeler, Aris Express, BPMN.io, Draw.io, Yaoqiang BPMN Editor, HEFLO! Documentação e Modelio!

1) Bizagi Modeler

A ferramenta mais conhecida pelos analistas de processos está no mercado como uma solução gratuita há uns bons anos.

O Bizagi Modeler é fácil de usar e usa cores nos elementos para facilitar a identificação.

A ferramenta possui uma tradução das funcionalidades e da maioria dos elementos para português (mas os nomes usados podem variar de uma versão para a outra, já que não existe uma tradução oficial da notação para o nosso idioma).

Dos diagramas de BPMN, permite criar apenas o Diagrama de Processo (Orquestração).

A ferramenta tem recursos que ajudam a evitar a utilização equivocada de alguns elementos, e possui um verificador que ajuda a validar a integridade do processo (regras básicas da notação BPMN).

Além de desenhar o fluxo do processo, é possível documentar os elementos criando novos campos para complementar o modelo com informações.

Os diagramas criados são gravados no formato próprio da ferramenta (extensão .bpm) mas podem ser exportados para formatos de imagem como PNG e BMP, além de gerar documentações no formato de manuais que podem ser exportados em PDF, DOC, para wiki e também um formato navegável HTML. É possível também exportar e importar arquivos nos formatos padrões BPMN e XPDL.

Um outro recurso interessante é a simulação de processos.

Para baixar, experimentar e descobrir mais sobre esta ferramenta:
http://www.bizagi.com/pt/produtos/bpm-suite/modeler

 

2) ARIS Express

O ARIS Express é uma versão light da conhecida plataforma de análise de processos, o ARIS Platform.

Criada originalmente como parte da plataforma que desenvolveu por muitos anos a notação EPC (Event-driven Process Chain), a solução precisou se adequar à nova realidade do mercado e incorporar ao seu conjunto de diagramas o BPMN. Assim, a versão express desta ferramenta permite criar diagramas com notações como Cadeia de Valor, organograma, modelo de dados, EPC e é claro, BPMN. Porém, diferentemente da plataforma, os arquivos são gravados no próprio computador do usuário.

Apesar do uso de cores para diferenciar os tipos de elementos, a ferramenta não possui grande apelo visual e é um pouco restritiva no manuseio. Além disso, a curva de aprendizagem para dominá-la a fim de criar bons diagramas pode ser um pouco maior do que o esperado (e em alguns momentos um pouco frustrante até se descobrir alguma forma mais simples de resolver uma dificuldade). Por outro lado, possui funcionalidades interessantes, como a criação de documentação complementar e exportação para formatos de documentos como PDF ou RTF.

Os arquivos de diagramas são salvos no formato proprietário da ferrramenta, o Aris Document Format (.adf).

A ferramenta está disponível em inglês (e alemão).

Para baixar*, experimentar e descobrir mais sobre esta ferramenta:
http://www.ariscommunity.com/aris-express
* para fazer o download, é preciso criar uma conta na Aris Community. 

 

3) BPMN.io

Extremamente leve, este editor de BPMN desenvolvido pela alemã Camunda permite criar diagramas de processo sem precisar instalar nenhum aplicativo.

O editor é totalmente web e funciona diretamente no browser do computador. É simples e muito fácil de sair criando diagramas e possui grande aderência à notação BPMN para diagrama de processo (orquestração).

Permite apenas criar diagramas gráficos, sem muita informação adicional. Não possui recursos complementares.

Os diagramas criados podem ser baixados para o seu computador no formato padrão .bpmn (que pode ser recarregado e editado posteriormente) e em formato de imagem PNG.

Para acessar, experimentar e descobrir mais sobre esta ferramenta:
http://bpmn.io

 

4) Draw.io

Originalmente criado como uma ferramenta online de criação de diagramas tipo flowchart, o Draw.io incorporou como uma das notações visuais para desenho a palheta de elementos de BPMN. Com isso, este editor vai na mesma linha do BPMN.io, um pouco mais rico nas funcionalidades visuais (é possível usar cores) mas com menos recursos específicos para a modelagem, como a ausência de validação. Como permite criar vários tipos de diagramas diferentes e misturar as palhetas, pode ser um pouco confuso para iniciantes discernir se estão criando um diagrama corretamente pois é possível usar em um mesmo diagrama os tipos de elementos visuais de notações diferentes.

Os diagramas são salvos em qualquer um dos principais serviços de armazenamento na nuvem, como Google Drive, Dropbox ou OneDrive (basta ter uma conta) ou então pode ser gravado no seu próprio computador (em formato XML, que pode ser recarregado e editado posteriormente). A principal vantagem de usar um serviço de armazenamento na nuvem é que outros usuários poderão acessar o mesmo diagrama e fazer contribuições.

A palheta de BPMN está espalhada em grupos como “General”, “BPMN General”, “BPMN Gateways”, “BPMN Events”. Além disso, a ferramenta possui muitos elementos “inventados” sobre a notação BPMN que não existem na especificação formal, o que pode tornar seu uso ainda mais confuso (até mesmo para analistas experientes).

Os diagramas criados nesta ferramenta são puramente desenhos vetoriais em tela, não há nenhum tipo de validação ou verificação se a modelagem está correta.

Para acessar, experimentar e descobrir mais sobre esta ferramenta:
http://draw.io

 

5) Yaoqiang BPMN Editor

Esta ferramenta de modelagem de processos desenvolvido pela Blenta Software é uma das mais completas e aderentes à notação e é open source (software livre). Além de modelagem de diagrama de Processo (Orquestração), também possui todos os elementos para a criação dos dois outros tipos de diagramas da notação: Conversação e Coreografia (o único editor gratuito que identificamos até agora que comporta os três tipos de diagramas nativamente).

Um ponto forte deste editor é que a ferramenta possui um compromisso estabelecido em seguir rigidamente as definições da especificação formal da OMG para a representação gráfica dos processos, o que garante um elevado nível de aderência dos elementos e validações de regras de utilização.

Embora não possua um apelo visual muito grande, em termos de funcionalidades para a criação de diagramas, é bastante completa. 

Os processos mapeados podem ser baixados para o seu computador no formato padrão .bpmn (que pode ser recarregado e editado posteriormente) e em formato de imagem PNG.

A ferramenta é em inglês (e possui outros idiomas como alemão, francês e chinês – sim, porque a empresa fabricante é chinesa!).

Os diagramas criados podem ser gravados no formato padrão .bpmn e em formatos variados de imagem, como PNG, BMP e JPG.

Para baixar, rodar e usar*:
https://sourceforge.net/projects/bpmn/
* pré-requisito: Java Runtime Environment.

 

6) HEFLO! Documentação

Com uma interface leve e agradável, o módulo de documentação BPMN da HEFLO é online e permite criar diagramas de processo sem precisar instalar nenhum aplicativo. Embora o produto esteja na versão beta, a empresa se comprometeu (através de seu site) que este módulo será  gratuito para sempre.

O editor é totalmente web, possui uma interface bastante fácil de usar e funciona diretamente no browser do computador. É muito fácil de sair criando diagramas e possui grande aderência à notação BPMN para diagrama de processo (orquestração). Um outro fator interessante é que os elementos da palheta estão todos identificados em português.

Durante a modelagem, as raias se auto-ajustam conforme os elementos são adicionados.

Além da criação do diagrama, é possível gerar documentações ricas de cada elemento através de um editor de texto bastante rico, com formatação de texto, criação de tabelas, entre outros.

Os diagramas criados são gravados em nuvem própria do produto. Além disso, é possível exportá-lo para o formato padrão .bpmn, imagem PNG ou de documentação, como PDF, DOC e HTML (estático).

A ferramenta é toda em português!

Para acessar, experimentar e descobrir mais sobre esta ferramenta:
https://app.heflo.com/

 

5) Modelio

Esta ferramenta de modelagem de processos é outro software do tipo open source, cujo objetivo original é a modelagem de diagramas UML, mas que foi estendida para criar diagramas de processos em BPMN.

Quem utiliza tem a sensação de estar trabalhando em uma ferramenta de desenvolvedor – e é verdade, pois ela é baseada no Eclipse, famosa interface para desenvolvimento de software.

Os facilitadores de modelagem encontrados em outras ferramentas não ocorrem neste editor.

Para começar a modelar é preciso criar um “Projeto” e então dentro dele criar um diagrama BPMN. Os elementos, inclusive conectores, precisam ser adicionados um a um no diagrama. A definição dos tipos de tarefas e eventos também não é muito simples – é preciso acessar a janela de propriedades do elemento no diagrama para então escolher entre os tipos. No final das contas, criar um diagrama BPMN nessa ferramenta pode ser trabalhoso e pouco produtivo comparado às outras.

Apesar disso, em termos de notação BPMN a ferramenta é bastante aderente, pois contém praticamente todos os elementos e usando a funcionalidade de Audit pode-se fazer validação das regras da notação conforme a especificação da OMG.

Os diagramas não são salvos avulsos, eles ficam dentro do arquivo de projeto. É possível exportar para formato de imagem como PNG ou JPG.

A interface é somente em inglês.

Para baixar, rodar e descobrir mais sobre esta ferramenta:
https://www.modelio.org/

 


… e mais um!
(atualizado em 12/09/16 15:36)

8 ) Sydle

Esta ferramenta brasileira é mais do que apenas um editor de diagramas em BPMN – é uma suíte para gerenciamento de processos. Por este motivo, a solução possui muitas outras funcionalidades que vão além da modelagem do processo. Como estamos tratando neste artigo especificamente de ferramentas de criação de diagramas BPMN, vamos nos ater às funcionalidades relacionadas a este tipo de solução.

O modelador é web, portanto não é necessário baixar ou instalar nenhum programa. Para criar modelos no Sydle é preciso criar uma conta, mas pode ser na versão gratuita (Community) da ferramenta. A utilização de outras funcionalidades além da modelagem pode exigir a escolha por uma licença paga (veja no site do produto os diferentes recursos).

Como o foco principal da ferramenta é a modelagem de processos para serem automatizados através do próprio produto, estão disponíveis para a modelagem apenas os elementos de BPMN implementados na automação. Mesmo assim, atende a quase toda a especificação na subclasse descritiva (à exceção dos elementos de pool e fluxo de mensagem e os acessórios data object e data store).

Para a documentação, a ferramenta disponibiliza um mini-editor de texto.

O salvamento dos diagramas é realizado no servidor da Sydle, e é possível extrair uma versão impressa de documentação tipo manual de processo, com a imagem do diagrama e o detalhamento da documentação com recursos ricos de formatação de texto, inclusive uso de tabelas.

Como outras ferramentas, possui o recurso de menu de contexto, que permite ir criando o fluxo a partir do conector no elemento anterior.

A ferramenta faz auto-salvamento a cada elemento adicionado no processo.

Não há funcionalidade específica para fazer a validação do modelo no editor, mas algumas regras básicas são verificadas automaticamente (por exemplo, não permite conectar o evento final a outro elemento de fluxo).

Não há recursos padrão de exportação.

Esta solução é brasileira e a interface é totalmente em português.

Para criar uma conta e experimentar esta ferramenta:
http://www.sydle.com/br/bpm/


Fatos interessantes:

  • Os editores BPMN.io, Heflo Yaoqiang gravam os arquivos com os diagramas de processos no formato padrão da notação (.bpmn). Este arquivo é um XML padronizado. Como resultado, é possível abrir arquivos criados em uma ferramenta na outra. Em alguns casos, conseguimos fazer isto com pouca perda de informação, mas alguns aspectos, principalmente relacionados a conectores, apresentaram alguns problemas.Uma outra restrição é que arquivos do Yaoqiang com mais de uma aba de diagrama abrirá apenas o primeiro deles no BPMN.io ou no Heflo, que não trabalham com multi-diagramas.


Conhece algum outro editor que deveria estar nesta lista? Manda a dica para nós!

Mas atenção, tem que ser: