Roadshow Além do RPA! no BPMeetup em Salvador

O Roadshow “Além do RPA!” está sendo um sucesso e já passou por diversos estados do Brasil. E agora, em parceria com a ABPMP – Regional Bahia, o Roadshow estará no evento BPMeetup em Salvador/BA.

Além do RPA! Atingindo a Eficiência Exponencial com uso de Trabalhadores Digitais Cognitivos

A discussão sobre RPA (Robotic Process Automation) se tornou obrigatória em grande parte das áreas de TI e de negócio das organizações nos últimos meses. Com uma capacidade enorme de transformar tarefas manuais custosas e ineficientes em tarefas automáticas de alta velocidade com escalabilidade, essas plataformas de RPA estão empurrando uma nova onda de transformação em processos nas empresas para modelos mais digitais.

Mas será que a automação de tarefas repetitivas que utilizam teclado e mouse são limite da capacidade do trabalhador digital?

Que outras capacidades podemos agregar que ele chegue mais longe? E quais os impactos no médio prazo de substituirmos milhares de horas realizadas por pessoas por tarefas executadas por mecanismos robóticos? O uso da cognição pode ser potencializado por mecanismos de automação?

Para responder estas e outras perguntas, neste Roadshow, apresentamos através do programa abaixo, os desafios da adoção de uma força de trabalho digital que expandirá o impacto de execução, com capacidades de automação combinadas:

  • Introdução ao Trabalhador Digital e o seu impacto nas organizações;
  • A busca pelos processos automatizáveis, mais impactantes;
  • Orquestração de processos com atores humanos e robóticos, combinados com BPMS;
  • Captura Cognitiva como mecanismo para a leitura de informações;
  • Tomada de decisão cognitiva com o uso de Inteligência Artificial;
  • Cooperação entre robôs: RPA como agente de ação dos chatbots;
  • Desafios da robotização em larga escala;
  • Processos de governança para sustentar a operação com um CoE Bot e CoE Automation.

O evento é gratuito e as vagas são limitadas. Confira a programação:


Data: 30/10
Horário: 19h
Cidade: Salvador/BA (Unifacs Campus Costa Azul – Auditório)

INSCRIÇÕES ENCERRADAS!


 

 

 

O Potencial do uso de RPA & Analytics aplicados juntos

 

Com grande visibilidade no mercado, as tecnologias de RPA (Robotic Process Automation) e Analytics tem revolucionado a forma como as empresas executam e analisam os seus processos.

Pilares de iniciativas de transformação digital, o uso conjunto destas tecnologias permite que a agilidade da execução seja sustentado pela análise precisa da operação e seus resultados, permitindo que a organização atue com rapidez na melhoria dos seus processos.

Neste Meetup, Oracle & iProcess vem apresentar o potencial de aplicação destas tecnologias em conjunto na transformação da forma como a empresa entrega valor ao seu cliente.

AGENDA:

  • Extrapolando as Capacidades de um trabalhador Digital.
  • O uso de Analytics aplicado ao  mundo RPA.
  • Case: Vivo – LATAM

O evento é gratuito e as vagas são limitadas.

  • Data: 24/10
  • Horário: 19h às 21h
  • Cidade: São Paulo / SP
  • Local: Oracle Morumbi – Auditório (Rua Dr. José Áureo Bustamante, 455)

 

 

[Evento] Além do RPA! Atingindo a Eficiência Exponencial com uso de Trabalhadores Digitais Cognitivos

Além do RPA! Atingindo a Eficiência Exponencial com uso de Trabalhadores Digitais Cognitivos

A discussão sobre RPA (Robotic Process Automation) se tornou obrigatória em grande parte das áreas de TI e de negócio das organizações nos últimos meses. Com uma capacidade enorme de transformar tarefas manuais custosas e ineficientes em tarefas automáticas de alta velocidade com escalabilidade, essas plataformas de RPA estão empurrando uma nova onda de transformação em processos nas empresas para modelos mais digitais.

Mas será que a automação de tarefas repetitivas que utilizam teclado e mouse são limite da capacidade do trabalhador digital?

Que outras capacidades podemos agregar que ele chegue mais longe? E quais os impactos no médio prazo de substituirmos milhares de horas realizadas por pessoas por tarefas executadas por mecanismos robóticos? O uso da cognição pode ser potencializado por mecanismos de automação?

Para responder estas e outras perguntas, neste Roadshow, percorreremos diversos estados da região sul e sudeste apresentando através do programa abaixo, os desafios da adoção de uma força de trabalho digital que expandirá o impacto de execução, com capacidades de automação combinadas:

  • Introdução ao Trabalhador Digital e o seu impacto nas organizações;
  • A busca pelos processos automatizáveis, mais impactantes;
  • Orquestração de processos com atores humanos e robóticos, combinados com BPMS;
  • Captura Cognitiva como mecanismo para a leitura de informações;
  • Tomada de decisão cognitiva com o uso de Inteligência Artificial;
  • Cooperação entre robôs: RPA como agente de ação dos chatbots;
  • Desafios da robotização em larga escala;
  • Processos de governança para sustentar a operação com um CoE Bot e CoE Automation.

O evento é gratuito e as vagas são limitadas. Confira a programação de cada cidade:


Data: 02/10 (Encerrado)
Horário: 9h
Cidade: Curitiba/PR (Jd. Botânico)


Data: 03/10 (Encerrado)
Horário: Serão duas sessões, às 09h e outra às 14h
Cidade: São Paulo/SP (Vila Mariana)


Data: 16/10 (Encerrado)
Horário: 9h
Cidade: Porto Alegre/RS (Petrópolis)


Data: 30/10
Horário: 19h
Cidade: Salvador/BA
No evento BPMeetup, em parceria com a ABPMP-Regional Bahia.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS!


 

 

 

Inscreva-se já e venha discutir com o time da iProcess sobre as experiências e boas práticas da adoção de uma força de trabalho digital!

Nova agenda de cursos RPA 2019

Nós da iProcess estamos muito empolgados com a tecnologia RPA (Robotic Process Automation) e se você já nos acompanha aqui no Blog ou em nossas redes sociais ( Facebook, LinkedIn, Twitter, YouTube) sabe que compartilhamos nossa experiência com RPA de diversas formas.

Isto acontece pois temos um portfólio completo de serviços para cobrir toda a sua jornada, da descoberta de processos à automação e somos representantes das duas principais plataformas de automação do mercado: UiPath e a Automation Anywhere.

 

 

 

 

Então hoje vamos compartilhar nossa nova agenda de cursos de RPA que vai rodar novamente o Brasil com turmas em algumas das principais cidades:

  • De 23/10 a 24/10  |  Manhã e Tarde  |  São Paulo/SP
  • De 12/11 a 13/11  |  Manhã e Tarde  |  Porto Alegre/RS
  • De 20/11 a 21/11  |  Manhã e Tarde  |  Curitiba/PR
  • De 27/11 a 28/11  |  Manhã e Tarde  |  Salvador/BA
  • De 04/12 a 05/12  |  Manhã e Tarde  |  Belo Horizonte/MG
  • De 18/12 a 19/12  |  Manhã e Tarde  |  Brasília/DF

Conheça o programa completo do curso acessando nosso site da iProcess Education no link da imagem abaixo:

Como escolher o primeiro processo de robotização?

E a nossa série de vídeos no canal do YouTube da iProcess continua!

E para você não perder nenhuma novidade, acesse o canal YouTube iProcess, inscreva-se e ative as notificações.

No vídeo anterior, realizamos o webinar: O que é um CoE RPA e porque muito em breve você vai precisar de um. Nele mostramos a necessidade de termos definições claras de governança e quais os principais processos e padrões que a sua empresa precisa estabelecer para viabilizar o crescimento das suas iniciativas de robotização.

Mas caso você esteja iniciando nesta jornada de robotização em sua empresa, a primeira pergunta que você deve fazer é:

Qual processo eu devo escolher para robotizar?

Neste vídeo vamos te ajudar a escolher os processos ideias para liderarem as iniciativas das primeiras robotizações.

Gostou deste vídeo?

Esta e outras discussões sobre a adoção da força de trabalho digital são parte do curso RPA do Planejamento à Gestão: Como implantar uma força de trabalho digital, da iProcess Education.

Confira as próximas turmas e inscreva-se!

E não esqueça de se cadastrar no mailing do blog para receber todas as novidade.

Modelos de Gestão do CoE RPA

Conforme exploramos em um webinar recente sobre CoE RPA, o investimento em robotização comumente inicia com uma experimentação, onde a organização desenvolve e experimenta o primeiro robô.

Como os resultados com ganhos de tempo e liberação de força de trabalho humana em atividades repetitivas são imediatamente percebidas e mensuráveis, o primeiro robô costuma ser a porta de entrada para o crescimento da iniciativa.

Em pouco tempo a iniciativa de robotização tende a se expandir para outras atividades e áreas. Nestes projetos iniciais, começamos a identificar características que devem se transformar em políticas e padrões internos, como os métodos de avaliar se uma tarefa é realmente robotizável, que tecnologias serão usadas, quanto trabalho leva para fazer, como formalizar o entendimento do trabalho do robô, as ações de monitoramento e o gerenciamento de riscos operacionais.

Assim, nos primeiros projetos, entendemos como a iniciativa se encaixa dentro da cultura e visão de aplicação desta tecnologia na organização e uma estrutura mínima de governança começa a ser estabelecida.

Este passo é bem importante para que a equipe envolvida comece a estruturar um centro de governança (ou Centro de Excelência – CoE) antes que o RPA se popularize demais e a organização perca controle sobre seus robôs, expondo a atividade do negócio a sérios riscos operacionais.

O CoE (Center of Excellence) é a estrutura organizacional responsável por realizar a gestão e governança da adoção do trabalhador digital dentro da organização, definindo e garantindo a execução dos processos de:

  • Descobrir e priorizar novas demandas;
  • Implementar tarefas robotizadas;
  • Monitorar a execução do trabalho robotizado;
  • Sustentar a operação robótica.

Se o modelo de gestão do CoE RPA será uma estrutura centralizada ou decentralizada na organização, depende de diversos fatores. Os principais são: a maturidade da organização com tecnologias de robotização e de transformação digital, a cultura organizacional, a visão de futuro e os planos de sustentação. Em alguns casos, a distribuição física de matriz/unidades também pode influenciar nesta decisão.

Vamos discutir três modelos, seus benefícios e pontos de atenção.

CoE RPA Distribuído

O modelo de CoE distribuído/descentralizado tem seus recursos distribuídos nas unidades de negócio da organização.

Os processos de descobrir e priorizar novas demandas, implementar tarefas robotizadas, monitorar e sustentar são executadas pelas unidades de negócios separadamente.

Prós:

  • Aumenta a capacidade de executar projetos de automação, já que cada área poderá estabelecer suas prioridades e avançar com seus projetos.
  • Possibilita às equipes criar soluções personalizadas com a proximidade com a operação do negócio.
  • O gerenciamento dos custos é simplificado, já que custos e recursos robóticos são específicos de cada unidade.

Cons:

  • Requer capacitar mais pessoas para se atuar nos diferentes papeis dos projetos de robotização.
  • O conhecimento e experiência obtidos pelos projetos de cada equipe acabam ficando muito concentrados.
  • Requer um esforço maior na garantia da aplicação dos padrões organizacionais
  • Tende a obter níveis de maturidade diferentes entre os times.
  • Há uma menor otimização de recursos robóticos, uma vez que um time pode ter tarefas demais a automatizar mas precisa restringir aos robôs disponíveis para seu time enquanto outra área não evoluiu muito na robotização e tem recursos subutilizados.

CoE RPA Centralizado

O modelo de CoE centralizado reúne todos os recursos para conduzir a automação RPA para a organização em um time integrado.

Os processos de descobrir e priorizar novas demandas, implementar tarefas robotizadas, monitorar e sustentar são executadas por uma equipe dedicada e especializada.

Prós:

  • A centralização de expertise permite que o time aprenda e desenvolva novas habilidades a partir das experiências dos diversos projetos.
  • Potencializa o ganho de escalabilidade na utilização da força de trabalho robótica.
  • Otimiza de recursos técnicos nos diferentes projetos de robotização.
  • Otimiza de recursos robóticos, possibilitando que um robô possa ter sua agenda de trabalho ocupada com atividades de diferentes unidades de negócio.
  • Possibilita maior gestão e padronização dos processos.
  • Possibilita melhor garantia da aplicação dos processos.
  • Uso de plataforma compartilhada.

Cons:

  • A expansão da iniciativa de processos pode ser mais lenta uma vez que o time está concentrado em um conjunto limitado de projetos de automação.
  • As unidades precisam concorrer pela priorização de seus projetos (como comumente acontece hoje com projetos de TI).
  • Os projetos tendem a apresentar maior esforço para alocação de recursos de negócio.

CoE RPA Híbrido

No espectro entre a gestão da força de trabalho digital centralizada ou distribuída, podem haver tons intermediários que combinam aspectos dos dois modelos  para melhor atender às necessidades e características da organização.

Estas definições podem influenciar a definição de papéis, processos e recursos.

Alguns exemplos:

  • COE Centralizado reúne periodicamente aprendizados para evoluir processos
    mas ciclo de vida da robotização é aplicada de forma distribuída nas unidades de negócio.
  • Processo de descoberta e análise da demanda é realizado pelas unidades, com implementação pelo CoE centralizado.
  • Processo de implementação pelo CoE centralizado mas monitoramento e
    sustentação providos pela unidade de negócio.

A decisão sobre o modelo de gestão, o estabelecimento de processos, papéis e recursos é uma importante reflexão que precisa estar no roadmap da organização que inicia sua jornada na adoção da força de trabalho digital e precisa ser iniciada tão logo as primeiras experiências de robotização comecem a acontecer.

Gostou deste artigo?

Esta e outras discussões sobre a adoção da força de trabalho digital são parte do curso RPA do Planejamento à Gestão: Como implantar uma força de trabalho digital, da iProcess Education. Confira as próximas turmas e inscreva-se!