A importância de avaliar a cultura e o medo da mudança na implementação de BPM

Neste artigo vamos abordar alguns dos aspectos mais críticos, e frequentemente ignorados, no que se refere a implementar BPM nas organizações: como a cultura organizacional e o medo da mudança são fatores que podem afetar consideravelmente o resultado desta iniciativa.

Durante a implementação de projetos de BPM, é muito frequente se deparar com obstáculos relacionados à cultura da organização, principalmente no que se refere à forma como as coisas costumam ser feitas. São procedimentos, padrões e ferramentas que se estabeleceram com o passar do tempo, e acabaram virando a única forma conhecida das pessoas de realizar o seu trabalho. Com a realização de um trabalho de análise e redesenho do processo através de uma iniciativa de BPM, então todos os gaps, ineficiências e problemas desta forma de trabalho podem vir à tona. Podemos citar como exemplo um caso clássico na automatização de processos: a substituição de formulários em papel que devem ser assinados manualmente pelos gestores, por formulários eletrônicos em que a aprovação é controlada por um processo automatizado e realizada através de uma lista de trabalho.

É do nosso conhecimento casos em que usuários de negócio ficaram receosos e resistentes pelo simples fato de que as aprovações necessárias não iriam mais ser em papel, ou seja, sem a assinatura “física” do seu gestor. São usuários que não foram suficientemente informados de todos os conceitos por trás de uma aprovação digital, e chegaram a exigir (já numa fase bem adiantada de uso do processo) que os participantes deveriam adicionalmente imprimir o histórico de aprovações e anexar junto a solicitação, para que fosse dado o encaminhamento para a próxima área envolvida. Temos aqui um caso em que um dos maiores benefícios da automatização de processos, que é a economia de papel, foi praticamente anulada simplesmente pelos receios de usuários mal informados.

Uma mudança na forma de como são feitas as coisas pode mexer ainda com questões comportamentais enraizadas na organização, e que podem passar despercebidas até para o mais experiente analista de processos. Podemos citar o exemplo de um solicitante que aproveitava o momento em que solicitava a aprovação do seu gestor (com o formulário em papel em mãos), para sentar com ele na sua sala, tomar um cafezinho e discutir com ele banalidades e o resultado do futebol no fim de semana. E que, de uma hora pra outra, teve esta rotina agradável e esperada (do ponto de vista dele) sendo substituída pela rápida, eficiente e distante aprovação eletrônica. O exemplo pode até parecer exagerado e cômico, mas é um tipo de percepção que de fato ocorre entre os usuários, e é preciso ficar atento.

A resistência a mudanças pode ser um grande impeditivo para o sucesso de projetos de BPM. Se os usuários não forem suficientemente informados e principalmente convencidos da necessidade da mudança, podem virar grandes opositores e chegar ao ponto de boicotar a iniciativa, levando muitas vezes o projeto ao fracasso. Em outro exemplo que ilustra esta situação, uma das pessoas envolvidas na execução de um processo chegou a temer pelo seu emprego, quando descobriu que a automação do processo iria realizar de forma automática muito dos procedimentos que esta pessoa executava de forma manual, procedimentos os quais tomavam boa parte do seu dia. Foi então necessário um trabalho de informação e conscientização com esta pessoa, informando que esta seria direcionada para atividades de maior valor agregado, para que a resistência e o medo da mudança fossem finalmente superados.

Se durante uma iniciativa de BPM as organizações optarem por ignorar a avaliação da cultura interna e não realizarem uma etapa de gerenciamento das mudanças com todos os envolvidos, certamente poderá se esperar como resultado uma resistência muito grande e, em casos extremos, até o cancelamento da iniciativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>