5 Razões para adotar Robotic Process Automation (RPA)

No artigo anterior, falamos sobre Robotic Process Automation (RPA) – como ele representa o próximo salto de agilidade em processos e os principais motivos para adotar RPA.

Neste artigo, vamos explorar cada uma dessas razões e debater como elas se convertem em ganhos reais e retorno sobre o investimento na aplicação desta tecnologia.

1. Mais rápido e barato de implementar

Uma das atividades mais comuns no dia a dia das organizações é transferir ou validar informações entre diferentes sistemas que não estão integrados.
Por exemplo:
  • Coletar os dados recebidos de um formulário de contato no site e adicioná-los ao CRM da empresa, para que então se inicie o processo de relacionamento com o cliente.
  • Reunir informações de vendas e encaminhar para o sistema financeiro, para a emissão da nota fiscal de serviço.
  • Digitar informações de cobrança para gerar boletos, copiando as informações do sistema financeiro.
  • Validar uma informação cadastral em um serviço externo, como verificar de placas de veículos no DETRAN, conferir um CEP no sistema dos Correios ou verificar no PROCON de cada estado – de acordo com o código DDD do telefone do cliente – se ele bloqueou seu número para receber chamadas de telemarketing.

A solução técnica seria implementar um serviço de integração, que envolve: definir as regras de negócio, identificar as tabelas e os campos de origem e destino de cada sistema, implementar eventuais transformações/formatações de dados, desenvolver o código do serviço e realizar os testes. 

Entretanto, é comum este tipo de projeto se apresentar bastante complexo, demorado e de custo elevado, e em alguns casos é de difícil viabilidade tecnológica.

Enquanto a solução técnica ideal não vem, estas tarefas são feitas manualmente e muitas vezes resumem-se em copiar-e-colar informações da tela de um sistema para a tela de outra aplicação.

Com RPA, o robô é treinado para realizar o trabalho repetitivo exatamente como uma pessoa faria, usando as mesmas telas que a pessoa usaria. A programação do robô é mais simples e se baseia em mapear os passos e definir as regras que ele deve seguir.

 

Um robô RPA tem a capacidade de executar ações de controle de teclado, mouse e memória em telas de aplicações legadas, sistema operacional, sistemas na web, planilhas e documentos eletrônicos, e-mails, e todo tipo de interface estruturada, como se fosse um usuário. Além disso, a programação de seu script é muito mais simples que o desenvolvimento tradicional de sistemas.

 

 

 

2. Redução do tempo de ciclo das atividades

Uma tarefa automatizada com um robô pode realizar tarefas de 3 a 5 vezes mais rápido que uma pessoa. Com isso também pode produzir mais resultados no mesmo tempo de trabalho.

Por exemplo: considere um uma atividade rotineira em que uma assistente comercial recebe por e-mail os dados recebidos de um formulário de contato no site da empresa e precisa cadastrar o contato como lead comercial nos sistemas da empresa. Ela realiza as seguintes ações:

  1. Acessa o CRM da empresa e verifica se o contato já está cadastrado. Se não estiver, cadastra manualmente, copiando os dados do e-mail e colando nos respectivos campos de cadastro CRM da empresa.
  2. De acordo com a localização do cliente, atribui um responsável comercial
  3. Acessa a plataforma de comunicação da empresa e verifica se o contato já está cadastrado. Se não estiver, cadastra o contato com e-mail e telefone.
  4. Verifica se o contato marcou que quer receber informações por e-mail e o adiciona às listas de interesse informadas no formulário do site.
  5. Verifica o DDD, identifica o estado e acessa o site do PROCON para pesquisar o número de telefone informado e verificar se o cliente está bloqueado para receber chamadas de ofertas de produtos e serviços. Se estiver bloqueado, sinaliza no cadastro para não adicioná-lo nas listas de chamadas de telemarketing da empresa.
  6. Envia um e-mail para o responsável comercial informando sobre o interesse do cliente.

Este processo manual consome em torno de 5 minutos de uma assistente na empresa quando o contato já existe no CRM, e cerca de 15 minutos quando é preciso cadastrar o novo contato. Além disso, o trabalho pode ser interrompido por uma ligação, um chamado no sistema de chat interno ou outra pausa realizada pela pessoa.

Se implementada em um RPA, esta tarefa já gera economia de tempo pois não será suscetível às interrupções, além da passagem de informações ser muito mais ágil, já que não há o esforço de digitação e movimentação do mouse. O robô ainda precisará esperar que as páginas dos sites carreguem e que o processamento de cadastro dê retorno, mas as operações são realizadas com uma agilidade muito maior.

De acordo com um estudo realizado pela Accenture, a aplicação de RPA pode reduzir em até 80% o tempo dedicado pela organização na realização de atividades que antes eram executadas manualmente.

Além disso, o robô pode executar estas tarefas operacionais sem interrupção enquanto houver trabalho para ser feito, trabalhando 24 horas por dia todos os dias da semana.

Ao reduzir o tempo gasto pelas pessoas em tarefas manuais e mundanas, o time passa a dedicar toda a sua atenção nas atividades em que realmente podem aplicar seu conhecimento e talento.

3. Escalabilidade

Em processos realizados manualmente, a única forma de ganho de escalabilidade em caso de aumento de demanda é contratar mais recursos humanos, treiná-los e adicioná-los à força de trabalho da empresa – sejam profissionais terceiros ou internos.

Quando adotamos a automatização das tarefas manuais, torna-se fácil ajustar o número de robôs que executam o trabalho para mais ou menos recursos rapidamente de acordo com a necessidade da demanda.

Além disso, um robô executor de tarefas pode executar múltiplas tarefas em sequência. Assim, quando não houver mais trabalho de um determinado tipo para realizar, ele pode assumir outro papel, realizando um trabalho totalmente diferente.

Esta escalabilidade é possível com a adoção de Bot Farms, ou fazendas de robôs, onde diversos robôs são alocados para executar as atividades manuais, com um controle de fila de trabalho centralizada.

A escalabilidade de bots traz outra vantagem interessante na adoção de RPA: ela possibilita que os investimentos na automatização de tarefas seja gradual e planejada, ou seja, a organização pode ir aumentando seus investimentos nesta tecnologia de forma gradual à medida que a demanda por automatização cresce entre as atividades da empresa.

4. Padronização, Rastreabilidade e Compliance

Os robôs baseados na tecnologia de RPA baseiam todo o seu trabalho na execução de scripts que determinam a ordem e os passos a serem realizados. Isto garante que qualquer robô executor realizará o trabalho seguindo rigidamente os padrões, normas legais e regulamentares, as políticas e as diretrizes estabelecidas.

Todos os passos realizados pelo robô são registrados em um log de sistema que permite uma rastreabilidade completa de cada ação realizada.

Além disso, é possível atribuir ao robô controles para gerar evidências dos passos realizados, o que poderá ser verificado em uma eventual auditoria. Por exemplo: o robô pode ser configurado para que faça o print de uma tela de cadastro com todos os dados registrados antes e após o salvamento, salvando em arquivo com data e hora da geração do registro e gravando em uma pasta com escrita controlada.

Com isso, a organização pode contar com uma garantia maior de compliance em seu negócio.

5. Redução de erros

Atividades em que grande parte do trabalho baseiam-se em digitação manual de informações e ações de copiar-e-colar entre campos de telas de sistemas apresentam grande risco de erros cometidos por erros de digitação ou movimentação de informações nos campos errados.

Algumas situações típicas que apresentam risco de erros nas atividades manuais:

  • Juntar informações de campos diferentes, como primeiro nome, nome do meio e sobrenome e copiar-e-colar para um campo único de nome em um outro sistema pode apresentar problemas como faltar espaços entre os nomes deixando-os colados ou copiar em ordem errada.
  • Valores que precisam ser digitados manualmente de um sistema para outro porque o formato de dados é diferente podem falhar na digitação de algum dígito, podendo levar a grandes diferenças de valores
  • A transformação de um valor de uma moeda em outra (ex: de dólar para real) pode ser adicionada de forma errada devido ao formato ou falha em algum dígito durante o cálculo.

Pense neste cenário simples: ao cadastrar uma geladeira de luxo no site de e-commerce, o usuário falhou ao digitar e colocou um zero a menos no preço, fazendo  que o produto que deveria custar R$ 3.700,00 fosse vendido por R$ 370,00!! Um pequeno erro de digitação que pode representar um seríssimo risco ao negócio!

A automatização de tarefas faz toda a transferência e transformação dos dados em memória no próprio computador, garantindo que – se a fórmula ou regra estiver bem definida no script, as chances de erros sejam virtualmente eliminadas na execução destas atividades.

E muito mais…

Existem diversos outros ganhos que sua organização pode obter na adoção de RPA:

  • Foco do time na experiência do cliente
  • Rápido retorno do investimento
  • Compartilhamento do recurso por múltiplas equipes
  • Melhoria do desempenho dos processos de negócio através de ganhos de agilidade em tarefas manuais
  • Aumento da capacidade de fazer negócios

Siga nosso blog e acompanhe nossos próximos artigos sobre o tema!

 

Conheça também:

Seja o profissional que vai liderar a Transformação Digital nos negócios da sua empresa

A equipe da iProcess orgulhosamente apresenta o curso de
TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ORIENTADA A PROCESSOS,
um programa de treinamento à distância criado para formar os profissionais que conduzirão as organizações para transformar os seus processos com o uso da tecnologia, aliando inovação a eficiência.

Participe desta experiência que alia a teoria à prática, com dezenas vídeo aulas, artigos e cases alinhados com demonstrações de ferramentas e exercícios práticos de modelagem e automação em soluções de diferentes fornecedores, formando conhecimento através de uma vivência que facilitará o desenvolvimento da transformação digital na sua organização.

  • Conheça os conceitos da transformação digital, as tecnologias que viabilizam esta transformação e os benefícios da sua aplicação.
  • Entenda como as plataformas de processos podem se integrar aos sistemas de informação da organização.
  • Aprenda como fazer esta transformação, estudando e aplicando técnicas e ferramentas de redesenho tecnológico, que multiplicam a eficiência dos processos com o uso da tecnologia.
  • Compreenda os principais problemas e desafios e prepare-se para a jornada da transformação digital, analisando como as áreas de negócio podem liderar este movimento.
  • Saiba como aplicar uma metodologia ágil de transformação que traga ganhos rápidos, crescentes e constantes.

Conheça mais, inscreva-se e participe!

Quero me inscrever agora

A parceria entre os processos automatizados e os sistemas já existentes em uma organização

Podemos dizer, a partir da experiência da equipe iProcess em automação de processos, que os processos automatizados e os sistemas informatizados das organizações não competem entre si, eles formam uma parceria, se complementam. Dizemos isto porque são nos sistemas já existentes nas organizações que os processos obtém as informações necessárias para a execução dos fluxos de trabalho, utilizando-se para isto de uma camada de integração. Daí o motivo de acreditarmos que ambos se complementam.

Os sistemas já existentes, que também chamamos de legado, não são descontinuados ao serem integrados ao processo automatizado. O processo será responsável pela conexão entre estes sistemas e os usuários do processo. Através do BPMS (Business Process Management Suite ou System), uma organização automatiza processos para aumentar seu nível de controle e monitoramento na execução dos processos. Assim, um BPMS atua como orquestrador da execução dos processos entre pessoas e sistemas, definindo o fluxo do trabalho e da informação entre estes participantes.

Desta forma, os sistemas se preocupam com o cadastro, atualização e consulta das informações armazenadas em base de dados e os processos com a sua distribuição, tendo o foco na sequência de etapas, prazos, distribuição das atividades, integridade do processo e em fornecer o melhor ambiente possível para que as atividades sejam executadas. Em alguns casos, se faz necessário o armazenamento das informações ao longo do processo, mas são informações específicas para o contexto das instâncias do processo, que servem para controle de estado do fluxo e logs de atividades, por exemplo.

Quando se automatiza um processo, na etapa de levantamento das informações, é que verificamos como a parceria entre os sistemas já existentes na empresa e o processo utilizando BPMS se dará. Algumas das informações levantadas nesta etapa são:

  • Informações consumidas e informações geradas pelo processo, isto é, quais as informações que deverão ser recebidas pelo processo oriundas de sistemas e quais as informações que eventualmente deverão ser enviadas para gravação em sistemas existentes da organização, como, por exemplo, ERP, sistemas contábeis ou cadastros corporativos.
  • Pontos de integração, isto é, em quais atividades do processo deverão ser obtidas/geradas informações que alimentam os sistemas legados.
  • Como que o processo e os sistemas legados conversarão entre si, que normalmente ocorre através da camada de integração, utilizando serviços especialmente construídos para isto.

A implementação de BPMS nas organizações não deve ser orientada a substituir total ou parcialmente os sistemas atuais esperando-se que passe eventualmente a ser o repositório central das informações da organização. O BPMS não é a fonte principal das informações que estão sendo manipuladas, mas atua principalmente como integrador delas, buscando e enviando informações para outros sistemas durante a execução dos processos.

A iProcess disponibiliza em sua plataforma EAD mais informações sobre este assunto, através do Curso TDP – Transformação Digital Orientada a Processos.

BPMS na nuvem – uma visão geral

Por muito tempo as ferramentas de BPMS só poderiam ser utilizadas após serem instaladas no ambiente da organização. Era necessária então a instalação do software em um servidor, após esta instalação era disponibilizada uma URL para os usuários acessarem o ambiente através de um navegador Web (normalmente para execução e acompanhamento dos processos automatizados). Também era comum a necessidade de instalar algum software no computador dos usuários (normalmente para fins de modelagem e automação). Fornecedores de ferramentas costumam referenciar isto como a versão “on premises” (local) da ferramenta de BPMS.

Assim, mesmo que o objetivo fosse apenas realizar testes rápidos de usabilidade e recursos da ferramenta, existia um caminho tortuoso que precisava ser seguido:

  • Fazer o download da ferramenta, onde os arquivos de instalação em muitos casos eram grandes, exigindo uma boa conexão com a internet e um considerável tempo de download;
  • Disponibilizar um servidor em que a ferramenta pudesse ser instalada e configurada, onde normalmente são exigidas máquinas mais parrudas, com múltiplos processadores e grande quantidade de memória;
  • Realizar o  processo de instalação, que por vezes era desafiador, exigindo pessoas com conhecimento técnico (muitas vezes não existente na organização, então um treinamento ou auto-estudo era necessário), incluindo a disponibilização de um banco de dados existente, que a ferramenta possa utilizar para armazenar as informações.

Depois destes passos é que, finalmente, a ferramenta se encontrava disponível para utilização pelos usuários.

Note que os passos acima se referem apenas a disponibilização de um ambiente de desenvolvimento/testes. A situação fica mais complicada se estivermos falando de instalação em ambiente de produção, em que outros fatores devem ser levados em consideração e onde costuma ser necessário:

  • Mensurar o hardware adequado para suportar a utilização atual (e futura) da ferramenta na organização;
  • Avaliar questões relativas a backup/restore;
  • Avaliar estabelecimento de máquinas em cluster e ambiente de pronta disponibilidade;
  • Avaliar regras de acesso ao ambiente de fora da organização;
  • Definir Regras de segurança, SSL;
  • Avaliar critérios e regras para aplicação de patches e novas versões;
  • Etc.

Parece complicado, não? De fato é. E este cenário ainda é uma realidade em várias ferramentas existentes no mercado.

Mas o que acontece então se a organização não tem os recursos (humanos/tecnológicos/financeiros) para viabilizar a instalação local de uma ferramenta? Significa que a adoção de uma ferramenta de BPMS, na prática, só se aplica a grandes organizações, que dispõe de mais recursos e capacidade de investimento?

A boa notícia é que com a popularização de BPM, um novo tipo de ferramenta está sendo oferecido no mercado, como alternativas ao modelo “local” (on premises) tradicional. Estamos falando aqui de soluções de BPMS na nuvem.

Uma solução de BPMS oferecida na nuvem tem como principais características:

  • Nenhuma instalação local é necessária no ambiente da organização e nos computadores dos usuários;
  • O ambiente de BPMS é disponibilizado pelo fabricante em seus próprios servidores, onde normalmente são oferecidos critérios de alta disponibilidade, segurança, redundância e backup;
  • Todo o acesso à ferramenta é feito via internet através de um browser;
  • A configuração de usuários é normalmente feita dentro da área de administração da ferramenta. Dependendo da ferramenta, existem possibilidades de integração com repositórios de usuários da organização;

Mas quais seriam os benefícios que podemos ter com a adoção de uma solução em nuvem? Vejamos alguns dos principais:

  •  Baixo investimento inicial para adquirir a solução, visto que não é necessário disponibilizar uma infraestrutura interna para instalação e manutenção da solução, bem como não existe um produto a ser “comprado” (o que existe é um modelo de subscrição);
  • Patches de correção e melhorias da ferramenta são garantidas e executadas automaticamente pelo fornecedor, enquanto durar o licenciamento;
  • O licenciamento costuma ser por usuário, o que pode ser bastante interessante e gerar economia, dependendo da quantidade de usuários que irão utilizar a ferramenta;
  • Camadas mais claramente separadas da lógica do negócio e dos sistemas de informação, visto que em se tratando de ferramenta disponibilizada em ambiente web, normalmente temos uma solução mais amigável e menos técnica. Isto incentiva um maior envolvimento da área de negócio em todo o ciclo de modelagem e implementação de processos. Podendo chegar, inclusive, na  possibilidade das próprias áreas modelarem e automatizarem processos (veja aqui o post em que discutimos esta questão);
  • Projetos de implementação evolutivos, em que um processo pode ser rapidamente colocado para ser executado, permitindo que ao longo do tempo novas melhorias e integrações sejam disponibilizados;
  • O conceito “Quick wins” (ganhos rápidos) são potencializados na utilização de uma solução em nuvem: como não existe a preocupação com disponibilização e manutenção de infraestrutura, pode-se partir diretamente para os projetos, gerando resultados mais rapidamente.

Parece bom, não? Mas, como nem tudo são flores, achamos importante destacar também algumas das possíveis limitações deste formato:

  •  Com a solução em nuvem, existe a perda de controle em relação ao ambiente e aos dados  informados, podendo levar a questões relacionadas à auditoria e à segurança das informações, e onde os dados serão armazenados. Dependendo das políticas adotadas pela organização, isso pode até inviabilizar a contratação da solução;
  • Normalmente não existe acesso direto aos servidores da solução, então a capacidade de visualizar os logs pode ser limitada, o que leva a mais dificuldades para avaliar e solucionar problemas na execução dos processos, em relação a uma solução instalada localmente;
  • A aplicação automática de patches e evoluções pelo fornecedor pode eventualmente gerar problemas de compatibilidade em processos/projetos existentes;
  • Dependendo da quantidade de usuários que forem utilizar a solução, o licenciamento por usuário poderá elevar o valor da contratação, podendo inclusive a chegar a valores similares a contratação tradicional (on premises);
  • Nos casos das ferramentas de BPMS que também oferecem a versão on premises, a versão em nuvem costuma ser menos robusta e com menos recursos disponíveis (ao menos neste momento). As capacidades de integração dos processos com sistemas existentes também costumam ser mais restritas (normalmente se encontra disponível integração via webservices);
  • Como estamos falando do conceito de subscrição, não existe a opção de ser “dono” da solução e poder assumir totalmente a ferramenta no futuro, algo que pode ser importante para algumas organizações.

Dados os prós e os contras, será que devo adotar uma solução em nuvem? Não existe uma resposta definitiva sobre isto. No final das contas cabe a cada organização fazer uma auto avaliação, pesar os pontos positivos e negativos, e avaliar que tipo de solução atende mais as suas necessidades, seja uma solução em nuvem ou local.

O que podemos afirmar é que a disponibilização de solução de BPMS em nuvem é um caminho sem volta. Grande parte dos fabricantes já oferece ou está procurando oferecer a sua versão da solução em nuvem, justamente pelo apelo e facilidade de utilização.

A tendência é de uma evolução e uma maturidade cada vez maiores das soluções de BPMS ofertadas na nuvem, oferecendo mais opções de escolha para as organizações, e por fim permitindo a um universo maior de organizações poderem desfrutar dos benefícios de BPM!

Usuários de negócio automatizando processos com ferramentas BPMS – será o adeus à TI?

Com múltiplas funcionalidades e novos recursos sendo incluídos periodicamente, as ferramentas de BPMS (Business Process Management Systems) tem se destacado como uma das categorias de software mais abrangentes disponíveis no mercado atualmente. A promessa de juntar num mesmo mundo a área de processos, de negócio e TI, através dos recursos de modelagem, análise, redesenho, automação e monitoramento de processos, certamente vem chamando a atenção de muitas organizações, que buscam melhorar seus processos e ter mais agilidade e competitividade.

Com a intenção de destacar a sua ferramenta das demais, é muito frequente nos depararmos com o discurso de fornecedores das ferramentas de BPM contendo frases de impacto marcantes, mais ou menos nesta linha (obs: nenhuma frase é real):

  • “Ferramenta de código zero! Não precisa de uma linha sequer de programação!”;
  • “Não dependa mais da TI!”;
  • “Coloque todo o poder nas mãos da área de negócio!”
  • “Dê aos usuários a possibilidade de alterar e modificar os processos em tempo real!”

Mas então… o quão próximos estamos da própria área de negócio começar a desenhar e automatizar processos, sem necessitar do envolvimento da TI?

De cara, vamos esclarecer um ponto bem importante: automação de processos ainda é, em grande parte, desenvolvimento de software. O que muda em relação ao desenvolvimento de software convencional é apenas a percepção do usuário final do que estaria pronto ou não. Se temos uma aplicação web sendo desenvolvida e elaboramos um protótipo HTML pra fazer uma apresentação preliminar ao usuário final, não raro o feedback recebido é: “Que legal, está pronto?”. Já num projeto de automação de processos, temos um lindo processo modelado em BPMN na ferramenta, o que com alguma frequência também leva os usuários a mesma conclusão: “Mas o processo já está todo desenhado na ferramenta! O que está faltando?”. Ora, pode estar faltando tudo! :-)

O fato de termos um processo modelado em BPMN dentro da ferramenta de BPMS, não significa que ele está pronto pra ser executado, ou que qualquer pessoa com conhecimento em BPMN tenha necessariamente condições de automatizá-lo. Isto ocorre por (dentre outros) vários motivos:

  • É necessário definir o modelo de dados do processo, que são todos os atributos/informações necessárias durante a execução do processo. Isto pode a princípio parecer uma tarefa simples de criar os mesmos campos que haveria em um formulário de papel ou numa planilha eletrônica, mas o processo precisará de mais informações do que isso. Desde informações dinâmicas que aparecem na lista de trabalho, a informações que aparecem no detalhamento das atividades ou mesmo atributos puramente técnicos, invisíveis ao usuário e que só servem para possibilitar a implantação de algum requisito;
  • É necessário conhecimento de integrações de sistemas, visto que em grande maioria dos casos, um processo automatizado tem integração com um ou mais sistemas, para buscar ou gravar informações que são manipuladas no processo. É possível automatizar um processo sem integrações, mas a sua inteligência ficará bastante limitada. Por exemplo, se um aprovador precisa de uma informação que já existe em outro sistema para tomar uma decisão, por quê não faríamos uma integração para buscar este dado, e mostrar a ele na hora de realizar a tarefa? Se já existe um cadastro de fornecedores, por que não fazer uma integração para buscar uma lista de fornecedores, facilitando o preenchimento de uma tarefa e evitando que o usuário tenha que ficar digitando todos os dados?
  • É necessário conhecer como fazer a atribuição dos papéis (roles) aos usuários na ferramenta, sendo frequentemente necessária integração com repositórios de usuários (ex: Active Directory). É possível fazer atribuição direta (“de/para”) de roles do processo para grupos de usuários criados na própria ferramenta de BPMS, mas em cenários reais de automação, muito provavelmente isto não será o suficiente e algum tipo de integração com sistemas ou repositórios de usuários será necessária;
  • É necessário conhecimento de como a ferramenta de BPMS implementa os padrões de workflow/BPMN. Por exemplo, como implementar um subprocesso multi-instance na ferramenta? O fato de marcar um “check” em alguma tela da ferramenta não significa que o comportamento esperado vai ser realizado. É necessário que o usuário de negócio saiba exatamente as implicações, em termos de automação de processos, de um subprocesso multi-instance;
  • É necessário definir e desenvolver todas as interfaces de usuário. A ferramenta de BPM pode oferecer recursos de criação de formulários eletrônicos amigáveis e com pouco código, o que na primeira vista possibilitará ao usuário a criação rápida de formulários eletrônicos. Mas em boa parte das soluções de BPMS é necessário conhecimento mais técnico para conectar este formulário ao modelo de dados do processo, plugar as integrações necessárias (sempre elas!) e definir regras de validação e interface, que não raro exigem a criação de linhas de código de software.

Talvez você agora esteja achando que a resposta para a pergunta do título seja “Não”, certo? Ou talvez esteja achando que os discursos de marketing das ferramentas coloquem uma pressão exagerada nas áreas de negócio, influenciando a tentar resolver todos os seus problemas sozinhas.

A boa notícia é: nem tanto ao mar, nem tanto a terra. Dependendo do BPMS sendo utilizado, se estivermos falamos de um processo simples, sem integração com sistemas externos, com regras de negócio e de interface básicas, então apenas o treinamento na ferramenta poderá sim permitir avanços por usuários de negócio.

Mas não podemos deixar de comentar que os melhores resultados são obtidos quando TI e negócio trabalham juntos, ou seja, existe colaboração na automação de processos. A boa notícia é que as ferramentas de BPMS tem evoluindo muito para reforçar este trabalho colaborativo, onde usuários de negócio podem iniciar o trabalho definindo os processos, quem sabe até mesmo desenhando algumas interfaces de usuários (o que no passado era uma atribuição exclusiva da TI), e no momento adequado a TI poderá “entrar em cena” e colaborar, se encarregando das tarefas mais técnicas.

Esperamos ter colocado um pouco mais de luz sobre esta situação. Pra finalizar, não podemos deixar de louvar o empenho e sucesso dos fornecedores de ferramentas de BPM em deixar as ferramentas cada vez mais produtivas e amigáveis. Temos hoje ferramentas com quase zero código, montagem de formulários eletrônicos de forma intuitiva e configuração visual de integrações. São recursos que certamente incentivam os fornecedores a elaborar este discurso de marketing. :-)

Webinar – Automação de Processos pela Área de Negócio: Oportunidades e Desafios

A necessidade de se reinventar exige das organizações melhorias constantes em seus processos em prazos cada vez menores. Nesse contexto, a recorrente de falta de recursos da TI e a complexidade cada vez maior dos sistemas de informações levam as organizações a buscar alternativas simples e leves de desenvolvimento que possam ser conduzidas pela própria área de negócio. A automação de processos através de BPMS oferece esta alternativa, mas será que esta promessa realmente pode ser cumprida? Até onde uma área de negócio consegue conduzir com um projeto de automação e em que momento ela volta a necessitar da TI? Que funcionalidades uma ferramenta de automação deve oferecer para atender a estes requisitos? Quais as características ideais de um processo a ser automatizado pela área de negócio?

A resposta a estas e outras perguntas foram apresentadas neste webinar apresentado no dia 18/09 e agora disponibilizado para todos que não puderam assistir ao vivo.

Aos que participaram da transmissão ao vivo, um muito obrigado em nome do time da iProcess!

Confira abaixo as respostas para perguntas enviadas por nossos participantes durante o evento:

Pergunta: No caso de uma empresa não possuir ainda uma “maturidade em Processos” e nem “recursos para adquirir ferramenta / plataforma BPMS” , que dicas você daria para iniciar um trabalho com foco em gestão por processos nesse tipo de empresa?
Resposta: Para a maioria dos casos, a sugestão é sempre a mesma: Escolher muito bem o processo, planejar projetos que tenham potencial de dar um retorno rápido e potencial para trazer retorno aos investimentos realizados. Existem atualmente inúmeras soluções de BPMS que funcionam na modalidade de aluguel em nuvem que tem custos muito competitivos e a maioria das vezes viável para a maioria das empresas, de modo que sugiro também que se avalie estas alternativas mesmo que os recursos estejam extremamente escassos.

Pergunta: Hoje existe software de gestão de pessoal por exemplo que já possuem uma ferramenta de formulários e workflow nativa. Quais as vantagens e desvantagens deste tipo de solução? Ela acaba sendo útil apenas para o RH?
Resposta: Sem querer dar uma resposta genérica que se aplique a todo e qualquer caso, pois cada software possui as suas peculiaridades, diria que as vantagens destas soluções é possivelmente já terem facilidades de integração e compartilhamento de informações com o sistema de origem nativas; e como desvantagem não serem tão genéricas e conectáveis a diversas outras soluções da organização com a mesma facilidade que costuma ter uma solução que foi desenvolvida para trabalhar com toda a organização.

Pergunta: Por que uma integração com outros processos seria “baixar o nivel”? Você quis dizer que seria apenas mais complexo porque estamos falando de negócios ou que seria algo ruim para qualquer tipo de processo?
Resposta: O “baixar o nível” tem o sentido de exigir conhecimento técnico mais especializado, exigindo que o responsável muitas vezes tenha que ter um conhecimento médio ou alto em tecnologia e em seus respectivos padrões tais como XML, XSD, WSDL, SQL, …

Pergunta: Você entende que o BPMS compete com o ERP?
Resposta: Não, entendemos que o BPMS complementa o ERP na medida que o ERP implementa as gestão das informações e suas respectivas regras de negócio e o BPMS permite que estas informações tramitem por toda a empresa e se integrem com outros sistemas legados que não estão contemplados no ERP.

Pergunta: Pela experiência de vocês, gostaria de uma opinião: como fica a gestão dos usuários a partir do momento que a TI a libera o processo de modelagem para área de negócio? A área de negócios fica encarregada de criar grupos, funções, usuários, etc?
Resposta: Irá depender de cada organização e como esta gestão está implementada. Por exemplo, se existe um repositório central de usuários e papéis, como um LDAP ou Activie Directory (AD) corporativo, esta função teria que seguir com a TI. Pode ser também que estas informações fiquem armazenadas num sistema de RH, por exemplo, e o BPMS se integre a este sistema, de modo que esta gestão continuaria sendo feita pelas funcionalidade do sistema de recursos humanos. Contudo, se a organização definir que estas informações serão cadastradas diretamente no BPMS, esta gestão poderia sim ser realizada pela área responsável por manter a ferramenta.

Pergunta: Quais os principais drivers de ganho com a implantação do BPMS?
Resposta Convido você para responder esta pergunta a assistir o Webinar O que a automatização pode fazer pelos seus processos de negócio? e diversos outros artigos e vídeos existentes no blog da iProcess.

Pergunta:  Com o BPMS da Oracle, consigo uma automação pela área de negócio? Ou é muito complexo?
Resposta: A solução Oracle Process Cloud Service tem inúmeras funcionalidades que facilitam a implementação pelas áreas de negócio. Convido vocês a conhecerem estas funcionalidades em https://iprocess.com.br/tecnologias/oracle-process-cloud-services/ e se desejarem, nos contactarem para obter maiores detalhes.

Pergunta: Quais ferramentas temos hoje no mercado que possuam alguma maturidade e confiança?
Resposta: São inúmeras ferramentas que existem hoje no mercado, seria simplista de nossa parte simplesmente dar uma lista de quais são ou não são confiáveis. Contudo, o que podemos afirmar é que confiamos nas ferramentas que utilizamos em nossos projetos, vocês podem conhecê-las em https://iprocess.com.br/tecnologias/.
Também convido-os a conhecer o nosso Kit de Seleção de plataformas para saber um pouco mais sobre cada uma delas.

Pergunta: Como está a aceitação do mercado para investir em BPMS?
Resposta: Como trabalho há 18 anos com soluções de automação de processos e trabalho há 16 anos na iProcess, posso lhe dizer com tranquilidade que está num momento de forte aquecimento, que atualmente só não é maior porque questões financeiras pela qual passa o Brasil.