Desmistificando tipos de tarefas em BPMN: Tarefa Abstrata, Tarefa de Usuário e Tarefa Manual

Em sua riqueza de elementos para a representação de processos de negócio, a notação BPMN traz uma classificação de tipos de tarefas.

Elas ajudam a identificar a forma como a tarefa deve ser executada:

Estes elementos e seus comportamentos esperados estão descritos na especificação BPMN (disponível em http://www.omg.org/spec/BPMN/Current). Apesar disto, a identificação de quando usar cada tipo de tarefa ainda é alvo de alguma ambiguidade.

Em uma série de três artigos, trataremos estes tipos de tarefas com mais detalhes para esclarecer as dúvidas comuns. Para facilitar o entendimento, trataremos os tipos de tarefa de acordo com seu propósito (essa divisão não é oficial):

Tarefa abstrata

A tarefa abstrata (abstract task) é a tarefa sem tipo específico.

Tarefa abstrata (abstract task)

Sobre ela, a especificação diz:

“Uma tarefa sem nenhum tipo de especificação é chamada tarefa abstrata (Abstract Task) (ela era referenciada como None Task em BPMN 1.2).” (pag. 154)

Ou seja, a tarefa abstrata (abstract task) pode ser utilizada em modelagens cujo tipo de tarefa ainda não está definido ou em casos onde a tipificação da tarefa simplesmente não se faz necessária. É o caso dos processos executados manualmente.

Um processo de negócio modelado com tarefas abstratas.

Tarefas de interação humana

Para representar tarefas cuja execução envolve a atuação de pessoas em um processo, BPMN sugere dois tipos de tarefa: a user task (tarefa de usuário) e a manual task (tarefa manual).

Tarefa manual (manual task) e Tarefa de usuário (user task)

O que a especificação diz sobre estes tipos de tarefa:

“Uma Tarefa de Usuário (User Task) é uma tarefa típica de “workflow” onde um ator humano desempenha a tarefa com a assistência de uma aplicação de software e é disponibilizada através de uma lista de de trabalho ou outra forma de gerenciamento semelhante. ” (pág 160)

“Uma Tarefa Manual (Manual Task) é uma tarefa que é esperada que seja executada sem o suporte de nenhuma aplicação de execução de processos de negócio ou outra aplicação. Um exemplo disso pode ser um técnico de telefonia instalando um telefone no endereço de um cliente.” (pág 161)

“10.3.4.1 Tarefas com o envolvimento humano
Em muitos fluxos de trabalho, o envolvimento humano é necessário para executar certas tarefas especificadas no modelo de fluxo de trabalho. BPMN especifica dois tipos de tarefas com o envolvimento humano, a Tarefa Manual (Manual Task) e a Tarefa de Usuário (User Task).
A tarefa de usuário é executada e gerenciada por um motor de execução de processos de negócio. Atributos relativos ao envolvimento humano, como as pessoas envolvidas e a renderização de interfaces de usuário (UI) podem ser especificados em grande detalhe.(…)
Uma tarefa manual é uma tarefa que não é gerenciada por qualquer mecanismo de processo de negócio. Ela pode ser considerada como uma tarefa não gerenciada, não gerenciada no sentido de que o motor de processos de negócio não acompanha o início e o fim de tal tarefa.
Um exemplo disso poderia ser uma instrução de papel como base para um técnico de telefonia instalar um telefone em um local do cliente.” (pág 165)

 

Ou seja, uma user task (tarefa de usuário) é a tarefa que é executada através de uma aplicação e gerenciada por uma lista de trabalho(1). Em outras palavras, é a tarefa realizada através de uma aplicação, como um BPMS (Business Process Management Suite), uma aplicação de workflow, uma ferramenta de gestão de cronograma ou qualquer outro sistema que apoie o controle do processo.

Já as tarefas manuais (manual task) são aquelas executadas no mundo físico, sem o controle por parte de uma aplicação.

Aqui há uma confusão comum na interpretação do “uso de uma aplicação”, inclusive replicada em literatura. Para entender claramente a diferença entre elas, é preciso compreender que o que define se uma tarefa é user ou manual task não é se usamos alguma ferramenta para executá-la, e sim se há um sistema controlando a sua execução.

Isto quer dizer que, se temos por exemplo um processo de venda de produtos que é todo executado manualmente, mas em uma determinada atividade uma planilha eletrônica é usada para calcular o valor a ser cobrado do cliente, e um e-mail é enviado ao cliente com o orçamento do produto, ainda assim (apesar de usar uma aplicação de planilha e o software de e-mail para o trabalho) esta será uma tarefa manual, pois não há controle nem gestão sobre quem faz, quando iniciou e quando concluiu a tarefa.

Mesmo utilizando ferramentas como planilha eletrônica e email, ainda assim a tarefa "Apresentar orçamento" neste processo é manual.

Numa modelagem de processo que não será automatizado, e que portanto são pessoas que lerão e interpretarão o modelo, não faz muito sentido essa diferenciação, já que as pessoas, ao lerem a documentação do processo, têm condições de interpretar o modelo mesmo que os tipos de tarefas não estejam esclarecidos.

Na modelagem para automatização, entretanto, isso é muito importante. A tarefa de usuário é aquela em que o processo deve aguardar que um usuário informe o resultado do trabalho, registrando que a mesma foi concluída para então dar seguimento ao fluxo do processo. Já sobre a tarefa manual o sistema não tem nenhum controle, então mesmo que ela seja incluída no modelo, ele “passará batido” por ela.

Por exemplo:
Considere novamente o processo de atendimento de chamado, no qual há uma atividade para um técnico de telefonia para realizar uma visita técnica ao cliente, e que este processo terá sua execução controlada por uma aplicação (por exemplo um BPMS).

Neste processo, podemos ter dois cenários:

Cenário 1: O Técnico acessa uma lista de tarefas, com todos os chamados a realizar, identifica o chamado que está executando e finaliza a tarefa. Com isso, o sistema identifica que a mesma foi concluída e segue o fluxo disponibilizando a próxima tarefa ao respectivo ator responsável. Neste caso, a tarefa está sendo controlada pelo sistema (seu início e fechamento), portanto é modelada como uma tarefa de usuário.

Cenário 2: O Técnico não acessa o sistema. Ele pode, por exemplo, receber ao início do dia uma lista impressa com todos os clientes a visitar. A cada visita, o cliente assina o papel confirmando que o atendimento foi realizado. Ao fim do dia, quando o técnico retorna para a empresa, ele entrega a lista ao Atendente, que então verifica se o atendimento foi realizado e registra no sistema o resultado do atendimento. Neste caso, a tarefa do técnico é modelada como uma tarefa manual, para que fique visível aos que olham o modelo em que momento o mesmo realiza seu trabalho (e que, do ponto de vista do processo de negócio, existe uma dependência da tarefa de "Verificar resultado do serviço" em relação à "Realizar visita técnica", mas o sistema não controla o início nem o fim do trabalho realizado.

Assim, concluímos que, na modelagem com a notação BPMN, o tipo de tarefa não é definido pelo uso de sistemas para realizá-la, e sim se há alguma aplicação sendo utilizada para controlá-la.

_______

(1) Processos podem ser controlados por aplicações de diferentes tipos. Isto já foi tema deste blog no artigo Gerenciando a execução de processos com (ou sem) um BPMS.

 


Aprenda a dominar a notação BPMN utilizando as melhores práticas com nossos instrutores, em um curso repleto de exercícios e um laboratório prático de modelagem de um processo de negócio de ponta a ponta!
Confira já a agenda de cursos da iProcess Education e inscreva-se:
www.iprocesseducation.com.br/ipe04

Modelagem de Processos de Negócio: Diferenças entre diagrama, mapa e modelo de processos

Quantas vezes você já se referiu ou ouviu pessoas se referirem a um mesmo desenho de processo como sendo um diagrama de processo ou mapa de processo ou ainda, como um modelo de processo?

Este é um assunto controverso, principalmente para pessoas que estão começando em projetos que envolvem iniciativas de processos de negócio ou iniciando o estudo de BPM.

Dúvida comum que é esclarecida em nosso curso de Modelagem de Processos de Negócio (iPE01). Constatamos que os termos diagrama, mapa e modelo de processos são utilizados, por muitas vezes, de forma errônea, como sinônimos, porém eles na verdade tem diferentes propósitos e aplicações.

Falaremos neste artigo sobre os três níveis de modelagem (diagrama, mapa e modelo), as diferenças em seus desenhos, no nível de detalhamento e utilidade de cada um.

Diagrama, mapa e modelo são três níveis de “representação” de processos.

Estes três níveis de representação de processos diferem-se em níveis de abstração, informação, utilidade, precisão, complexidade, padronização de elementos do fluxo, evolução e amadurecimento do desenho proposto.

diagrama, mapa e modelo de processos

Fazendo uma analogia com mapa geográfico, podemos dizer que o diagrama de processo demonstra a rota que é realizada em uma visão simplificada, com o trajeto percorrido, evidenciando os principais pontos de referência, o local de origem e destino. O mapa do processo apresenta a rota de forma mais detalhada, com elementos como nome de avenidas, ruas, principais pontos de referências, opções de rotas alternativas, trajeto e tempo estimado para cada rota. O modelo de processo apresenta a rota de forma mais completa e precisa, descrevendo a situação atual do trânsito, rota de transporte público, clima na região da rota, além de fotos das avenidas e ruas.

O Diagrama é uma representação inicial do processo. Ele demonstra o fluxo básico focando as principais atividades. Não trata exceções ou falhas no processo.

Utilizado para capturas rápidas no processo, por isto não é muito preciso.
Ajuda a obter entendimento rápido das principais atividades, representando ideias simples em um contexto alto nível.

Esta representação inicial do processo pode significar várias coisas. O diagrama pode representar um macroprocesso organizacional, por exemplo, como também se tratar de apenas um esboço (versão inicial do processo) de uma primeira avaliação.

diagrama de processo

Em um primeiro momento busca-se conhecer os processos identificando as atividades chave. Esta é uma das técnicas mais utilizadas para conhecer os processos organizacionais, conhecida como abordagem top-down, em uma visão de macroprocessos (visão interfuncional) até chegar aos processos operacionais.

Em uma primeira versão, o processo muitas vezes não recebe as informações necessárias para partir diretamente para um nível de mapa ou modelo. Fatores como a precisão e nível de detalhamento influenciam a forma como o processo é modelado. A precisão varia de acordo com a profundidade em que se avalia cada aspecto do processo e suas atividades, e aumenta de acordo com o número de pessoas entrevistadas das áreas que fazem parte dos processos.

O nível de detalhe define o quanto cada processo, sub-processo, atividades, tarefas, procedimentos, atributo ou aspecto é descrito.

O mapa é uma evolução do diagrama, acrescentado de atores, eventos, regras, resultados e um detalhamento do processo. Ampliada para uma visão mais detalhada, o mapa fornece informações de maior precisão do desenho do processo.

Neste nível as atividades do processo e seus objetivos estão mais claros. Foram identificadas as responsabilidades atribuídas ao longo do processo. Isto se deve aos métodos de levantamento de informações utilizadas pela equipe envolvida na iniciativa de BPM.

Através de pesquisas a equipe obteve um entendimento inicial, e segue para as entrevistas com os envolvidos no processo (donos de processos, clientes, fornecedores, pessoas que trabalham no processo, etc). Esta etapa é de grande importância para identificação das regras, validações, caminhos de exceções, papéis e detalhamento de atividades.

Existem diversos métodos para levantamento de informações, como workshops, conferências, observações diretas, etc. Abordaremos este assunto em um próximo post.

A escolha do nível de representação de processos dependerá do propósito da modelagem, em muitos casos, o diagrama ou mapa já são suficientes para representar o processo.

O modelo é a versão final da evolução do processo. Esta representação traz um alto grau de precisão e detalhamento do processo.

Uma grande vantagem é a capacidade de execução do processo através de simulações. Estas simulações geram informações que acercam o desempenho do processo, úteis para analisar/validar a execução do processo.

Este nível de execução requer uma descrição detalhada dos atributos do processo, descrevendo propriedades e características das entradas/saídas, procedimentos/passos, recursos, custos, alocação, simulação, parâmetros de duração, etc. Estes atributos podem ser classificados em categorias e sua documentação varia de acordo com o objetivo da modelagem realizada.

A partir do modelo é possível executar as próximas etapas do ciclo de gestão por processos, como a análise, redesenho, reengenharia, melhoria continua e medição do processo.

Você se interessou pelo assunto?

A área de conhecimento de modelagem de processos fornece o entendimento dos propósitos, benefícios, habilidades e técnicas e é muito utilizada pelas organizações para conhecer, documentar e melhorar processos.
Este tema é explorado com mais profundidade em nosso curso de Modelagem de Processos de Negócio, onde abordamos de forma mais abrangente o tema. http://www.iprocesseducation.com.br/ipe01.html, oferecido pela iProcess Education.

 

A diferença entre “desenhar” e “modelar” processos

Não basta saber usar um editor de textos para ser um bom escritor.
O mesmo se dá na relação entre uma ferramenta de modelagem e o designer de processos(1).

Pode parecer estranho começar um artigo com uma afirmativa como essa. Mas o fato é que muitas vezes já nos encontramos em conversas com pessoas envolvidas em iniciativas de processos com a expectativa que, se treinassem pessoas da empresa para usar alguma ferramenta para desenhar de processos (como o Bizagi, por exemplo), isso bastaria para que essas pessoas pudessem documentar os processos das suas áreas (e assim teriam modelados os processos da organização).

Mas criar um bom modelo de processo é como escrever um bom texto. Não basta apenas dominar o editor de textos e saber escrever as palavras, é preciso preocupar-se com a clareza do conteúdo – em como ele será interpretado por quem o lerá.

Designer de processos em ação.

O primeiro passo para uma boa escrita é conhecer e aplicar bem as regras gramaticais da linguagem usada. Uma vírgula fora do lugar pode mudar completamente o sentido de uma frase. Da mesma forma, um elemento BPMN aplicado sem a preocupação com as regras da sua especificação também pode levar a interpretações distintas dos leitores em relação à expectativa de quem fez a modelagem.

As definições da especificação BPMN funcionam como as regras gramaticais de um idioma. Se forem bem conhecidas por quem as usa podem ser relativamente fáceis de aplicar, já que são bastante claras. Elas definem como são os símbolos, como podem se conectar e o que significam.

Conhecer as regras de uso de um idioma ou de uma notação são apenas o primeiro passo para comunicar-se bem com quem lerá o produto do trabalho. As dúvidas mais frequentes geralmente estão relacionadas a como aplicá-las ao conteúdo que queremos transmitir.

Em uma história bem contada, a sequência de fatos, determinada pelo enredo, é fundamental para o seu entendimento. Em algumas situações, fatos podem ser contados em paralelo, em outros casos eles têm uma sequência que se for quebrada pode dificultar a compreensão ou mesmo gerar interpretações equivocadas.

Na modelagem de processos, a lógica do processo é o enredo. Ela se define tendo um evento que sinaliza o início da estrutura de precedência entre as atividades e regras de roteamento do fluxo, que podem apresentar cenários com sequências de atividades paralelas ou alternativas, até atingir o seu fim. É ela que determina como os elementos da notação devem ser usados para criar o diagrama do fluxo do processo. Toda a modelagem deve ter em vista garantir a integridade da lógica do processo.

Assim como a boa escrita, isto é fruto de uma habilidade desenvolvida com a prática. Esta habilidade se constrói:

  • desenhando processos,
  • tendo a sensibilidade de lê-lo sob a perspectiva do leitor,
  • validando – não apenas gramaticalmente mas também a lógica representada junto com as outras pessoas envolvidas
  • e discutindo a modelagem proposta com outros analistas, avaliando até mesmo outras alternativas de transmitir mais claramente a ideia do processo.

Esse trabalho envolve alguns cuidados que o designer de processos deve observar em suas modelagens se quiser apresentar resultados claros, objetivos e precisos na representação de processos:

  • Criar modelos limpos. Diagramas de processos devem primar pela interpretação fácil com olhar simples. Isto se obtém evitando-se desenhar linhas sobre linhas, cruzar linhas sobre as outras ou traçar conexões entre elementos muito distantes. Isso pode ser resolvido com o uso de elementos de links (mas use com parcimônia!) e alguma reorganização (avalie se as lanes onde os elementos que devem se conectar não podem ser aproximadas). Usar nomes breves e objetivos para eventos, gateways e atividades também ajudam a manter o diagrama limpo.
  • Aplicar boas práticas. Existem diversas práticas, que foram sendo agregadas por profissionais com experiência na modelagem de processos e que são recomendadas no uso da notação. Confiar nessas práticas pode facilitar o trabalho e ajudar na elaboração de diagramas eficazes na comunicação.
  • Usar a notação de forma padronizada. Padronizar a forma como usa a notação dá harmonia ao conteúdo representado, gerando conforto a quem lê e confiança de que o processo está bem modelado.
  • Modelar no grau de detalhamento apropriado. De acordo com o propósito da modelagem do processo, o diagrama requer uma representação em maior ou menor nível de detalhe. Algumas situações requerem um processo desenhado numa perspectiva superficial, suficiente para dar entendimento ao negócio, enquanto outras requerem detalhamento no nível de atividade da operação, ou mais além, em que todas as exceções do processo sejam previstas e tratadas. Compreender o grau de detalhamento esperado – e mantê-lo no decorrer de todo o fluxo modelado -, é um cuidado fundamental.

Encontre uma pessoa com habilidades de compreensão gramatical e boa escrita e você terá nela um excelente profissional para modelar seus processos. Desenvolva estas habilidades e você será esta pessoa.

_____
(1) De acordo com BPM CBOK v3 em português, “Designer de Processos” é o papel realizado por um membro da equipe de modelagem de processos cujo trabalho é desenhar novos processos e transformar processos de negócio. Tipicamente possui habilidades analíticas, criativas e de descrição visual e lógica dos passos de processos e na forma de organização do trabalho. Não é uma função, mas um papel, que pode ser realizado por um profissional específico ou mesmo pelo analista de processos ou de negócios.

BPMN: Uma atividade para mais de um participante do processo

Há uma questão recorrente na modelagem de processos relacionada à distribuição de atividades nas lanes de processo: como representar um trabalho sendo realizado por mais de uma pessoa?

Por exemplo:
Digamos que em um processo há uma reunião realizada entre o Diretor de Planejamento e o Diretor Financeiro, que recebem uma proposta de um analista e realizam uma reunião para avaliar sobre o investimento. A seguir, eles atuam na priorização das ações relacionadas ao investimento, e a partir desta priorização são realizadas outras ações.

Para essa situação em que há dois participantes envolvidos na realização de uma mesma tarefa, já vimos diagramas que tentam representar isso de algumas formas peculiares:

"Tentei demonstrar que as atividades são realizadas pelos dois usuários posicionando-as sobre o limite entre as duas lanes."

A abordagem acima é inadequada sob o ponto de vista de uso da notação BPMN e poderá gerar interpretações diferentes. Para a notação, uma atividade só pode estar associada a uma raia (lane), e mesmo que a ferramenta de criação do diagrama não aponte o problema na validação do processo, o fato é que internamente as atividades estão vinculadas a apenas uma lane. Isto está estabelecido na própria especificação da notação. Se a ferramenta utilizada dispõe de geração de relatório que lista quais tarefas estão relacionadas a quais lanes, essas tarefas só estarão associadas a um único participante.
Tem um outro problema ao se praticar o mapeamento desta forma: e se os investimentos tivessem que envolver também o Diretor de Tecnologia – como colocar as tarefas compartilhando pessoas de três raias?

Outra tentativa comum é a refletida no exemplo abaixo:

"Coloquei as tarefas em paralelo porque eles fazem a reunião ao mesmo tempo."

No diagrama acima, as regras de validação lógica do uso da notação também não apontariam problema, mas o processo ainda não estaria corretamente representado.

A interpretação que se deve ter no uso do gateway paralelo não é de que as atividades paralelizadas serão realizadas ao mesmo tempo, e sim que elas podem ser feitas em paralelo porque não há restrição de dependência entre elas. Assim, apesar de serem iguais no exemplo acima, cada tarefa tem sua execução própria, levando ao entendimento que cada um fará as atividades quando tiver disponibilidade. Por exemplo: digamos que o Diretor de Investimentos faça “Avaliar investimento” pela manhã e já siga para a próxima tarefa, enquanto o Diretor Financeiro só consiga iniciar a tarefa “Avaliar investimento” à tarde. O processo mapeado acima permite essa interpretação.

Se a ideia é de que os dois realizem juntos a tarefa “Avaliar investimento” e “Priorizar etapas do investimento”, recomendamos uma forma de mapear isto um pouco diferente:

Uma raia com um papel em grupo que abstrai os participantes e garante que as tarefas sejam realizadas em conjunto pelos envolvidos.

Nesta abordagem, criamos uma raia para um papel que abstrai um grupo (o  ”Comitê de Avaliação de Investimentos”), e atribuímos as atividades a ela. Na descrição da raia, ficam estabelecidas as regras usadas para definir quem são os participantes do comitê – que neste caso será formado pelos Diretores de Investimentos e Financeiro. Esta abordagem ainda possibilita que outros diretores possam se juntar ao comitê sem impactar no diagrama do processo, bastando apenas ajustar a descrição dos participantes do grupo.

Desmistificando o uso de gateways em BPMN

Existem duas questões relacionadas a BPMN que precisam ser consideradas na utilização da notação: as regras da especificação e a lógica do processo.

As regras da especificação são relativamente fáceis de aplicar já que são bastante claras. Elas definem como são os símbolos, como podem se conectar e o que significam. As dúvidas mais frequentes geralmente estão relacionadas a como aplicá-las para representar as particularidades da lógica do processo de negócio que estamos mapeando.

Recentemente recebemos algumas dúvidas de um leitor do nosso blog sobre a aplicação de gateways, cujas respostas compartilharemos aqui, guiados por esses dois aspectos e mais alguns cuidados de boas práticas.

1) Existe alguma restrição em começar um processo com um evento de inicio e logo depois um gateway?

Um diagrama BPMN de processo em que o primeiro elemento do processo após o início é um gateway.

Pela especificação não. O uso do gateway paralelo após o evento de início neste processo de exemplo enviado pelo leitor é perfeitamente aplicável. Qual seria a razão de se criar um impedimento a  tarefas realizadas em paralelo quando um processo inicie - o que na verdade pode representar um excelente ganho de desempenho no processo ao se reduzir a sua duração?

Entretantopode haver restrição no caso do uso de gateway baseado em dados, como o Inclusivo ou o Exclusivo. Mas é uma restrição lógica: como esses gateways testam um dado para determinar o roteamento do processo, a informação precisa ter sido gerada antes. Assim, na maior parte das vezes, antes do gateway será necessário uma atividade que forneça essa informação. Mas nem sempre. Por exemplo: se o processo começar com um evento de mensagem, pode-se presumir que a informação seja obtida da mensagem recebida ao iniciar o processo. Quando estamos modelando, precisamos pensar nisso.

Portanto, a restrição não é de regra de uso do elemento, mas está associada à lógica do processo mapeado.

 

2. Como fazer quando se deparar com vários gateways em sequência? É correto encadear gateway?

Um diagrama de processo em BPMN com gateways encadeados.

Também não há nenhuma regra restringindo o encadeamento de gateways, mas fazer isso pode tornar a leitura do diagrama mais complexa, além de serem mais elementos agregados no diagrama (quando ele começar a ficar grande, qualquer elemento a menos pode significar uma bela economia !)

A única observação que faço sobre este tipo de diagrama é lembrar que gateways não precisam ser binários (com apenas duas saídas). As melhores práticas de uso da notação recomendam inclusive que se evite utilizar perguntas na definição de gateways porque elas tendem a gerar resultados do tipo “Sim”/”Não”. Em vez disso, recomendamos usar uma regra avaliativa.

Por exemplo: digamos que uma tarefa de avaliação possa resultar em: aprovação, aprovação com restrições ou reprovação, e que cada resultado leve a uma sequência de ações diferentes no fluxo.

Em vez de usar um gateway “Aprovado?” que levaria a resultados “Sim” e “Não“, e então no caso de “Sim” incluir outro gateway que verifica se “Possui restrições?” (ou seja, dois gateways encadeados), poderíamos simplificar em um único gateway, que cuja regra poderia ser testar o “Resultado da avaliação“, com três saídas: “Aprovado“, “Aprovado com restrições” e “Reprovado“, cada uma direcionando ao fluxo de ações que devem se seguir. O exemplo abaixo ilustra os dois casos.

A mesma orientação poderia se aplicar ao exemplo enviado pelo leitor, mas como essa é uma questão associada à lógica do processo e as sequências que saem dos gateways não estão nomeadas, seria necessário avaliar o caso com mais cuidado.

BPMN 2.0 – Novos Diagramas e Elementos: Coreografia no detalhe

No artigo anterior (BPMN 2.0 – Novos Diagramas e Elementos: Introdução a Coreografia) introduzimos o assunto a respeito do Diagrama de Coreografia. Neste artigo nossa proposta é detalhar a coreografia, apresentando os principais elementos BPMN utilizados para uma modelagem completa do diagrama em questão.

O diagrama de coreografia abaixo apresenta os detalhes do comportamento da coreografia, descreveremos logo abaixo cada um dos elementos. 

Elementos do diagrama de coreografia

1. Evento (Event)
Os eventos são elementos comuns a ambos diagramas de coreografia e de orquestração. Representam algo que acontece durante o curso do processo e podem ser de três tipos distintos: Inicio, intermediário e fim.

Dos eventos utilizados no diagrama de orquestração, aplica-se na coreografia os eventos:

Início: simples (none), tempo (timer), condicional (conditional), sinal (signal), múltiplo (multiple).
Intermediário: simples (none), condicional (conditional), ligação (link) e múltiplo (multiple). Atachados a atividade: cancelamento (cancel), compensação (compensation), condicional (conditional), sinal (signal) e múltiplo (multiple).
Fim:  simples (none) e terminate.

Para uma leitura mais detalhada sobre eventos veja os artigos sobre eventos de início e fim e eventos intermediários.

2. Atividade (Activity)
especificação da OMG BPMN versão 2.0, descreve interações entre processos como sendo Message Exchange Patterns (MEPs) ou padrões de troca de mensagens.  A MEP é a Atividade (Activity) de uma coreografia, chamada também de Tarefa de Coreografia (Choreography Task).

Atividade - Interação entre os participantes

3. Desvio (Gateway)
Nos processos de orquestração, os gateways são usados para criar caminhos alternativos ou paralelos para o processo. Da mesma forma acontece na coreografia: as interações entre os participantes pode acontecer em seqüência, em paralelo, ou por meio de seleção exclusiva.

4. Participante (Participant)
Os participantes fazem parte da Atividade de coreografia e corresponde a uma piscina (pool) do diagrama de orquestração.

O participante que inicia a troca de mensagens (parte ativa) é representado pelo fundo branco, já o participante que recebe o primeiro comunicado (parte passiva) está representado com o fundo preenchido (aqui em cinza). O participante que inicia a comunicação pode ser representado na extremidade superior ou inferior da atividade, como demostrado na imagem abaixo:

As atividades de coreografia da esquerda e direita são equivalentes

5. Fluxo de Sequência (Sequence Flow)
É utilizado para demostrar a sequência das atividades de coreografia e só pode se conectar a outros objetos do fluxo como os eventos, gateways  e atividades de coreografia.

6. Mensagem (Message)
Representa a informação contida  na comunicação entre duas entidades ou processos. No caso da coreografia, representa a informação transmitida na comunicação entre os participantes.

A mensagem de início, transmitida pelo participante inicial, é representada pelo envelope de fundo branco e a mensagem de retorno (quando houver) é representada pelo envelope de fundo preenchido.

Mensagem - Elemento que representa a informação contida na comunicação entre os participantes.

Interação entre participantes  e atividade multi-instance
No exemplo abaixo, os participantes Cliente e Concessionária interagem na atividade Compra de automóvel e os participantes Concessionária e Fornecedores de Peças interagem na atividade Solicitação de Orçamento.

Atividade de Coreografia - Representa uma interação entre dois participantes (pools)

A atividade da esquerda, representa a comunicação entre o participante Cliente (que inicia a comunicação) e o participante Concessionária. Nesta atividade o Cliente comunica seu interesse na compra de um automóvel. Já a atividade da direita demostra que um dos participantes pode ser multi-instance: o participante Fornecedores de Peças representa um papel atribuído a mais de um participante (a concessionária solicita orçamento para vários fornecedores de peças).

Atividade de subcoreografia (Sub-choreography task)
Uma atividade de subcoreografia agrega a identificação de todos os participantes envolvidos em um subconjunto de atividades de coreografia, e representa uma coregrafia refinada em interações (várias trocas de mensagens). Pode ser declarado mais de um destinatário, mas apenas uma iniciação pode ser realizada. Graficamente, a atividade pode ser demostrada de forma contraída (collapsed), representado pelo símbolo “+” indicando a existência de outro nível de detalhe. A mesma Atividade de subcoreografia pode ser representada de forma expandida (expanded) apresentando o seu conjunto de detalhes na própria coreografia.

A Imagem acima demostra a atividade de subcoreografia contraída(collapsed), representada pelo símbolo “+” indicando a existência de outro nível de detalhe, e sua representação expandida (expanded).

Com estes elementos, BPMN 2.0 possibilita a criação de um diagrama focado em documentar uma visão objetiva do processo, que pode ser compartilhada entre os participantes sem revelar os pormenores do negócio de cada organização envolvida.

BPMN 2.0 – Novos Diagramas e Elementos: Introdução a Coreografia

Com frequência a notação BPMN tem sido tema de nossos artigos no blog, em geral relacionados aos elementos do diagrama de orquestração. Entretanto, desde 2011 a notação agregou, em sua última revisão, dois novos diagramas à especificação, o diagrama de conversação e o diagrama de coreografia.

Iniciaremos neste artigo o assunto a respeito das novidades relacionadas aos novos diagramas, começando pelo diagrama de coreografia, então vamos lá!

Diagrama de Coreografia (Coreography Diagram)

Para BPMN a Coreografia  é um tipo de diagrama que difere em propósito e comportamento da representação de um processo de negócio padrão (diagrama de orquestração).

O diagrama de orquestração é o mais conhecido e utilizado pela maioria das ferramentas de modelagem e define o fluxo das atividades do processo de  uma organização. Em contraste, a coreografia  define como processos interagem uns com os outros.

Na coreografia o foco não está na orquestração do trabalho realizado entre os participantes, mas sim na orquestração da troca de informações (mensagens) entre os processos da organização e de outros agentes externos (processos de fornecedores, clientes, etc), demostrando a dinâmica da comunicação entre eles.

As atividades de coreografia são conectadas em um fluxo lógico que representa toda a troca de informações e suas interações que acontece naquele processo de negócio.

Diagrama de Coreografia - foco está na troca de mensagens entre os processos (participantes)

Diagramas de coreografia podem ser vistos também como um contrato de negócio entre os participantes, onde o foco está na troca de informações (mensagens), implica no envio ou recebimento de algum tipo de documento, como é o caso do diagrama acima, onde o contrato de negócio está na forma de uma ordem de compra. Este diagrama representa o Processo de Ordem de Compra, o fluxo demostra a comunicação entre os três participantes (Varejista, Fornecedor e Fornecedor Externo).

Agora veja o mesmo processo representado pelo diagrama de orquestração, evidenciando a orquestração do trabalho realizado entre os participantes e  a sequência das atividades do processo de negócio.

Diagrama de Orquestração - foco na orquestração do trabalho realizado entre os participantes.

Cada participante representa uma piscina (pool) do diagrama de orquestração, raias (lanes) não são representadas no diagrama de coreografia e conectores de fluxos de atividades (message flow) viram atividades na coreografia. Veja este outro exemplo abaixo.

Os participantes representam a piscinas do diagrama de orquestração e os fluxos de atividades viram atividades na coreografia.

Resumindo, podemos dizer que Diagrama de Coreografia:

  • Focaliza a forma como os participantes trocam mensagens, demonstrando a comunicação entre os eles;
  • É a representação dos processos e suas interações;
  • Demonstra o comportamento esperado entre os participantes;
  • É o contrato de negócio de interação entre os participantes.

No artigo seguinte desta série: BPMN 2.0 – Novos Diagramas e Elementos: Coreografia no detalhe, nos aprofundamos um pouco mais no assunto, apresentando os principais elementos BPMN que contribuem para uma modelagem completa. Um descrição detalhada de cada elemento, suas características e como eles são usados em uma coreografia.

Esperamos que tenham gostado desta introdução ao assunto, fiquem a vontade para fazer seus comentários, tirar dúvidas, críticas e sugestões são sempre bem vindas.

Evitando as armadilhas mais comuns em projetos de otimização de processos

Projetos de otimização de processos consistem em realizar o trabalho de ajustar um processo buscando sua melhoria. De acordo com Reint Jan Holterman, autor do white paper “Five Common Pitfalls in Process Optimization, And how to avoid them“, os esforços de otimização devem “reforçar as atividades essenciais da empresa, produzindo melhores produtos e serviços, em um período mais curto de tempo, a um custo mais baixo e com mínimo de impacto ambiental”.

A otimização de processos requer, então, que se possa produzir uma visão de futuro melhor para a execução de um processo olhando para a forma como ele acontece atualmente e seu histórico (lições aprendidas). Envolve atividades de modelagem, análise e redesenho do processo, e apesar de este ciclo já se constituir em uma prática comum em organizações que buscam a melhoria de processos através das práticas de BPM, estima-se que 60 a 70% de todos os processos de otimização não produzam resultados satisfatórios (leia mais aqui: http://esopsfables.wordpress.com/2012/02/29/why-process-improvement-projects-fail/).

Em seu white paper, Holterman explora as cinco falhas mais comuns, responsáveis pelos problemas neste tipo de projeto:

1. Falta de clareza sobre onde começa e onde termina o trabalho

Muitos projetos são iniciados com uma declaração “vamos otimizar o processo tal”, mas não está claro para a equipe por onde começar e até onde se vai.

A falta de clareza sobre o início e fim do projeto leva a uma sequência de armadilhas que resultam em um processo desestruturado e interminável.

Em um projeto de otimização de processos é fundamental compreender a situação atual, o status quo do processo. Quem está envolvido, quais são as entradas e saídas, quais são os limites do escopo deste processo, qual é o tempo que o processo leva atualmente para ser executado, que exceções comumente levam a resultados diferentes e com que frequência acontecem, são questões iniciais que precisam ser feitas antes mesmo de se iniciar alguma ação de otimização.

Conhecer bem a situação atual do processo é tão importante quanto ter claro onde se quer chegar. É preciso que todos os participantes tenham uma visão clara de que melhoria deseja-se atingir com o projeto, se é um ganho de produtividade, de redução de tempo, de redução de custos, e que parâmetros definirão o atingimento do resultado esperado.

2. Usar indicadores (KPIs) inadequados

Os indicadores de performance (KPIs) são as referências que apontam a direção para a linha de chegada.

Indicadores mal definidos levarão a equipe a sair do curso, já que apontam para a direção errada.

Sintomas comuns de um KPIs mal definido:

  • não está relacionado ou é impactado muito levianamente pelo processo de negócio;
  • pode gerar interpretações diferentes;
  • não é impactado apenas pelo processo, mas também por  fatores externos;
  • não está relacionado de alguma forma aos objetivos estratégicos da organização, de forma que mesmo que o processo obtenha alguma otimização, não há garantia que produzirá algum resultado melhorado para a empresa.

3. Falta de apoio do dono do processo e da alta gestão

O Dono do Processo (Processo Owner) é o responsável pelo desempenho do processo de negócio, e espera-se que seja o maior interessado no sucesso de um projeto de otimização, já que afetará diretamente os resultados do produto ou serviço gerado pelas atividades do processo de negócio.

Consequentemente, sem um Dono do Processo que se importe em acompanhar o trabalho de otimização do seu processo (seja por falta de interesse ou de tempo para apoiar o trabalho), não se pode esperar grandes resultados do projeto.

Também o apoio da alta gestão da empresa ao projeto de otimização é essencial para o sucesso da iniciativa, de forma a garantir o envolvimento e a disponibilidade dos recursos necessários às ações de melhoria.

4. Não adotar as mudanças no processo

É da natureza humana apresentar resistência a mudanças – mudar envolve sair da zona de conforto, aquela em que conhecemos e controlamos como as coisas funcionam.

Por este motivo, comunicar bem e garantir que os envolvidos tenham tempo suficiente para compreender e aceitar as mudanças propostas é fundamental para o sucesso da implantação de otimizações no processo. As pessoas precisam entender por quê as mudanças estão sendo feitas para assimilar os benefícios a serem obtidos e efetivamente adotá-las.

5. Displicência na execução

Holterman aponta que em muitas organizações, os projetos de otimização acabam se perdendo em um perpétuo estudo e desgastante levantamento de informações, colecionando e analisando todo tipo de dado que se pode coletar acerca do processo na tentativa de representá-lo da forma mais apurada, às vezes envolvendo até mesmo coleta de informações de outros processos que nem estão diretamente relacionados ao escopo de otimização prevista no projeto. Mas dispender toda energia em gerar estatísticas complexas e painéis de monitoramento não trarão resultados práticos de otimização.
Controlar a execução, garantindo que as otimizações definidas sejam efetivamente executadas como planejadas, são um dos grandes desafios de um projeto de otimização e podem encontrar suporte na implementação do processo em um BPMS (Business Process Management Sustem).  Para mais informações do que esperar da implementação de um processo em um BPMS, leia nosso post “Benefícios da Automação de Processos“.

E veja no artigo “Estudo de Caso: Automatizar o processo (ou não)? Eis a questão!” que avaliações recomendamos antes da decisão por automatizar um processo de negócio.

 

Respondendo dúvidas em BPMN: Desenhar processo na vertical ou horizontal?

A definição sobre a orientação vertical ou horizontal para diagramas na notação BPMN, sempre foi, desde sua criação, um dos aspectos mais questionados pelos analistas e modeladores de processos.

Um de nossos leitores recentemente enviou a seguinte questão:

“Sei que a boa prática é desenhar o processo da esquerda para a direita, correto?
Porém estou me deparando com alguns processos longos que vão dar muito trabalho fazer nesta ordem e acredito que ficará mais fácil visualizar de cima para baixo.
O que vocês acham sobre isso? Há alguma regra? O que vocês orientam?”

Embora não seja obrigatório em BPMN, swimlanes (pools e lanes) são muito utilizadas pois possibilitam a estruturação visual do fluxo, de forma a apoiar a interpretação do mesmo. Através delas, é possível identificar facilmente quem é responsável por executar cada tarefa, quem são os atores do processo e que participantes externos colaboram com o processo.

Em nosso blog, já falamos sobre pools e lanes em postagens como:

A especificação da notação (http://www.omg.org/spec/BPMN/2.0/PDF/) define o uso de swimlanes como não obrigatório, e que estes elementos podem ser usados para organizar o processo visualmente tanto na horizontal quanto na vertical.

Muitas vezes, o analista que realiza a modelagem de processo já utilizou alguma outra notação ou metodologia com elementos semelhantes às pools e lanes de BPMN, como eEPC e fluxogramas. Nestas duas notações, o processo é comumente representado na vertical. Assim, é mais natural para estes profissionais elaborar o processo nesta visão.

Entretanto, a maior parte dos exemplos que encontramos na bibliografia e na web sobre BPMN utiliza a representação na horizontal. Isto se dá porque na cultura ocidental temos o reflexo da leitura da esquerda para a direita. É uma percepção ligada à compreensão da sequência de ações. Assim, a distribuição do processo em uma estrutura de pool e lanes horizontal permite uma melhor distribuição das tarefas nesta visão

Um exemplo bastante simples de processo modelado com swimlanes na horizontal. À medida que se agreguem novas atividades ao processo, há a uma tendência de aumento do diagrama para a esquerda. Em um diagrama com colaboração, outras pools podem ser adicionadas, geralmente abaixo e acima da pool que contém o processo.

O mesmo processo do exemplo acima, representado com swimlanes verticais. A leitura do fluxo navega para a esquerda mas em alguns momentos precisa ir na "contra-mão" da leitura normal. A tendência de aumento é para baixo, mas novas lanes podem ser agregadas aumentando sua largura. Em um diagrama com colaboração, outras pools podem ser agregadas, geralmente nas laterais da pool que contém o processo.

Existe ainda uma abordagem de fluxo limpo do processo, em que pools e lanes não são utilizadas. Essa abordagem é mais usual quando o processo é modelado com visão de orquestração, por exemplo, em que suas atividades são na verdade uma sequência de processos, ou sub-processos. Neste nível de visão sobre o processo de negócio, é mais relevante identificar os processos e como estão relacionados do que quem são os envolvidos nestas tarefas, já que os atores já estarão claros nos diagramas dos respectivos processos.

Apesar da flexibilidade oferecida pela especificação oficial da notação, em geral recomenda-se a documentação do processo com pool e lanes na horizontal, seja pelo aspecto do conforto natural da leitura do fluxo ou mesmo por restrições de ferramentas (alguns produtos amplamente utilizados no mercado para representar diagramas de processos não permitem desenhar pools e lanes verticais, apenas horizontais).

Se o diagrama do processo tende a se tornar grande, a resposta não está na definição vertical ou horizontal do diagrama, mas na capacidade de abstrair tarefas em conjuntos através de subprocessos. Com isso, o modelo talvez acabará ganhando um ou dois níveis a mais, mas ao mesmo tempo temos com isso um diagrama com visão mais objetiva sobre o processo de negócio (veja mais sobre esta abordagem neste artigo, em orquestração de processos).

Independente da escolha, nossa principal recomendação é que esta definição deve fazer parte do guia de estilos de modelagem da organização, ou seja: vertical ou horizontal – o importante é manter um padrão a ser adotado em todos os diagramas de processos  de negócio documentados para a empresa.

 


Aprenda a utilizar todo o potencial da notação BPMN em exercícios práticos e avançados com nossos instrutores!
Confira já a agenda de cursos da iProcess Education e inscreva-se:
www.iprocesseducation.com.br

Vale a Pena Mapear Todos os Processos da Organização?

Um dos temas mais polêmicos quando falamos em projetos de modelagem de processos são os projetos cujo objetivo é mapear todos os processos da organização. Projetos desta natureza exigem um envolvimento global de toda a organização, pois dada a natureza dos processos de negócio, toda as áreas e papéis existentes terão que contribuir para o sucesso deste trabalho.

As empresas possuem dentro da sua operação algumas centenas de processos de negócio relevantes. O esforço para mapear tantos processos é enorme, exigindo via de regra algumas milhares de horas de trabalho.

Este esforço não se deve tanto à complexidade técnica do trabalho que tem a ser realizado, mas sim ao volume de processos que devem ser tratados. Como consequência, o projeto acaba envolvendo um número elevado de analistas de processos, muitas vezes até um número maior do que a empresa possui nos seus quadros, fazendo assim da terceirização um meio para viabilizar o trabalho.

Apesar deste número elevado de horas, este tipo de trabalho traz como resultado uma descrição em alto nível destes processos de negócio. Isso porque, se estes consultores precisassem detalhar a nível de procedimento em cada um dos processos, o esforço cresceria exponencialmente, tornando o projeto impraticável. Desta forma, o resultado de tamanho esforço é uma documentação ampla e organizada que mostra a estrutura e hierarquia de cada processo, mas sem entrar em detalhes sobre como são executados os procedimentos de suas atividades.

Com tantas pessoas envolvidas e tanto trabalho a cumprir, projetos desta natureza acabam sendo projetos caros. Não só pelas milhares de horas dos analistas de processos, mas também (e principalmente) pelo tempo demandado das áreas de negócio e por toda mobilização que acaba se fazendo necessária.

Tal mobilização acaba gerando enorme expectativa dentro da empresa: todos esperam que, ao final deste trabalho, a empresa terá um repositório com todos os seus processos e suas respectivas atividades. E é justamente na viabilidade em atender estas expectativas que está o maior desafio.

Processos de negócio são elementos vivos dentro das organizações: diariamente, surgem novas necessidades ou requisitos que exigem a sua adaptação. Quando os processos são modelados ou redesenhados de forma gradativa e planejada, a implantação de uma política de governança que garanta a atualização desta base torna-se natural. Os envolvidos nestes processos possivelmente participaram de toda uma estratégia de mobilização e discussão sobre os processos, sendo assim mais fácil obter o seu comprometimento. Contudo, quando todos os processos da organização são mapeados em poucos meses numa estratégia de documentação em série, a manutenção desta governança e a criação deste comprometimento torna-se muito mais difícil.

Desta forma, a pergunta que fica é: “Como fazer para garantir que, ao final do projeto, toda e qualquer MUDANÇA em QUALQUER PROCESSO será corretamente identificada, analisada e documentada no repositório de processos?

A viabilidade da organização em oferecer esta garantia acaba se tornando o ponto mais crítico de sucesso, uma vez que:

  1. Se a empresa não conseguir manter a base de processos atualizada, em pouco tempo existirão inúmeros processos desatualizados;
  2. Se houverem processos desatualizados, as áreas de negócio começarão a perceber que o repositório de processos não serve como base de consulta;
  3. Se o repositório não servir como repositório de consultas, ele deixará de ser utilizado.
  4. Se ele deixar de ser utilizado, toda a iniciativa cairá em descrédito.

É claro que projetos desta natureza podem trazer inúmeros benefícios, e que as empresas terminando estes projetos se conhecem muito melhor do que quando começaram. Contudo, é importante que as organizações tenham em mente que existe um limite de detalhamento que é passível de manutenção, e que elas não devem investir na criação de uma documentação que elas não conseguirão manter.

 


Conheça mais sobre o Ciclo de Vida de Processos e Projetos de BPM e desenvolva seus conhecimentos nas atividades de mapeamento, análise e redesenho de processos com nossos instrutores!
Confira já a agenda de cursos da iProcess Education e inscreva-se:
www.iprocesseducation.com.br