Convite: Lançamento do curso Nacional sobre RPA – Do Planejamento à Gestão: Como implantar uma força de trabalho digital

Devido a grande procura após o sucesso da nossa primeira turma de 2019 sobre RPA (Robotic Process Automation) – Do Planejamento à Gestão: Como implantar uma força de trabalho digital realizado em São Paulo, o grande número de downloads do nosso e-book sobre RPAdo grande interesse no Webinar sobre BPM + RPA, a iProcess atende a pedidos e lança esse treinamento a nível nacional.

As empresas estão buscando cada vez mais respostas para os principais desafios do uso de robôs em seus processos de negócio

E participando deste curso você irá aprender:

  • O que são trabalhadores digitais, como funcionam seus componentes e como se diferem das soluções de robotização disponíveis no mercado.
  • Como Identificar processos na organização candidatos à robotização e avaliar quais trarão os melhores resultados na implantação de uma força de trabalho digital.
  • Como avaliar o Retorno de Investimento (ROI) da robotização e os processos candidatos à robotização.
  • Como desenvolver, planejar e viabilizar um roadmap de robotização dos processos da organização.
  • Quais as etapas de um projeto de automação e seus principais desafios.
  • Como modelar e especificar os processos para obter o melhor desempenho possível do robô.
  • Como utilizar as capacidades complementares ao RPA para expandir o potencial do trabalhador.
  • Qual a relação dos Processos de Robotização com os Processos de Negócio e como obter o melhores resultados unindo a visão de BPM com a visão de RPA.
  • Porque a governança é essenciais a medida que crescem as iniciativas de RPA.
  • Quais os principais processos e padrões necessários para a Implantação de um Centro de Excelência de RPA (CoE RPA).

Entre os meses de abril e maio estaremos em:

  • 15/04 a 16/04  |  Manhã e Tarde  |  Porto Alegre / RS
  • 24/04 a 25/04  |  Manhã e Tarde  |  São Paulo / SP
  • 08/05 a 09/05  |  Manhã e Tarde  |  Rio de Janeiro / RJ
  • 22/05 a 23/05  |  Manhã e Tarde  |  Brasília / DF

As vagas são limitadas, então garanta logo a sua!

Você também receberá:

  • Rico material referencial para evolução dos seus estudos em RPA.
  • Manual de treinamento.
  • Certificado de Participação.

Conheça os nossos instrutores:

Eduardo Britto –
Diretor de Consultoria da iProcess, atua há mais de 20 anos nas áreas de BPM, Workflow e ECM/GED. Bacharel e Mestre em Ciência da Computação pela UFRGS.

Kelly Sganderla –
Consultora de Processos de negócio há 16 anos na iProcess, atua profissionalmente em consultorias na gestão de processos, implantando processos de negócio nas áreas de varejo, crédito financeiro, logística, gestão de documentos entre outros.

Porque a iProcess é a melhor escolha:

  • A iProcess Education é a unidade de formação em BPM da iProcess, uma consultoria de processos referência no Brasil com mais de 18 anos de experiência em projetos de automatização de processos.
  • Este curso traz para o tema uma visão holística que une a eficácia da transformação dos processos de negócio (BPM) com a eficiência alcançada através do uso de trabalhadores digitais (RPA).
  • Nossos instrutores atuam no dia-a-dia de projetos, o que possibilita uma rica experiência de troca de ideias e apresentação de casos reais relacionados ao conteúdo apresentado.
  • A iProcess é uma das consultorias de processos mais premiadas no Brasil, com duas medalhas de ouro e uma de prata na principal premiação internacional de casos de excelência em aplicação de BPM (WARIA Workfow/BPM Awards).

Lembre-se que se a sua empresa hoje não está pensando na adoção desta tecnologia, ela possivelmente esteja atrasada em relação aos seus concorrentes. E que, se você não está avaliando a adoção de um trabalhador digital agora, logo em seguida você precisará avaliar.

Então não perca essa oportunidade e garanta logo sua vaga!

Webinar: BPM + RPA: Como unir a eficácia da Transformação com a eficiência da Robotização

Neste webinar, apresentado por nosso diretor Eduardo Britto, falamos sobre o tema BPM + RPA: Como unir a eficácia da Transformação com a eficiência da Robotização – demostrando os principais problemas e desafios de adotarmos soluções de robotização (RPA) sem ter uma visão de Processo (BPM) e como podemos traçar uma estratégia de sucesso unindo iniciativas de processos e robotização na busca pela excelência das organizações.

Confira aqui o vídeo gravado e as respostas para as perguntas enviadas durante o evento!

Slides da apresentação estão disponíveis em nosso SlideShare.

Confira abaixo as respostas para perguntas enviadas por nossos participantes durante o evento:

Pergunta: Qual plataforma de RPA a iProcess utiliza?

A iProcess atualmente é parceira da Automation Anywhere e da uiPath, as duas plataformas que há dois anos tem sido lideres no quadrante mágico da Forrester sobre RPA.

Pergunta: ​Qual a ferramenta para definir os processos, factíveis de robotização?

A iProcess possui uma metodologia de diagnóstico de processos candidatos à robotização, que aplicamos em trabalhos de consultoria ao longo de uma a duas semanas de avaliação em média. O passo a passo desta metodologia e como fazemos isso é um dos tópicos do nosso curso “RPA: do Planejamento à Gestão – Como implantar uma força de trabalho digital” que terá 4 turmas nas principais capitais agora em abril.

Pergunta: Existem algumas sugestões suas para empresas que estão implantando BPMS e Robô, porém, sofrem internamente com desconfiança e até falta de patrocínio das áreas e pessoas?

Tanto para as iniciativas de BPM como para as iniciativas de RPA, o patrocínio é um dos aspectos mais importantes e fundamentais para o sucesso destas iniciativas. É muito difícil implantar com sucesso qualquer projeto desta natureza sem patrocínio, e neste caso, a melhor recomendação é buscar um bom piloto na qual haja este patrocínio e aceitação e fazer, deste caso de sucesso, o meio para alavancar novas oportunidades.

Pergunta: Quando utilizamos macros em excel podemos falar que é uma forma de RPA e como o mercado vê esta prática em sua opinião?

Podemos dizer que a macro Excel é uma forma de automação, mas não de RPA. O RPA traz consigo o conceito de plataforma de robotização, onde existe uma linguagem própria de robotização, existem ambientes distintos de desenvolvimento e produção, existe um ambiente controlado onde é possível controlar o que está sendo executado ou já foi executado, os scripts dos robôs possuem um controle de versão e o acesso a estes é determinado por usuários com direito de acesso a eles.

Pergunta: RPA é sinônimo de programação, por exemplo, javascript?

Não, como mencionei na resposta acima, RPA é uma plataforma de robotização onde uma série de conceitos e preocupações de governança estão inseridos. Maiores informações podem ser obtidas em nosso Blog, no nosso E-book e neste webinar onde apresentamos os conceitos de RPA.

Pergunta: Eu trabalho com fluxo BPMN e RPA e gostaria de saber se o fluxo deve ser básico ou se pode ser mais elaborado, devido eu já estar colocando todas as informações na especificação funcional?

Não existe um padrão específico para a documentação de fluxos de RPA. Alguns fazem esta documentação diretamente no BPMN e nos atributos descritivos da ferramenta, outros preferem gravar vídeos e outros ainda geram extensas documentações mostrando o passo a passo. O importante é que a documentação seja clara o suficiente para que o leitor tenha condições de entender as regras de funcionamento do processo, das aplicações envolvidas e das exceções tratadas.

Pergunta: ​Essa simulação que apresentou sobre cadastro da oportunidade, quanto tempo em média leva para montar um fluxo completo desse BPMS+RPA?

O desenvolvimento de um robô simples, considerando somente a sua programação numa plataforma de RPA, é muito rápida, podendo levar no exemplo que apresentamos algo em torno de 1 a 2 dias. O que temos que ter em mente, contudo, é que um projeto completo de robotização não leva em consideração somente a implementação do robô, mas também a busca dos acessos às aplicações e aos dados que serão utilizados, a análise e modelagem, especificação, criação de roteiros de testes, homologação, produção, estabilização, entre outras atividades. As etapas envolvidas em um projeto de automação são discutidas no nosso curso “RPA: do Planejamento à Gestão – Como implantar uma força de trabalho digital” que terá 4 turmas nas principais capitais agora em abril.

Não quer perder nenhum post novo do Blog? Inscreva-se agora!

Webinar: Como as Capacidades Robóticas irão impactar o seu trabalho nos próximos anos

O tema da Robotização tem gerado um interesse intenso das organizações nos últimos meses. Com a promessa de ser uma solução efetiva na busca pela eficiência, o uso da capacidades robóticas também podem ser uma iniciativa inteligente e rápida para a implementação de projetos de transformação digital.

Segundo um  estudo da McKinsey, cerca de 30% das tarefas executadas hoje por pessoas podem ser reproduzidas por robôs! O elevado número de tarefas repetitivas com alto potencial de automação traz para as organizações uma oportunidade única de implementar iniciativas com elevado retorno de investimento e aumento de eficiência em suas operações.

Para explorar estas e outras questões e conhecer as tecnologias e práticas que já existem na adoção do trabalhador digital, confira nosso primeiro webinar sobre Robotização!

Se você quer saber mais sobre o assunto, não deixe de baixar o nosso e-book sobre RPA e conhecer o nosso novo treinamento “Do Planejamento à Implantação: Como Implantar uma Força de Trabalho Digital”.

E, em breve, inscreva-se no nosso Roadshow sobre Capacidades Robóticas que acontecerá em diversas cidades da região sul e sudeste.

 

Webinar: BPM, BPMN, BPMS e RPA – O Guia Definitivo

Neste webinar, apresentado por nossa consultora Kelly Sganderla, falamos sobre os temas BPM, BPMN, BPMS e RPA – estas siglas que tem a companhado a jornada de quem atua em projetos de gestão de processos e transformação digital do negócio.

Confira aqui o video gravado e as respostas para as perguntas enviadas durante o evento!

Slides da apresentação estão disponíveis no slideshare:
https://www.slideshare.net/iProcessBPMeSOA/webinar-bpm-bpmn-bpms-e-rpa-o-guia-definitivo-93104242

Confira abaixo as respostas para perguntas enviadas por nossos participantes durante o evento:

Pergunta: Você tocou em uma questão importantíssima que são os indicadores ponta a ponta. Eu sempre tenho muita dificuldade de definir indicadores que sejam realmente amplos e não representem exclusivamente o desempenho de áreas específicas. Você pode dar exemplos de indicadores ponta a ponta e dar dicas práticas de como defini-los, e como evitar os indicadores apenas departamentais?
Esta pergunta foi respondida no vídeo, mas vale a pena comparar, nos slides do link acima, as diferenças entre criar indicadores de desempenho das áreas (slide 7) e de desempenho do processo (slide 8).

Pergunta: Pode-se dizer então que a BPMN complementa o BPM?
Eu diria que BPMN está a serviço de BPM. Ela é uma notação para apoiar a prática de BPM em diversas etapas do ciclo de melhoria de processos. Não é a única, mas é uma das mais fáceis e completas, e por isso vem se tornando um padrão de fato no mercado.
Como comentou um outro participante em resposta a esta pergunta, durante o evento: “BPMN é uma notação, assim como a EPC. É uma linguagem lógica para você modelar um processo.”

Pergunta: Quais ferramentas são mais utilizadas para se desenvolver os diagramas do BPMN?
Existem diversas ferramentas no mercado, algumas com mais, outras com menos recursos. Confira nosso artigo 7 Ferramentas Gratuitas para Criar Diagramas de Processos com BPMN para conhecer algumas das ferramentas gratuítas que já testamos, mas tenha em mente que o objetivo da maioria delas é a simples criação de diagramas.

Há quem defenda que, no mapeamento de Processos, não seja realizado o chamado AS IS, declarando ter outros métodos que são mais rápidos e efetivos. Eu entendo muito necessário o AS IS. Como vocês entendem sobre isso?
Esta pergunta também foi comentada durante o evento. A modelagem AS IS é bastante importante em projetos de redesenho. Mas a simples modelagem do AS IS, por mera formalização, sem que haja um propósito maior para o seu uso, é realmente uma prática que tem caído em desuso, já que o processo tem vida e continua a evoluir, independente do desenho no papel.

Pergunta: Na análise do AS-IS alguns clientes costumam alterar o processo, dificultando a entrega do TO-BE. Como você trata essa situação? (Acredito que você já passou por isso).
Outro comentário na mesma linha: tb tenho muita dificuldade, mas nao tem muito como fugir disso, pois quando estamos desenhando o AS-IS, colocando no papel é que o cliente (no meu caso interno, pois nao sou consultor) lembra de atividades e tarefas que precisam fazer parte do processo e não tem como desconsiderar.
De fato, o negócio das organizações é dinâmico e em muitos casos não pode parar só por que há um mapeamento de processos em andamento. Mudanças legais ou emergenciais por exemplo, precisam ser priorizadas e muitas vezes passa na frente do projeto. É importante avaliar e discutir com o cliente, entretanto, se a mudança é simples e fácil de aplicar, ou se pode impactar o processo mais adiante. No segundo caso, é importante argumentar com ele que a mudança não é tão simples, e que para a segurança do negócio pode ser interessante uma análise para avaliar os impactos mais à frente e planejar melhor como implantá-la.

Pergunta: Qual a infraestrutura mínima necessária para uma organização gerenciar seus negócios usando a metodologia BPM com todos os recursos apresentados? Exemplo, uma pequena empresa em fase de estruturação com recursos limitados, consegue efetivamente desenvolver o método?
É um desafio grande, mas pode ser factível. Normalmente as organizações só percebem a importância de adotar o gerenciamento de e por processos quando já estão com processos muito complexos, robustos, com problemas demais, que precisam ser organizados, padronizados e gerenciados. Em uma organização pequena, os problemas dos processos geralmente são resolvidos mais facilmente e na hora em que acontecem, já que tem menos pessoas (e menos camadas hierárquicas) envolvidas. Para que ela perceba valor em adotar a disciplina de gerenciamento de processos, precisa que os líderes da empresa compreendam os ganhos que terão no decorrer do crescimento da empresa (com processos organizados e gerenciados o crescimento acontece de forma mais estruturada) e desde o princípio tratem o tema com relevância e prioridade entre as demais atividades do negócio.

Pergunta: a tarefa feito pelo robô na automação pode ser comutada entre um usuário e o robô, dependendo da necessidade?
Sim! E o robô pode eventualmente falhar na sua execução (digamos que o site que ele precisava acessar não estava no ar e a tarefa ficou pela metade). Então é possível que partes do trabalho sejam feitas pelo robô e outras por uma pessoa, ou eventualmente a tarefa seja realizada por um ou por outro, devido a alguma regra da organização. É por isso que chamamos os robôs em RPA de “trabalhadores automáticos”.

Pergunta: Você conhece ou recomenda outras ferramentas de RPA? Elas geralmente são free ou pagas?
Atualmente a iProcess trabalha com três ferramentas que estão entre as TOP internacionais e também uma importante ferramenta brasileira.
Conheça estas soluções – saiba mais em www.iprocess.com.br/rpa/

Pergunta: O RPA não faz o que o BPMS faz? Um exclui o outro? Ou ainda ambos podem trabalhar integrado?
Não! As ferramentas podem ser complementares. O BPMS tem como propósito orquestrar processos de negócio, comunicando e envolvendo diferentes participantes para que um processo completo possa ser executado.
Já o RPA serve para processamento de tarefas repetitivas, podendo substituir, em alguns casos, o trabalho de uma pessoa humana em um processo de negócio.
Confira no video como pode acontecer a interação entre BPMS e RPA.

Pergunta: Se a atividade é de usuário, mas está sendo executada por um robô, o símbolo BPMN utilizado continua o mesmo??
Sim, o símbolo BPMN usado é o mesmo, porque a interface é a mesma de um usuário. Assim, mesmo que o robô venha a ser desativado, uma pessoa poderá realizar o trabalho no seu lugar. A substituição é apenas de um trabalhador humano por um trabalhador automático.

Pergunta: Qual a diferenca de Indicador de Controle e Indicador de Performance?
Complementarmente, outro comentário nesta linha: Indicadores deveriam ser abordado em uma outra video aula, ma empresa onde trabalho existe uma grande dificuldade de entender a definição dos indicadores.
Este tema tem sido bastante apontado nos nossos cursos. Vamos planejar uma série direcionada para indicadores! Aguardem, em breve teremos notícias sobre isto :)
Enquanto isso, confira este artigo: Medidas, Métricas e Indicadores na Gestão por Processos

Pergunta: Você poderia detalhar um modelo de monitoramento de RPA?
O que precisamos monitorar nos processos automatizados com RPA/robotizados?
O monitoramento de RPA envolve outros componentes de gerenciamento, como uma sala de controle do desempenho, alocação e agendamento de robôs. Mas isto é um tema mais amplo, em breve voltaremos a aprofundar este tema!

 

5 Razões para adotar Robotic Process Automation (RPA)

No artigo anterior, falamos sobre Robotic Process Automation (RPA) – como ele representa o próximo salto de agilidade em processos e os principais motivos para adotar RPA.

Neste artigo, vamos explorar cada uma dessas razões e debater como elas se convertem em ganhos reais e retorno sobre o investimento na aplicação desta tecnologia.

1. Mais rápido e barato de implementar

Uma das atividades mais comuns no dia a dia das organizações é transferir ou validar informações entre diferentes sistemas que não estão integrados.
Por exemplo:
  • Coletar os dados recebidos de um formulário de contato no site e adicioná-los ao CRM da empresa, para que então se inicie o processo de relacionamento com o cliente.
  • Reunir informações de vendas e encaminhar para o sistema financeiro, para a emissão da nota fiscal de serviço.
  • Digitar informações de cobrança para gerar boletos, copiando as informações do sistema financeiro.
  • Validar uma informação cadastral em um serviço externo, como verificar de placas de veículos no DETRAN, conferir um CEP no sistema dos Correios ou verificar no PROCON de cada estado – de acordo com o código DDD do telefone do cliente – se ele bloqueou seu número para receber chamadas de telemarketing.

A solução técnica seria implementar um serviço de integração, que envolve: definir as regras de negócio, identificar as tabelas e os campos de origem e destino de cada sistema, implementar eventuais transformações/formatações de dados, desenvolver o código do serviço e realizar os testes. 

Entretanto, é comum este tipo de projeto se apresentar bastante complexo, demorado e de custo elevado, e em alguns casos é de difícil viabilidade tecnológica.

Enquanto a solução técnica ideal não vem, estas tarefas são feitas manualmente e muitas vezes resumem-se em copiar-e-colar informações da tela de um sistema para a tela de outra aplicação.

Com RPA, o robô é treinado para realizar o trabalho repetitivo exatamente como uma pessoa faria, usando as mesmas telas que a pessoa usaria. A programação do robô é mais simples e se baseia em mapear os passos e definir as regras que ele deve seguir.

 

Um robô RPA tem a capacidade de executar ações de controle de teclado, mouse e memória em telas de aplicações legadas, sistema operacional, sistemas na web, planilhas e documentos eletrônicos, e-mails, e todo tipo de interface estruturada, como se fosse um usuário. Além disso, a programação de seu script é muito mais simples que o desenvolvimento tradicional de sistemas.

 

 

 

2. Redução do tempo de ciclo das atividades

Uma tarefa automatizada com um robô pode realizar tarefas de 3 a 5 vezes mais rápido que uma pessoa. Com isso também pode produzir mais resultados no mesmo tempo de trabalho.

Por exemplo: considere um uma atividade rotineira em que uma assistente comercial recebe por e-mail os dados recebidos de um formulário de contato no site da empresa e precisa cadastrar o contato como lead comercial nos sistemas da empresa. Ela realiza as seguintes ações:

  1. Acessa o CRM da empresa e verifica se o contato já está cadastrado. Se não estiver, cadastra manualmente, copiando os dados do e-mail e colando nos respectivos campos de cadastro CRM da empresa.
  2. De acordo com a localização do cliente, atribui um responsável comercial
  3. Acessa a plataforma de comunicação da empresa e verifica se o contato já está cadastrado. Se não estiver, cadastra o contato com e-mail e telefone.
  4. Verifica se o contato marcou que quer receber informações por e-mail e o adiciona às listas de interesse informadas no formulário do site.
  5. Verifica o DDD, identifica o estado e acessa o site do PROCON para pesquisar o número de telefone informado e verificar se o cliente está bloqueado para receber chamadas de ofertas de produtos e serviços. Se estiver bloqueado, sinaliza no cadastro para não adicioná-lo nas listas de chamadas de telemarketing da empresa.
  6. Envia um e-mail para o responsável comercial informando sobre o interesse do cliente.

Este processo manual consome em torno de 5 minutos de uma assistente na empresa quando o contato já existe no CRM, e cerca de 15 minutos quando é preciso cadastrar o novo contato. Além disso, o trabalho pode ser interrompido por uma ligação, um chamado no sistema de chat interno ou outra pausa realizada pela pessoa.

Se implementada em um RPA, esta tarefa já gera economia de tempo pois não será suscetível às interrupções, além da passagem de informações ser muito mais ágil, já que não há o esforço de digitação e movimentação do mouse. O robô ainda precisará esperar que as páginas dos sites carreguem e que o processamento de cadastro dê retorno, mas as operações são realizadas com uma agilidade muito maior.

De acordo com um estudo realizado pela Accenture, a aplicação de RPA pode reduzir em até 80% o tempo dedicado pela organização na realização de atividades que antes eram executadas manualmente.

Além disso, o robô pode executar estas tarefas operacionais sem interrupção enquanto houver trabalho para ser feito, trabalhando 24 horas por dia todos os dias da semana.

Ao reduzir o tempo gasto pelas pessoas em tarefas manuais e mundanas, o time passa a dedicar toda a sua atenção nas atividades em que realmente podem aplicar seu conhecimento e talento.

3. Escalabilidade

Em processos realizados manualmente, a única forma de ganho de escalabilidade em caso de aumento de demanda é contratar mais recursos humanos, treiná-los e adicioná-los à força de trabalho da empresa – sejam profissionais terceiros ou internos.

Quando adotamos a automatização das tarefas manuais, torna-se fácil ajustar o número de robôs que executam o trabalho para mais ou menos recursos rapidamente de acordo com a necessidade da demanda.

Além disso, um robô executor de tarefas pode executar múltiplas tarefas em sequência. Assim, quando não houver mais trabalho de um determinado tipo para realizar, ele pode assumir outro papel, realizando um trabalho totalmente diferente.

Esta escalabilidade é possível com a adoção de Bot Farms, ou fazendas de robôs, onde diversos robôs são alocados para executar as atividades manuais, com um controle de fila de trabalho centralizada.

A escalabilidade de bots traz outra vantagem interessante na adoção de RPA: ela possibilita que os investimentos na automatização de tarefas seja gradual e planejada, ou seja, a organização pode ir aumentando seus investimentos nesta tecnologia de forma gradual à medida que a demanda por automatização cresce entre as atividades da empresa.

4. Padronização, Rastreabilidade e Compliance

Os robôs baseados na tecnologia de RPA baseiam todo o seu trabalho na execução de scripts que determinam a ordem e os passos a serem realizados. Isto garante que qualquer robô executor realizará o trabalho seguindo rigidamente os padrões, normas legais e regulamentares, as políticas e as diretrizes estabelecidas.

Todos os passos realizados pelo robô são registrados em um log de sistema que permite uma rastreabilidade completa de cada ação realizada.

Além disso, é possível atribuir ao robô controles para gerar evidências dos passos realizados, o que poderá ser verificado em uma eventual auditoria. Por exemplo: o robô pode ser configurado para que faça o print de uma tela de cadastro com todos os dados registrados antes e após o salvamento, salvando em arquivo com data e hora da geração do registro e gravando em uma pasta com escrita controlada.

Com isso, a organização pode contar com uma garantia maior de compliance em seu negócio.

5. Redução de erros

Atividades em que grande parte do trabalho baseiam-se em digitação manual de informações e ações de copiar-e-colar entre campos de telas de sistemas apresentam grande risco de erros cometidos por erros de digitação ou movimentação de informações nos campos errados.

Algumas situações típicas que apresentam risco de erros nas atividades manuais:

  • Juntar informações de campos diferentes, como primeiro nome, nome do meio e sobrenome e copiar-e-colar para um campo único de nome em um outro sistema pode apresentar problemas como faltar espaços entre os nomes deixando-os colados ou copiar em ordem errada.
  • Valores que precisam ser digitados manualmente de um sistema para outro porque o formato de dados é diferente podem falhar na digitação de algum dígito, podendo levar a grandes diferenças de valores
  • A transformação de um valor de uma moeda em outra (ex: de dólar para real) pode ser adicionada de forma errada devido ao formato ou falha em algum dígito durante o cálculo.

Pense neste cenário simples: ao cadastrar uma geladeira de luxo no site de e-commerce, o usuário falhou ao digitar e colocou um zero a menos no preço, fazendo  que o produto que deveria custar R$ 3.700,00 fosse vendido por R$ 370,00!! Um pequeno erro de digitação que pode representar um seríssimo risco ao negócio!

A automatização de tarefas faz toda a transferência e transformação dos dados em memória no próprio computador, garantindo que – se a fórmula ou regra estiver bem definida no script, as chances de erros sejam virtualmente eliminadas na execução destas atividades.

E muito mais…

Existem diversos outros ganhos que sua organização pode obter na adoção de RPA:

  • Foco do time na experiência do cliente
  • Rápido retorno do investimento
  • Compartilhamento do recurso por múltiplas equipes
  • Melhoria do desempenho dos processos de negócio através de ganhos de agilidade em tarefas manuais
  • Aumento da capacidade de fazer negócios

Siga nosso blog e acompanhe nossos próximos artigos sobre o tema!

 

Conheça também:

Robotic Process Automation (RPA) – o próximo salto de agilidade em processos

RPA (Robotic Process Automation) é uma nova ferramenta tecnológica que automatiza partes ou atividades inteiras de processos de negócio. Com esta tecnologia, robôs de software executam uma sequência de passos de um trabalho através da interação com as interfaces de usuários já existentes nas diversas aplicações utilizadas pelos profissionais da organização. Em outras palavras, o robô faz aquela parte do trabalho maçante do escritório, atualizando planilhas, fazendo cálculos, checando emails, cadastrando coisas.

Baseado na ilustração de Ken Barr para a capa do livro "Star Wars Question and Answer Book about Computers" (1983)Se você leu isso e ficou imaginando o C-3PO (Star Wars), o Sonny (Eu, Robô) ou o Bender (Futurama) em frente a uma mesa de escritório pilotando um laptop e realizando o trabalho diário por você… bem, talvez o que você tem em mente não seja exatamente como é um robô RPA, mas pode ajudar a entender como ele trabalha.

O RPA não é um robô físico, mas um software capaz de executar, de forma automatizada e utilizando recursos cognitivos, os passos de uma tarefa que uma pessoa normalmente faria. Se todos os recursos necessários para realizar o trabalho (como os dados de entrada e as aplicações a serem acessadas) estão em formato digital, o RPA deve ser capaz de realizar a tarefa.

Definindo RPA

O RPA (Robotic Process Automation) consiste em uma aplicação de software que replica as ações de humanos na interação com a interface de usuário de um sistema de computador. Este robô de software opera usando a interface de usuário (UI) da mesma forma que uma pessoa faria, sendo esta a principal distinção das formas tradicionais de integração com sistemas que historicamente são realizadas através de APIs (Application Programming Interfaces).

Por exemplo:

  • Semanalmente a equipe de compras reúne informações de novos fornecedores em uma planilha e envia para uma pessoa que faz login no ERP da empresa e verifica, para cada linha da planilha, se o fornecedor já está cadastrado ou se falta cadastrar no sistema. Para os fornecedores ainda não cadastrados, esta pessoa faz o cadastro e envia um e-mail ao contato no fornecedor solicitando que envie a documentação mínima para efetivar o cadastro.
  • Em uma instituição financeira, toda vez que uma nova análise de solicitação de empréstimo precisa ser realizada, uma pessoa acessa diversos sistemas como cadastro de clientes, Serasa, SPC, bureau de informações entre outros, pesquisando pelo CPF dos tomadores de crédito e seus associados para avaliar sua capacidade financeira. As informações são reunidas em um documento baseado em um template predefinido, que é transformado em PDF e então enviado para um Analista de Crédito para avaliar se vale a pena ou não liberar o empréstimo.

Com RPA, é possível automatizar atividades operacionais e manuais do tipo “monkey business” como as descritas acima, que não agregam valor ao negócio mas que são necessárias à rotina da organização, tornando esse processo muito mais ágil e liberando os profissionais envolvidos nestes processos para focarem em atividades de alto valor como avaliações e tomadas de decisão.

Para realizar o trabalho, o robô é “treinado” para repetir as mesmas ações de uma pessoa para realizar o trabalho, como monitorar emails, extrair anexos, classificar e colocar os anexos em pastas, comparar o conteúdo de documentos, realizar login em sistemas, cadastrar ou consultar informações, analisar e buscar padrões em imagens, reunir dados de diferentes fontes para gerar uma planilha ou relatório entre outras tarefas manuais. As soluções mais avançadas possuem ainda habilidades cognitivas que possibilitam o aprendizado contínuo, adaptabilidade a mudanças e inteligência artificial.

A partir deste “treinamento”, o robô passa a fazer trabalho sozinho a partir de algum gatilho (por exemplo um e-mail que chegou ou um determinado horário do dia), interagindo com as aplicações do computador no lugar de uma pessoa. Para quem olha o computador em utilização pelo robô, poderá parecer estranho ver o mouse na tela se mexendo sozinho, janelas se abrindo e coisas sendo digitadas – mas é exatamente assim que acontece! O robô de software passa a assumir o controle do computador, com cada passo seu sendo rastreado pelo sistema – o que possibilita auditorias ou revisões das ações realizadas.

 

Principais benefícios

Entre os principais benefícios na adoção de RPA, são apontados:

  • Mais rápido e barato de implementar em relação a um projeto típico de desenvolvimento e integração de sistemas, pois não requer alteração das aplicações existentes
  • Redução do tempo de ciclo das atividades: uma tarefa automatizada com um robô pode realizar tarefas de 3 a 5 vezes mais rápido que uma pessoa. Com isso também pode produzir mais resultados no mesmo tempo de trabalho.
  • Escalabilidade: é possível ajustar o número de robôs executando a tarefa para mais ou menos recursos rapidamente de acordo com a demanda.
  • Padronização: os robôs executam as tarefas seguindo rigidamente os padrões definidos para a realização do trabalho.
  • Redução de erros: devido aos padrões e regras definidas, o risco de erros é virtualmente eliminado.

Siga nosso blog e acompanhe nossos próximos artigos sobre o tema!

Conheça também: