Oracle SOA Suite 11g: uso da atividade assign no BPEL

Trabalho com desenvolvimento BPEL há alguns anos utilizando o produto da Oracle, o SOA Suite, e tenho acompanhado a sua evolução desde a versão 10g, incluindo a IDE de desenvolvimento, o JDeveloper.

Recentemente estive envolvido em um projeto e precisei utilizar em diferentes contextos o componente assign. Nas versões mais recentes do produto existe uma sensível diferença na interface para realizar as atribuições e isso me motivou a escrever esse post, na tentativa de destacar e exemplificar o uso do copy e das suas regras: copy listappend, insert after e insert before.

Nos exemplos abaixo utilizei uma VM produzida pela Oracle (disponível aqui) e configurada com:

Oracle Enterprise Linux (64-bit) EL 5 Update 5
Oracle XE Database 11.2.0
Oracle SOA Suite 11.1.1.6.0 (includes Service Bus)
Oracle BPM Suite 11.1.1.6.0
Oracle JDeveloper 11.1.1.6.0
JRockit R28.2.0-79-146777-1.6.0_29s

O valor de input utilizado nos testes foi:

<inputVariable>
    <part  name="payload">
        <ns1:OrdemServicoRequest xmlns:ns1="http://xmlns.oracle.com/DDM">
            <ns1:CodigoOS>123</ns1:CodigoOS>
            <ns1:DataAberturaOS>22/09/2012</ns1:DataAberturaOS>
            <ns1:TipoOS>OS</ns1:TipoOS>
            <ns1:StatusOS>Iniciado</ns1:StatusOS>
            <ns1:DataEncerramentoOS>25/09/2012</ns1:DataEncerramentoOS>
            <ns1:Codigocliente>12114</ns1:Codigocliente>
            <ns1:NomeCliente>José da Silva Sauro</ns1:NomeCliente>
            <ns1:EnderecosCliente>
                <ns1:EnderecoCliente>
                    <ns1:Rua>Rua 1</ns1:Rua>
                    <ns1:Numero>2</ns1:Numero>
                    <ns1:Complemento>Bairro 3</ns1:Complemento>
                    <ns1:Cidade>Longe de Tudo</ns1:Cidade>
                    <ns1:Estado>Algum</ns1:Estado>
                    <ns1:CEP>01000-000</ns1:CEP>
                </ns1:EnderecoCliente>
                <ns1:EnderecoCliente>
                    <ns1:Rua>Rua 2</ns1:Rua>
                    <ns1:Numero>3</ns1:Numero>
                    <ns1:Complemento>Bairro 4</ns1:Complemento>
                    <ns1:Cidade>Perto de Tudo</ns1:Cidade>
                    <ns1:Estado>Nenhum</ns1:Estado>
                    <ns1:CEP>02000-000</ns1:CEP>
                </ns1:EnderecoCliente>
            </ns1:EnderecosCliente>
            <ns1:EmailCliente>jose@sauro.sil</ns1:EmailCliente>
        </ns1:OrdemServicoRequest>
    </part>
</inputVariable>

 

  • Uso tradicional do copy

O uso tradicional do copy serve, entre outras coisas, para atribuição de valores para variáveis à partir de outras variáveis ou funções pré-definidas no produto (expression).

Copy tradicional

Nesse caso temos o uso do assign com o copy tradicional. Cada campo utiliza uma solução diferente: atribuição direta de variável, atribuição de valor textual e utilização de uma função pré-definida do produto (no exemplo, current-dateTime()).

O retorno dessa atribuição será:

Copy tradicional - resposta

Resultado da execução

 

  • Uso do append

O append irá inserir um elemento ao final da lista, sem alterar o conteúdo já existe. Veja o exemplo abaixo.

Nesse exemplo foi criado um elemento para ser inserido na lista de status. Depois de alimentar as informações com valores válidos, foi incluído o elemento na lista de status com a regra append.

O resultado da lista, nesse momento do exemplo, são dois elementos.

Esse é o resultado da lista com o elemento incluindo no append.

 

  • Uso do copyList

A regra copyList tem por característica eliminar todos os elementos que já existirem na lista de destino e substituir integralmente o seu conteúdo, incluindo elementos e atributos.

No nosso exemplo incluímos um terceiro assign, depois dos dois assigns dos exemplos acima, com a regra copyList. Note que o array destino continha, até então, dois elementos. Os dois foram excluídos e um novo elemento será incluído, conforme exemplo. Para deixar claro o exemplo, incluímos dois elementos utilizando o copyList. O valor final do array irá conter somente o segundo valor inserido.

copyList assign

Observe que foram incluídos 2 novos elementos usando o copyList. Somente o segundo irá aparecer no array, já que a função copyList tem por princípio eliminar todos os elementos do destino antes de alimentar a variável com os novos valores.

O resultado final da lista conterá somente o segundo elemento inserido.

copyList response

O resultado do exemplo depois do uso do copyList no último assign.

 

  • Uso do insertBefore e insertAfter

O nosso último exemplo é para demonstrar o uso do insertBefore e insertAfter. O primeiro irá incluir um elemento antes do elemento assinalado no destino e o segundo, depois.

Nesse ponto do exemplo temos somente 1 elemento na lista. No último assign incluímos dois novos elementos: um utilizando insertBefore e outro utilizando insertAfter. Veja abaixo o resultado desse array.

O resultado final da lista será:

O resultado da lista com os valores incluídos antes e depois do elemento que já estava na lista.

 

A atividade assign é uma ótima opção para atribuição de valores às variáveis, muitas vezes eliminando a necessidade de uma transformação. Conhecer bem as suas regras ajuda a tirar proveito de todos os recursos envolvidos.

Um detalhe, por experiência de projeto, é que essa janela pode se tornar muito lenta no caso de utilização de schemas (XSD) que ficam armazenados em servidores remotos e no MDS. Esperemos que isso melhore nas próximas versões do produto.

O projeto utilizado no exemplo está disponível para download no link abaixo:

  • [download id=”1″]

BPMN: Diferenças entre eventos de Link, Message e Signal

Um dos componentes mais poderosos, e mais difíceis de aprender em BPMN, são os eventos e seus gatilhos (triggers). A especificação BPMN descreve diversos tipos de gatilhos para os eventos, mas não esclarece como ou quando devem ser utilizados.

De forma especial, uma dúvida comum são as diferenças entre estes três gatilhos de eventos de BPMN: link, message e signal.

Link é um elemento de ligação que ajuda a abstrair conexões de sequência em um mesmo processo. Alguns profissionais sugerem que o link seja usado para dar seguimento do desenho do processo em outra página, como em uma documentação, por exemplo. Este é um uso possível, mas dado que a maioria das ferramentas de modelagem atualmente não faz paginação (o diagrama é desenhado em uma única área de trabalho) esta não é a única situação de utilização.

Uma das principais utilidades do evento de link, ao meu ver, é a de abstrair a sequência entre atividades que estão distantes no mapeamento, evitando conectores de fluxo de sequência longos que cruzem inúmeros outros.

No exemplo, os eventos de link com o mesmo nome conectam "virtualmente" pontos distantes do processo, fazendo com que após a atividade 'Verificar condições de férias' o processo siga em sua execução, iniciando a atividade 'Avaliar solicitação de férias'. Com isso, a sobreposição de sequence flows foi evitada, deixando o processo mais legível.

O link só é usado como evento intermediário, e por significar uma sequência implícita não pode ser usado para ligar processos diferentes. Isto significa que, no caso de processos desenhados utilizando pools, não podemos usar eventos de link para fazer com que um processo em uma pool dê continuidade à execução de um outro processo, em outra pool.

Assim, a principal diferença entre o evento de link e para os de message e signal reside no fato de que o primeiro é usado para conectar a sequência de um mesmo processo, enquanto os dois outros tratam da comunicação entre processos.

Entre estes dois eventos – message e signal -, a diferença é um pouco mais discreta. Ambos podem ser utilizados para a comunicação entre processos distintos.

O evento de message é usado para a transmissão/recebimento de informações entre processos. Esta troca de informações, de acordo com a especificação BPMN, pode ocorrer por qualquer meio: verbal, escrita, via email, ou até mesmo sistemática. O foco está no aspecto de que há um emitente (demonstrado através do evento throw message) e um destinatário (demonstrado através do evento catch message). O emitente conhece o destinatário, assim como o destinatário sabe de quem receberá a mensagem (mesmo que os dois processos que se comunicam não estejam desenhados no mesmo diagrama).

Neste exemplo, há uma transmissão de informação de um processo para o outro, representado através da Comunicação do número de participantes do Processo de Inscrições para o Processo de Logística de Treinamentos.

Para mais dicas sobre como modelar corretamente diagramas com comunicação entre processos, veja a postagem BPMN: Modelando corretamente o fluxo de sequência de atividades.

Signal também pode ser utilizado para a comunicação intra e entre processos. A diferença é que enquanto a mensagem tem um destinatário específico, o sinal pode ter um emitente e inúmeros destinatários – e eles não necessariamente se conhecem. O funcionamento do signal é como um broadcast: o throw signal emitirá o sinal (como um apito) e todos os processos que estão aguardando aquele sinal (catch signal) o captarão, dando sequência aos seus fluxos.

Além disso, não há transmissão de informações no envio de sinal. Ele é realmente apenas como um apito, alertando que o evento ocorreu, e que quem estivesse aguardando por ele, agora pode prosseguir com seu processo.

Os diagramas acima demonstram um conjunto de processos sincronizados através de Signals para apoiar o Processo de Monitoramento das Linhas de Comunicação de uma operadora de crédito, que disponibliza as "maquininhas" de cartão nas lojas. O Processo de "Monitoramento da Comunicação" possui uma atividade recorrente que monitora, constantemente, se as linhas telefônicas utilizadas estão todas disponíveis. Se for identificada falha em uma linha de comunicação, o processo dispara um evento de sinal "Erros em linhas de comunicação". Esse sinal é o gatilho de disparo para dois processos: "Processo de Restabelecimento da Comunicação" e "Processo de Contingência da Comunicação". O Processo de restabelecimento inicia um conjunto de atividades para buscar o restabelecimento do serviço. Enquanto isso, o Processo de contingência aguarda algum tempo para verificar novamente se as linhas foram restabelecidas antes de iniciar as ações de contingência (possivelmente porque a contingência tem um custo mais elevado, de forma que a esperar algum tempo para o restabelecimento das linhas pode ainda ser mais viável para a empresa). Depois que as linhas forem restabelecidas pelo "Processo de Restabelecimento da Comunicação", este processo emite o sinal "Linhas de comunicação restabelecidas" e dá seguimento para o cálculo da multa com a operadora de telefonia. O sinal emitido faz com que o Processo de Contingência dê seguimento ao seu fluxo para desligar a contingência (já que a operação voltou ao normal), e também dispara o processo de "Avaliação de SLA do Cliente", no qual são analisados os clientes impactados pela falha no serviço e realiza-se a negociação de possíveis multas pela quebra do nível de serviço.

Signal também pode ser utilizado para a sincronização de um processo com múltiplas instâncias de um outro processo. É o caso do excelente exemplo apresentado no artigo A case for BPMN Signal, por Anatoly Belychook no blog Process is the Main Thing.

Resumindo:

  • Link events são usados para abstrair sequência de atividades em um mesmo diagrama de processo, e por isso só podem conectar uma ponta de um processo a outra de um mesmo processo.
  • Message events são usados para abstrair a comunicação entre processos, e portanto não devem ser utilizados para demonstrar sequência de atividades. Os eventos de message possuem emitente e destinatário conhecidos.
  • Signal events são usados para realizar broadcast de sinal, onde o emitente envia o sinal sem conhecer seus destinatários.

Qual o melhor BPMS do Mercado?

Frequentemente, clientes e prospects perguntam aos consultores da iProcess qual é a melhor ferramenta de BPMS existente hoje no mercado. Infelizmente não existe uma resposta única para esta questão e a dificuldade em respondê-la advém de inúmeros fatores.

Nesse post procuramos elencar alguns dos motivos pelas quais a escolha de uma plataforma de BPM é uma escolha tão difícil.

  1. Por ser uma escolha corporativa: soluções de BPMS não são soluções departamentais: assim como os processos, que possuem uma natureza transversal na organização, uma solução de BPMS tende a ser utilizada por toda a organização.
  2. Pela necessidade de atender diferentes necessidades: sendo uma escolha corporativa, a escolha da solução de BPMS deve atender a um conjunto amplo de demandas: caso contrário, corre-se o risco de se deixar alguma necessidade organizacional à descoberta. Isso exige que um amplo levantamento de expectativas deve ser realizado antes da sua seleção, de modo a evitar uma quebra de expectativa após a escolha da solução.
  3. Pelo enorme conjunto de funcionalidades disponíveis: Existem hoje mapeados na iProcess mais de 600 requisitos que podem ser avaliados na escolha de uma ferramenta de BPMS. Obviamente nenhuma ferramenta atende a estes 600 requisitos, e tão pouco é comum as empresas terem demandas tão complexas a ponto de necessitar todos estes requisitos sejam atendidos como obrigatórios. Desta forma, o casamento entre o que a empresa precisa e o que a plataforma disponibiliza é um fator crítico de sucesso na escolha da plataforma.
  4. Pelo número de alternativas que existem hoje no mercado: Existem hoje centenas de ferramentas de BPMS disponíveis no mercado. Só no Brasil são fabricadas dezenas, sem contar tantas outras que possuem escritórios de representação instalados no país.
  5. Pelo enfoque dado pelo fabricante ao conceber o seu produto: Via de regra os produtos de BPMS possuem categorias de funcionalidades que se destacam dos demais devido a forma como surgiu o produto. Produtos de BPMS se originaram de diferentes segmentos tecnológicos, tais como a gestão de conteúdo, a colaboração, a integração entre sistemas, a edição de formulários, …
  6. Pela enorme variação de valores financeiros envolvidos: Existem atualmente produtos para todos os bolsos e gostos: desde aqueles que são totalmente gratuítos (mas que possuem contratos de suporte e manutenção) até aqueles cujo o licenciamento pode chegar à centena de milhares de dólares. A forma de licenciamento também tem o impacto direto na sua precificação, sendo os tipos mais comuns as licenças por usuário ou processador.
  7. Pelas plataformas tecnológicas existentes na organização: As plataformas tecnológicas disponíveis dentro da organização podem facilitar ou inviabilizar a escolha de uma plataforma de BPM. Questões como, por exemplo, o sistema operacional utilizado nos computadores clientes e servidores (Windows, Linux, Unix, …); o banco de dados da organização (Oracle, DB2, Postgress, SQL Server, …); o servidor de aplicação disponível (IIS, Apache, WebLogic, Websphere, …); a linguagem de desenvolvimento utilizada (Java, .NET, PHP, …) podem ser fundamentais na análise de aderência de uma ferramenta de BPMS à plataforma atual.

A escolha certa de uma plataforma de BPM passa por uma análise detalhada de cada um destes fatores. É importante ter em mente que a escolha inadequada de uma solução de BPMS pode inviabilizar a execução de alguns processos de negócio da sua organização e, em última análise, até mesmo as suas iniciativas de gestão por processos.

[Atualizado] Leia também: ferramentas BPMS livres ou de baixo custo são sempre mais baratas do que as ferramentas pagas?

Até lá.

Configurando um ambiente de desenvolvimento mais produtivo

Quando planejamos a implantação de uma nova tecnologia, de um novo sistema, é comum nos preocuparmos diretamente com os recursos de hardware e software que serão requeridos nos computadores servidores envolvidos. Porém, um ponto que poucos lembram-se de planejar previamente diz respeito aos recursos que as equipes de desenvolvimento e manutenção irão demandar.

Para além dos produtos diretamente relacionados ao sistema implantado, que outros aplicativos podem ajudar um técnico a ser mais produtivo em suas tarefas? Nesta hora, nada melhor do que trocar experiências, conversar com quem vive essa realidade no dia-a-dia.

Este é o motivador deste post: trocar experiências!

Não temos porém a pretenção de determinar quais são os melhores softwares, tampouco, ao citarmos um aplicativo específico, não queremos dizer que seus concorrentes são menos qualificados. O que estamos nos propondo a fazer é, na verdade, apresentar uma coleção que acreditamos atender adequadamente a maioria das necessidades de trabalho dos técnicos envolvidos com automação de processos e com desenvolvimento de sistemas de um modo geral.

Nota: é importante atentar para as políticas de licenciamento de cada software! Nem todo programa que pode ser instalado gratuitamente permite o seu uso para fins comerciais. Não nos responsabilizamos e tampouco estimulamos usos indevidos. Tampouco temos qualquer relação comercial com os fabricantes e distribuidores dos aplicativos citados.

 

Bom, vamos ao que interessa!

Confira a lista de aplicativos que sugerimos, considerando as plataformas Windows e Linux. Aguardamos contribuições e outras sugestões nos comentários.

Para facilitar, vamos agrupar as sugestões em aplicativos básicos, técnicos, segurança e desenvolvimento.

Aplicativos básicos:

  • Primeiramente é importante definir o sistema operacional a ser utilizado. O Windows 7 Professional é uma ótima opção nessa plataforma e, em Linux, as distribuições Fedora e Ubuntu são recomendadas (mas muitas outras também são adequadas).

** Adicionalmente, o Firefox mostra-se como uma opção bastante interessante para desenvolvedores pela grande quantidade de plugins disponíveis para estender suas funcionalidades. Dentre esses, podemos destacar o Webdeveloper e o Firebug, especialmente úteis para depurar os componentes Javascript das suas páginas.

  • Compactador de arquivos 7-zip, para Windows.
  • PDF XChange é um bom leitor deste tipo de arquivo, pois é leve e permite a inclusão de comentários e marcações. No Linux, ele pode ser instalado utilizando o Wine, citado mais adiante (Okular e Evince são bons leitores também para Linux). Claro, há também a opção de utilizar o Adobe Reader (para Windows e Linux), mas este é bastante “pesado”. Já para geração de PDFs, o pdfCreator é uma ótima opção para Windows, e o Cups-PDF para Linux atende a necessidade.
  • Para edições simples de imagens, recomendamos o Paint.net para Windows ou o Gimp (Windows e Linux), e o Gadwin Printscreen (Windows) para produzir cópias de telas (a maioria dos ambientes Linux possui opção nativa para tal).
  • Para comunicação, Skype para videoconferências e para chat o Pidgin (Windows e Linux), que suporta em um só aplicativo contas do MSN, GTalk e de outros serviços.
  • Instale o cliente do Dropbox para compartilhar facilmente arquivos entre diferentes computadores, ou mesmo entre toda a equipe de desenvolvimento.

Aplicativos técnicos:

  • Para Linux, há muitos pequenos programas de linha de comando úteis para diversas tarefas. Em ambiente Windows, podemos utilizar boa partes desses comandos utilizando o Cygwin! Por exemplo, nada como poder utilizar o comando tail para acompanhar um arquivo de log e, com o Cygwin, isso é possível mesmo em Windows.
  • No Windows, podemos conectar em um ambiente Linux remoto utilizando o Putty ou XShell, e podemos até mesmo executar localmente programas gráficos que estão instalados em um ambiente Linux remoto se utilizarmos o XMing. E o contrário também é verdadeiro: podemos instalar e executar alguns aplicativos Windows em ambiente Linux, instalando o Wine. Se o aplicativo não for dependente de bibliotecas muito específicas, tem uma boa chance de funcionar muito bem! E, para conectar remotamente em uma máquina Windows a partir do Linux, utilize o Vinagre, um cliente Remote Desktop e VNC leve e adequado.
  • Para controle de versões SVN, instale no Windows o Tortoise SVN, que integra-se muito bem ao Windows Explorer. Existe também o projeto Tortoise GIT para este outro controle de versões. Bem menos explorado e conhecido, o sistema de controle de versões Bazaar é uma opção bastante interessante para manter versionados arquivos locais sem depender de um servidor específico para tal. Pode ser utilizado, por exemplo, para manter versões locais mais frequentes, sem, no entanto, submeter versões para o sistema centralizado da empresa, onde espera-se que sejam entregues apenas versões estáveis dos códigos-fonte.
  • Para comparação de arquivos, recomendamos WinMerge para Windows e Meld para Linux.
  • Para editar arquivos texto no Windows, esqueça o Notepad! Instale o Notepad++, que possui diversos recursos e plugins disponíveis.
  • Instale o Wireshark (Windows e Linux) para interceptar e monitorar o tráfego de rede.

Segurança:

  • Utilize o TrueCrypt principalmente para proteger pendrives e HDs externos, mas o mesmo pode ser utilizado também para criptografar discos rígidos dos seus computadores. ** Adicionalmente, em Linux, é possível criptografar o disco rígido facilmente utilizando LVM.
  • Especialmente em ambiente Windows, tenha um bom antivirus instalado! O McAfee é bastante eficiente, mas tem custo de licença e consome bastante recursos do computador. Já o Comodo tem a vantagem de ser uma suite com antivirus, antimalware e firewall, e gratuita. Para Linux, o Avast é uma boa opção de antivirus para uso pessoal, enquanto que o Clamav é o mais famoso e de uso gratuito. Já o ipTables é o firewall padrão (boa parte das distribuições geralmente contam com um aplicativo gráfico de firewall baseado em iptables). Ainda para Windows, pode-se também fazer uso das próprias ferramentas da Microsoft: Windows Firewall e o Security Essentials como antivirus.
  • Também não esqueça de ter uma opção de software para backup, especialmente se trabalhar em home-office ou se viaja muito com notebook. A maioria desses serviços é pago, mas seu custo caiu muito nos últimos anos. Algumas opções de empresas que disponibilizam serviço de backup remoto são: CrashPlan, Carbonite e Mozzy – estes dois últimos somente para Windows, o primeiro para múltiplas plataformas.

Desenvolvimento:

  • Para acesso e programação em banco de dados Oracle, utilize o Oracle Sqldeveloper. Para banco de dados SQL Server, utilize as próprias ferramentas  Microsoft.
  • Para desenvolvimento, depende muito do gosto do programador, mas Eclipse e Netbeans são ótimas IDEs.
  • Para teste e simulação de webservices, o SoapUI é uma excelente ferramenta.
  • Para automação de build e deploy, principalmente em Java mas também em outras linguagens e plataformas, utilize Ant e Maven.
  • Para virtualização de servidores, o VirtualBox é uma ótima opção, pois permite inclusive criar snapshots. Mais limitado, o VMware Player também serve para executar máquinas virtuais facilmente.

Bom, ficamos por aqui. Compartilhando esta lista de aplicativos, esperamos ajudar a facilitar o processo de escolha de ferramentas para as diversas necessidades e demandas de software que surgem em um ambiente de desenvolvimento.

Aguardamos comentários e sugestões de outros aplicativos que podem ajudar a tornar o nosso dia-a-dia mais produtivo ;-)