Respondendo dúvidas em BPMN: Desenhar processo na vertical ou horizontal?

A definição sobre a orientação vertical ou horizontal para diagramas na notação BPMN, sempre foi, desde sua criação, um dos aspectos mais questionados pelos analistas e modeladores de processos.

Um de nossos leitores recentemente enviou a seguinte questão:

“Sei que a boa prática é desenhar o processo da esquerda para a direita, correto?
Porém estou me deparando com alguns processos longos que vão dar muito trabalho fazer nesta ordem e acredito que ficará mais fácil visualizar de cima para baixo.
O que vocês acham sobre isso? Há alguma regra? O que vocês orientam?”

Embora não seja obrigatório em BPMN, swimlanes (pools e lanes) são muito utilizadas pois possibilitam a estruturação visual do fluxo, de forma a apoiar a interpretação do mesmo. Através delas, é possível identificar facilmente quem é responsável por executar cada tarefa, quem são os atores do processo e que participantes externos colaboram com o processo.

Em nosso blog, já falamos sobre pools e lanes em postagens como:

A especificação da notação (http://www.omg.org/spec/BPMN/2.0/PDF/) define o uso de swimlanes como não obrigatório, e que estes elementos podem ser usados para organizar o processo visualmente tanto na horizontal quanto na vertical.

Muitas vezes, o analista que realiza a modelagem de processo já utilizou alguma outra notação ou metodologia com elementos semelhantes às pools e lanes de BPMN, como eEPC e fluxogramas. Nestas duas notações, o processo é comumente representado na vertical. Assim, é mais natural para estes profissionais elaborar o processo nesta visão.

Entretanto, a maior parte dos exemplos que encontramos na bibliografia e na web sobre BPMN utiliza a representação na horizontal. Isto se dá porque na cultura ocidental temos o reflexo da leitura da esquerda para a direita. É uma percepção ligada à compreensão da sequência de ações. Assim, a distribuição do processo em uma estrutura de pool e lanes horizontal permite uma melhor distribuição das tarefas nesta visão

Um exemplo bastante simples de processo modelado com swimlanes na horizontal. À medida que se agreguem novas atividades ao processo, há a uma tendência de aumento do diagrama para a esquerda. Em um diagrama com colaboração, outras pools podem ser adicionadas, geralmente abaixo e acima da pool que contém o processo.

O mesmo processo do exemplo acima, representado com swimlanes verticais. A leitura do fluxo navega para a esquerda mas em alguns momentos precisa ir na "contra-mão" da leitura normal. A tendência de aumento é para baixo, mas novas lanes podem ser agregadas aumentando sua largura. Em um diagrama com colaboração, outras pools podem ser agregadas, geralmente nas laterais da pool que contém o processo.

Existe ainda uma abordagem de fluxo limpo do processo, em que pools e lanes não são utilizadas. Essa abordagem é mais usual quando o processo é modelado com visão de orquestração, por exemplo, em que suas atividades são na verdade uma sequência de processos, ou sub-processos. Neste nível de visão sobre o processo de negócio, é mais relevante identificar os processos e como estão relacionados do que quem são os envolvidos nestas tarefas, já que os atores já estarão claros nos diagramas dos respectivos processos.

Apesar da flexibilidade oferecida pela especificação oficial da notação, em geral recomenda-se a documentação do processo com pool e lanes na horizontal, seja pelo aspecto do conforto natural da leitura do fluxo ou mesmo por restrições de ferramentas (alguns produtos amplamente utilizados no mercado para representar diagramas de processos não permitem desenhar pools e lanes verticais, apenas horizontais).

Se o diagrama do processo tende a se tornar grande, a resposta não está na definição vertical ou horizontal do diagrama, mas na capacidade de abstrair tarefas em conjuntos através de subprocessos. Com isso, o modelo talvez acabará ganhando um ou dois níveis a mais, mas ao mesmo tempo temos com isso um diagrama com visão mais objetiva sobre o processo de negócio (veja mais sobre esta abordagem neste artigo, em orquestração de processos).

Independente da escolha, nossa principal recomendação é que esta definição deve fazer parte do guia de estilos de modelagem da organização, ou seja: vertical ou horizontal – o importante é manter um padrão a ser adotado em todos os diagramas de processos  de negócio documentados para a empresa.

 


Aprenda a utilizar todo o potencial da notação BPMN em exercícios práticos e avançados com nossos instrutores!
Confira já a agenda de cursos da iProcess Education e inscreva-se:
www.iprocesseducation.com.br

9 ideias sobre “Respondendo dúvidas em BPMN: Desenhar processo na vertical ou horizontal?

  1. Tem alguma regra que as setas de “Sim” devem ir para cima e as setas de “Não” para baixo? Ou coloco na direção que quiser?

  2. Gabriella, não há nenhuma regra para isso. Você pode desenhar os fluxos de sequência na direção que for mais conveniente para o fluxo do seu processo. O importante é que o conector deve necessariamente ligar dois elementos de fluxo (atividades, gateways ou eventos) e que ponta de origem esteja conectada no elemento precedente e a de destino (com a seta) no elemento que dará sequência ao fluxo.
    Algumas equipes podem definir padrões organizacionais específicos para manter um estilo comum de modelagem, mas na especificação não há nenhuma restrição em relação à direção das setas dos conectores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>